sexta-feira, 17 de abril de 2015

E aí, mulherada, vamos marcar um encontro?

 Gathering-of-Women-Art

Bom dia, pessoal! Tudo bem com vocês?

Conversando com a querida Flávia Mariano do blog VIAGEM PARA MULHERES, tivemos a ideia de reunir as amigas e leitoras dos nossos blogs para um bate-papo informal no Rio de Janeiro no dia 30 de maio (sábado). A data é provisória e está sujeita à alteração, mas o importante no momento é saber quantas pessoas gostariam de participar desse encontro para que possamos nos organizar escolhendo um local e um horário que atenda a maioria das interessadas.

Com esse objetivo, desenvolvemos um pequeno questionário que eu gostaria de pedir para as interessadas preencherem:


Nesses seis anos em que o Casos e Coisas da Bonfa está no ar, tive o enorme prazer de conhecer muitas amigas virtuais dentro e fora do país, o que também aconteceu com a Flávia por meio do Viagem para Mulheres. É sempre uma delícia abraçar e ouvir a voz de pessoas que se tornaram amigas especiais ao longo do tempo, com quem trocamos ideias, rimos e desabafamos.

Nem sempre eu consigo encontrar todas essas amigas no Rio ou durante viagens e por isso estou devendo um chopp ou um cafezinho pra várias dessas queridas que cruzaram o meu caminho. Desse modo, achei a ideia de marcar um “encontrão” interessante e gostaria de saber o que vocês pensam a respeito. Se tiverem sugestões de lugares ou outras ideias de como poderia ser esse nosso encontro, fiquem à vontade para palpitarem aqui no formulário de comentários, OK?

Um grande beijo pra todas com votos de um final de semana super especial!!!!

Bonfa-ass

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Os preparativos para a Festa de Outono

DSC_0585

Boneco articulável com cachecol de crochê feito pela minha avó

A próxima festa que vou fazer em casa tem um tema que eu adoro e que corresponde à minha estação do ano preferida: o OUTONO. Em 2010 reuni alguns amigos para celebrar a chegada do outono com queijos, vinhos, pães, pastinhas e canapés. Mostrei as fotos desse encontro e dos preparativos AQUI. Na época, eu tive um tempo maior para organizar a festa mas, apesar de ter caprichado, algumas coisas não saíram como planejei e então fiquei com vontade de reeditar o evento algum dia. Demorou, mas a oportunidade chegou agora em abril. Para a primeira festa, eu escaneei um pedaço de um caminho de mesa com motivos outonais e criei as peças gráficas usando essa imagem. Não montei um kit propriamente dito, mas fiz plaquinhas para identificar os belisquetes e usei a mesma estampa para encapar as embalagens das lembrancinhas, além de decorar recipientes para velas e potes de vidro.

Dessa vez, desenvolvi o kit digital FESTA DE OUTONO especialmente para a ocasião, em parceria com meu amigo Wagner Campelo, designer de superfície que criou os desenhos das folhas e as padronagens aplicadas no material. Hoje vim compartilhar com vocês os preparativos para a festa que acontecerá em breve lá em casa.

DSC_0596

Buffet decorado com louças, acessórios e peças do kit digital FESTA DE OUTONO

Em 2010, eu usei esses mesmos galhos da foto acima, nos quais pendurei folhas secas de verdade pintadas com spray nas cores vermelho, laranja e verde escuro. Para a reedição da Festa de Outono em 2015, resolvi criar uma ambientação mais lúdica e delicada, recortando as folhas do kit para depois grudá-las na parede do buffet com fita crepe. Os galhos ficaram “pelados” dentro de um vaso de vidro vermelho que coloquei sobre uma tábua de madeira em formato de tronco de árvore. Em seguida, posicionei algumas folhas em lugares estratégicos para dar a impressão de que elas tinham acabado de cair dos galhos.

DSC_0600

Separei louças e acessórios em tons quentes, além de cestos de palha e tábuas de madeira. Como gosto de introduzir uma novidade a cada festa, vi potencial num pequeno rack para CDs que decidi transformar numa espécie de bandeja de três andares. Posicionei duas petisqueiras vermelhas em sua base, seis verrines no segundo nível e quatro colheres de degustação no terceiro, além de um porta-retrato com moldura verde que recebeu a lista dos petiscos a serem servidos nesse pequeno espaço.

DSC_0423

O Wagner desenhou três modelos de folhas típicas de árvores brasileiras e achei a ideia ótima porque ficou diferente da maioria das imagens de outono importadas do hemisfério norte que a gente encontra por aí. Dessa maneira, nossa versão outonal será brasileiríssima!

DSC_0443

Usei as folhas desenhadas pelo meu amigo sobre cores constrastantes no fundo dos toppers redondos com 6,3 cm de diâmetro que vão decorar os muffins.

DSC_0440

Os mini toppers com 5 cm de diâmetro poderão decorar os docinhos de abóbora que vou servir e/ou poderão ser usados como palitinhos para petiscos.

DSC_0482DSC_0468

wrappers para cupcakes/muffins

No kit há dois modelos de wrappers para cupcakes/muffins e ainda preciso escolher o que vou usar.

DSC_0466

As bandeirinhas de boas vindas da foto acima provavelmente serão espetadas nos sanduíches incrementados que vou oferecer aos convidados.

DSC_0426

Prendi as mesmas bandeirinhas nos canudos que vou disponibilizar ao lado dos sucos.

DSC_0579

A lista de comidinhas que vou servir no nosso brunch de outono é a seguinte:

  • Azeitonas temperadas
  • Pastinha de alho e crackers de arroz
  • Cubinhos de queijo marinados no azeite com ervas
  • Salada de abóbora com queijo de cabra, rúcula e nozes
  • Sanduíche de presunto alemão com queijo brie e mostarda escura
  • Sanduíche de rosbife com parmesão, tomate seco e rúcula
  • Roll de salmão com cream cheese e molho de abacaxi com gengibre
  • Docinhos de abóbora
  • Muffins de chocolate

DSC_0526

DSC_0508

Os porta-retratos com moldura colorida vão identificar as comidinhas servidas no buffet, assim como as pequenas plaquinhas presas em porta-recados.

DSC_0492

Encapei dois potinhos de vidro para velas de réchaud com uma das padronagens do kit.

DSC_0391

As pequenas velas da foto acima tem um aroma outonal de abóbora com especiarias e achei que seriam as lembrancinhas perfeitas para essa festa!

DSC_0392

DSC_0406

Testei duas embalagens para as velas, um saquinho de celofane transparente e outro de juta, mais rústico. Ainda não me decidi por um deles, mas o acabamento já está certo: vou usar um topper redondo amarrado com um laço de fita marrom.

DSC_0541

Customizei esse pote de vela que me acompanha há várias festas com uma das padronagens do kit e pretendo colocá-lo na mesa principal.

DSC_0552

Também usei as padronagens para encapar dois potes de vidro que serão usados para abrigar guardanapos e outros acessórios.

DSC_0516

As forminhas servirão como base para os docinhos de abóbora (ou brigadeiros de abóbora), receita que vou testar pela primeira vez e depois compartilho aqui com vocês.

DSC_0495

Esses espetinhos coloridos para petiscos eram da minha irmã Flávia, que deu pra minha mãe, que por sua vez, me emprestou para usar na festinha.

DSC_0575

Quando eu estava pensando na decoração da casa para essa festa, fui andando pelos cômodos do meu apartamento à procura de objetos com “cara de outono” e lembrei dessa peça de madeira que tem uma linda textura natural. Resolvi agregá-la à mesa principal como base para os canudos.

Por hoje é só, pessoal, mas no próximo post sobre a festa, vou mostrar tudo prontinho, além do passo a passo de algumas receitas, OK?

Antes de terminar esse relato, deixo aqui as imagens e as informações sobre o kit digital FESTA DE OUTONO:

Outono1545Outono2545

Kit digital em PDF para imprimir em casa ou na gráfica de sua preferência. É ideal para uma Festa de Outono ou para uma festa sem tema definido.

Esse kit foi desenvolvido em parceria com o designer de superfície Wagner Campelo, que criou os desenhos e as padronagens. Para conhecer melhor o trabalho dele, clique AQUI.
Alguns campos de texto são editáveis.

Peças incluídas no kit:

1. Convites no formato 10 cm x 15 cm em seis modelos.
2. Cartazes no formato A4 (21 cm x 29,7 cm) e A5 (14,8 cm x 21 cm) em seis modelos que podem ser usados como base para convite impresso e/ou virtual, cardápio, menu para Open Bar, placa com mensagem de boas-vindas, papel de carta etc.
3. Plaquinhas para identificar os comes & bebes que também podem ser usadas como marcadores de lugar em seis modelos.
4. Bandeirinhas para canudos e/ou para enfeitar brigadeiros de copinho, doces e cupcakes em seis modelos.
5. Etiquetas de agradecimento para prender nas lembrancinhas que também podem ser impressas em papel adesivo em seis modelos.
6. Toppers com 6,3 cm de diâmetro para cupcakes e/ou adesivos para pirulitos/embalagens para lembrancinhas em seis modelos.
7. Etiquetas com 5 cm de diâmetro para latinhas de metal em seis modelos que também podem ser usadas como adesivos para pirulitos, cocadas, pão de mel e/ou mini toppers para cupcakes.
8. Wrappers para cupcakes com quatro padronagens.
9. Desenhos de folhas (duas por página) que podem ser usadas para decorar a festa de diferentes maneiras. Algumas sugestões são: prendê-las no varalzinho junto com as bandeirolas, adesivá-las nas paredes e espalhá-las sobre a mesa ou buffet de comidas.
10. Bandeirolas para varalzinho em oito modelos. Quatro deles possuem campo de texto editável para inserir uma letra ou um número e escrever SAÚDE, PARABÉNS, FELIZ ANIVERSÁRIO, BEM-VINDOS, a idade e/ou o nome do aniversariante etc.
11. Cúpulas para taçajur (luminária com base de taça de vinho + vela para réchaud) com quatro padronagens.
12. Forminhas para docinhos em seis modelos.
13. Minicones para balas, doces, biscoitos, mix de frutas secas, amendoim, pipoca, algodão doce etc. com quatro padronagens.
14. Páginas no formato A4 (21 cm x 29,7 cm) com quatro padronagens que podem ser usadas para encapar potes de vidro, latas de alumínio, garrafas, além de confeccionar cones tradicionais e customizar bandejas, descansos para copos, porta talheres, anéis para guardanapos, embalagens para sanduíches, chocolates e doces em geral.
15. Página com instruções sobre o uso do kit e sugestão de material para impressão e montagem.

...........................................................................

OBSERVAÇÕES IMPORTANTES:

1. Após a confirmação do pagamento, o cliente receberá por e-mail um link para poder baixar o PDF e uma senha para abri-lo.
2. Os arquivos só poderão ser abertos no programa Adobe Acrobat e você pode baixá-lo gratuitamente na internet: http://get.adobe.com/reader/
2. O PDF possui campos de texto editáveis, mas não poderá ser salvo. Portanto, é importante preenchê-lo completamente e imprimir o resultado antes de fechá-lo.
3. O material é liberado somente para uso pessoal. Não é permitida a distribuição, o compartilhamento, a comercialização das ilustrações e arquivos, assim como a comercialização das peças impressas.
4. Todos os produtos são protegidos por lei e com direitos autorais pertencentes a Katia Bonfadini.

...........................................................................

Para ver todos os meus kits de festa, cartões, convites, posters, ilustrações e padronagens, visite a loja:

assinaturablog

www.coisasdabonfa.com.br

Um beijão pra todos com votos de um delicioso final de semana de outono!!!!

Bonfa-ass

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Figos assados com mel e tomilho sobre sorvete de doce de leite

DSC_0279

Sei que a temporada de figos acabou em março, mas preparei essa receita no final de fevereiro, antes das minhas férias. Confesso que eu estava meio obcecada com a fruta, que rendeu lanchinhos deliciosos no ano passado e no começo de 2015. Então aproveitei que ela ainda estava disponível no mercado para testar uma nova combinação.

Minha inspiração foi a foto e a receita da querida e talentosa Simone Izumi publicada na revista CASA E COMIDA:

http://revistacasaejardim.globo.com/Casa-e-Comida/Receitas/Doces/noticia/2015/02/figos-assados-com-mel-e-tomilho.html

Como eu já havia testado algo parecido que mostrei NESSE POST, resolvi fazer uma pequena adaptação e me paparicar com um delicioso café da manhã especial numa sexta-feira qualquer.

Os ingredientes que usei foram os seguintes:

  • Uma caixa de figos
  • 200 gr de mel
  • Tomilho fresco

DSC_0020DSC_0058

Modo de preparo

Cortei os figos em quatro e embebi os pedaços da fruta numa mistura de mel e folhinhas de tomilho. Pré-aqueci o forno a 180ºC e arrumei os figos numa assadeira com a casca virada para baixo. Levei ao forno por uns 20 minutos, até que eles desidratassem e a calda adquirisse a consistência de caramelo.

DSC_0259

Acho que o ponto do figo depende do gosto do cozinheiro. Eu preferi esperar que as extremidades da fruta ficassem bem ressecadas antes de tirar a assadeira do forno. Desse modo, as pontinhas ficaram carameladas do jeito que eu gosto!

DSC_0223

Os figos assados podem ser degustados puros, por cima de um pedaço de queijo brie ou com sorvete, como sugere a Simone. Acho que os sabores neutros devem ser ideais para acompanhar o doce, a fim de não mascarar ou interferir no sabor da fruta, mas como eu adoro o sorvete de Dulce de Leche da marca Häagen-Dazs, foi esse que escolhi como base para o meu café da manhã especial!

DSC_0188

Nesse mesmo dia, usei outra caixa de figos para testar uma receita que me foi presenteada pela querida Marina Mott, do blog http://marinamott.blogspot.com.br/. Ficou uma delícia e é finalizada com um ingrediente que eu adoro, mas que nunca pensei em misturar à fruta. O resultado é surpreendente e em breve vou publicá-la aqui.

Um grande beijo pra todos com votos de um dia doce!!!!

Bonfa-ass

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Resumão da viagem a Luxemburgo, Romênia, Sérvia, Bósnia-Herzegovina e Bélgica – Parte 1

Eu pretendia fazer um pequeno resumo dessa viagem escolhendo somente três fotos de cada lugar por onde passamos, mas acabei me empolgando e elaborei um post maior cheio de imagens e informações. Demorou um bom tempo até ficar pronto, mas como há muitos anos eu não imprimo fotos e não tenho álbuns além dos virtuais, esse relato funciona pra mim como um souvenir de viagem, o qual posso reler de vez em quando para lembrar desses momentos especiais. E por que não compartilhar essas memórias com quem porventura estiver procurando relatos de brasileiros que estiveram nos mesmos países? Gosto muito de ler os guias LONELY PLANET, mas prefiro os textos e as dicas dos nossos compatriotas porque normalmente me identifico mais com eles.

Conforme comentei no post sobre o concurso “Pra onde vou?”, gosto mais de conhecer lugares novos do que voltar aos paises que já visitei. É somente uma questão de preferência pessoal e é porque eu acho a primeira vez mais emocionante. Tive a oportunidade de voltar algumas vezes a Paris e Nova York, por exemplo, e gostei muito de todas as viagens. Por um lado, a gente se sente familiarizado com a cidade e isso é bom, mas, ao mesmo tempo, eu sinto falta de um “quê” de novidade, de expectativa e de curiosidade sobre o que vou encontrar.

Nessa última viagem de férias, estivemos em Luxemburgo, Romênia, Sérvia e Bósnia-Herzegovina pela primeira vez e na Bélgica pela segunda vez. Dividi esse relato em duas partes para facilitar a leitura.

 

LUXEMBURGO

DSC_0800

Abadia de Neumünster

Luxemburgo, oficialmente Grão-Ducado de Luxemburgo é um pequeno país com pouco mais de meio milhão de habitantes situado na Europa Ocidental, limitado pela Bélgica, França e Alemanha. O país tem uma economia altamente desenvolvida e possui uma das maiores rendas per capta do mundo.

O que eu achei interessante e já sabia por causa de algum documentário que assisti, é que o país abriga um bom número de imigrantes brasileiros e, principalmente, de portugueses, que representam 16% da população. Na capital vimos vários restaurantes de comida típica desses dois países, além de lojas que vendiam produtos como coxinha de galinha, pão de queijo, pé de moleque, guaraná etc.

DSC_0578

Abadia de Neumünster

Luxemburgo é um país trilingue, no qual o alemão, o francês e o luxemburguês são os idiomas oficiais e, pelas minhas pesquisas, seus habitantes aprendem e dominam todas as três línguas. Também é fácil se comunicar em inglês.

DSC_0606

Casamatas de Bock

Luxemburgo se desenvolveu em torno de uma fortaleza e a atração de que eu mais gostei na cidade foram as casamatas. Trata-se de passagens subterrâneas secretas interligadas aos centros militares de proteção que formavam o principal sistema de defesa da cidade.

DSC_0804

Durante a Segunda Guerra Mundial, as casamatas foram usadas como esconderijo para proteger a população dos bombardeios. Esse incrível  conjunto de cavernas chegou a ter 23 km de extensão.

DSC_0581

Hoje em dia, as casamatas são a principal atração turística de Luxemburgo e desde 1994 fazem parte do Patrimônio Mundial da Unesco. A visita é imperdível e é de lá que se avistam as mais belas paisagens da cidade.

DSC_0629

Ruína próxima às casamatas de Bock

DSC_0704

O Grund é a parte baixa da cidade, onde estão concentradas algumas casas muito bem preservadas que foram construídas no século XIV. Uma delícia de lugar pra passear e fotografar cada cantinho!

DSC_0731

Fizemos uma pausa no SCOTT´S PUB na região do Grund, de onde pudemos admirar belas vistas dessa parte da cidade. Infelizmente não conseguimos uma mesa na concorrida varanda sobre o rio, mas fui até lá pra tirar algumas fotos.

DSC_0737

Grund, a cidade baixa

DSC_0640

Grund, a cidade baixa

20150309-014

A cidade vista de cima

20150307-063

Chemin de la Corniche

O Chemin de La Corniche é um caminho delicioso que leva o visitante a apreciar lindas paisagens durante o passeio.

20150307-060

Câmara Municipal

20150308-037

Praça Clairefontaine e a escultura da Grã Duquesa Charlotte

20150307-047

Palácio Grão-ducal de Luxemburgo

20150307-012

Catedral de Notre Dame de Luxemburgo

20150307-028

Detalhe dos vitrais da Catedral de Notre Dame de Luxemburgo

Como Luxemburgo é um país muito pequenininho cercado por três gigantes europeus, infelizmente ainda é um destino pouco explorado pelos brasileiros. Acho que vale a pena incluí-lo no roteiro e, apesar de termos ficado dois dias e meio por lá, é possível conhecer as principais atrações num único dia.

 

ALEMANHA

Bonn e Colônia

Programamos uma paradinha estratégica na Alemanha por uma questão logística e aproveitamos para visitar um amigo, além de fazer um rápido city tour por conta própria por Bonn e Colônia no mesmo dia.

DSC_0940

Universidade de Bonn

DSC_0892

Münsterplatz

DSC_0894

Estátua de Beethoven

DSC_0937

Portão de Koblenz

Bonn possui pouco mais de 300 mil habitantes e está situada no estado da Renânia do Norte-Vestfália. Foi lá que nasceu o famoso compositor Ludwig van Beethoven em 1770 e sua casa é hoje um museu que possui o maior acervo de objetos ligados ao compositor. Infelizmente, só tivemos algumas horas para passear pela cidade e então não deu tempo de explorar melhor as atrações. No final da manhã, seguimos de trem para Colônia, a 30 km de distância.

DSC_1035

Catedral de Colônia

DSC_1115

Bares e restaurantes no Centro Histórico

DSC_4948

Torre da Câmara Municipal

DSC_1194

Estação de trem de Colônia

A imponente e gigantesca Catedral de Colônia é a atração mais visitada da cidade, suas torres têm mais de 150 metros de altura e quando a construção ficou pronta no final do século XIX, era o maior edifício do mundo. Foi bem difícil encontrar um ângulo para fotografar a catedral toda, mas consegui me afastando o máximo que pude, como vocês podem conferir na primeira imagem dessa sequência de fotos.

Bonn e Colônia deixaram um gostinho de “quero mais”. Estivemos em algumas cidades na Alemanha em 2010, mas eu só publiquei um post sobre Desden (lindíssima, por  sinal). Tenho muita vontade de voltar algum dia para fazer a “rota romântica”, percorrendo cidades pequenas e charmosas que me agradam mais do que as grandes metrópoles.

No fim do dia, pegamos novamente o trem na estação que fica ao lado da catedral e seguimos para Dortmund, onde dormimos num hotel próximo ao aeroporto a fim de embarcar no voo para Bucareste, a capital da Romênia, no dia seguinte.

 

ROMÊNIA

Bucareste

Pra mim, a Romênia era o “filé mignon” da viagem de férias, tanto que reservamos uma semana inteira para explorar o país. Os castelos da Transilvânia estavam na lista de lugares que eu gostaria de conhecer algum dia, principalmente depois que vi algumas fotos de amigas viajantes.

DSC_0111

Ateneu romeno, palco de apresentações de música clássica

Bucareste é a capital da Romênia, considerada “jovem” para os padrões europeus, já que sua existência foi citada pela primeira vez em 1459. Desde então, passou por várias mudanças, tornando-se a capital estatal da Romênia em 1862 e consolidando sua posição como centro da comunicação em massa, cultura e arte romenas. Sua arquitetura eclética é uma mistura das eras histórica, entre-guerras, comunista e moderna. No período entre as duas guerras mundiais, a arquitetura elegante e a sofisticação de sua elite deram a Bucareste o apelido de "Paris do Leste", embora as baixas condições de vida de sua população e por ter sido cenário de muitas guerras e conflitos durante o período da Guerra Fria tenham lhe acarretado também o apelido de "A Cidade dos Orfanatos", devido a grande quantidade de órfãos e crianças de rua que a cidade já abrigou.*

*Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Bucareste

DSC_0118

Estátua de Carol I na Praça da Revolução

No centro e nas avenidas principais, vimos muitos prédios clássicos, mas em vários pontos da cidade o que sobressai é a arquitetura soviética, caracterizada por grandes blocos de edifícios resultantes de um projeto de desenvolvimento idealizado pelo líder comunista Nicolae Ceausescu nos anos 80.

DSC_0074

Palácio CEC ao fundo

Logo que saímos do hotel para circular pela cidade, o Marcelo comentou que eu não deveria criar grandes expectativas, já que Bucareste não tem fama de ser uma capital charmosa. Muita gente diz que é acinzentada por causa da arquitetura soviética, mas não foi essa a nossa impressão. As amplas avenidas que ostentam palacetes desembocam em parques com agradáveis áreas verdes. Apesar de ser a capital do segundo país mais pobre da União Europeia, Bucareste tem uma taxa de criminalidade baixíssima e uma vida noturna vibrante. Gostei de termos incluído a cidade no nosso roteiro.

20150311-104

DSC_1324

20150312-151

O centro histórico de Bucareste é uma graça! Adoro caminhar por ruas de pedestres e achei uma delícia observar as fachadas dos vários cafés, bares e restaurantes que preenchem o espaço. São muitas opções e fica tudo mais animado à noite.

DSC_1349

Tirei a foto acima no Caru’ cu Bere, restaurante/cervejaria tradicional aberto em 1879 num ambiente decorado com vitrais, afrescos e piso de mosaico. Concordamos com a opinião do dono do albergue onde nos hospedamos, achamos a ambientação linda, mas a comida não era nada demais. Como o local virou atração turística, eu recomendo a visita, mas é melhor não criar expectativas em relação aos pratos.

20150312-148

Fachada do Banco Nacional da Romênia

Uma coisa que adoramos (e não sei como não fazíamos antes, porque é a nossa cara) foi um walking tour gratuito por Bucareste. Alguns dias depois, repetimos a experiência em Belgrado, Sérvia, e também aprovamos.

20150312-048

Relógio na Piata Unirii

Foi o dono do albergue que nos deu a dica sobre um tour à pé que saía às 10h da Piata Unirii. Os guias normalmente são estudantes de turismo e não é cobrada uma taxa de participação, mas as gorjetas são aceitas e incentivadas. Acho que vale muito a pena porque é uma visita guiada mais descolada e informal do que as excursões pagas geralmente oferecem e, em vez de ficar sentado dentro de um ônibus ou van, o trajeto é todo feito à pé, o que favorece o contato com a cidade e seus habitantes.

DSC_0070

A Igreja Mihai Voda sendo transportada para um esconderijo

Na foto acima, vocês podem ver uma igreja ortodoxa sendo transportada do seu local de origem para um “esconderijo” entre blocos de prédios no estilo soviético. Na época, o líder comunista Nicolae Ceausescu queria colocar abaixo todas as igrejas do país, mas foi convencido de que bastava escondê-las dos olhos do povo usando a técnica elaborada por um engenheiro romeno chamado Eugen Iordachescu, que consistia em levantar a construção inteira do solo e colocá-la sobre uma base estável que, por sua vez, era encaixada em trilhos. Foi assim que algumas igrejas escaparam da destruição na época do comunismo. Essa foi uma das histórias curiosas contadas pelo nosso guia.

DSC_1285

A estátua “de gosto duvidoso” que representa o Imperador romano Trajano foi inaugurada em frente do Museu de História Nacional em abril de 2012 e desde então vem sofrendo muitas críticas, reprovações e deboches. A intenção do artista Vasile Gorduz era representar a gênese do povo romeno a partir da fusão dos romanos com os  habitantes da Dácia (província romana entre 106 e 275 d.C. que hoje fica no território romeno). A postura esquisita (o lobo está flutuando), a nudez do personagem principal e a estranha bandeira que mais parece um cachecol usado pelo lobo (que parece um cachorro) desagradou à maioria da população. É comum ouvir comentários pejorativos sobre a obra, que ganhou um monte de fotomontagens divertidas. Por causa dessa polêmica, a estátua bizarra está cada vez mais famosa!

DSC_0004

Outra obra de arte polêmica é o Monumento à Revolução de 1989 na Piata Revolutiei, cujo obelisco representa o poder do povo ultrapassando a rígida gaiola de ferro do comunismo.

DSC_0156

O Palácio do Parlamento de Bucareste é o segundo maior edificio do mundo em tamanho e volume de ocupação (350 mil m²). O primeiro lugar é do Pentágono nos EUA. A construção de proporções descomunais foi concebida pelo ex-ditador Nicolae Ceausescu (que gostava de obras monumentais) para ser a sede de todo o poder político e administrativo na Romênia. O palácio mede 270 metros de comprimento por 240 de largura, 86 de altura e 92 abaixo do solo. Possui 1.100 salas, duas garagens subterrâneas e 12 andares, com mais quatro pisos subterrâneos prontos, além de outros quatro em diferentes estados de conclusão.

wpid-Photo-Apr-22-2013-109-AM

Fonte da imagem: http://johnsaysthis.com/2013/04/20/build-this-and-the-people-will-kill-you-bucharest/

Para construir o palácio, Ceausescu mandou destruir, demolir e desocupar cerca de 6% da cidade. Para alargar a avenida que leva ao palácio e a qual ele pretendia que fosse reconhecida como mais longa e mais larga que a Champs Elysées em Paris, Ceausescu mandou desalojar cerca de 30 mil famílias, destruiu 19 igrejas ortodoxas, 6 sinagogas, várias praças e monumentos históricos.

Os romenos que conhecemos foram muito simpáticos e, pelo que pesquisei via relatos de outros blogueiros, essa é a impressão geral. Aliás, tanto na Romênia quanto na Sérvia e na Bósnia, eu me surpreendi com a simpatia das pessoas. Eu achei o povo muito solícito, prestativo e sorridente.

 

Sinaia

Na maior parte dos textos de viagem que li, percebi que para muitos brasileiros passar por Bucareste era “um mal necessário” por ser a porta de entrada na Romênia. Alguns desses viajantes se surpreenderam positivamente com a cidade, assim como nós, outros não gostaram e muitos seguiram direto para a Transilvânia, a região mais procurada pelos turistas que visitam o país.

DSC_0261

Castelo Peles

A Transilvânia é famosa pela beleza cênica de sua paisagem envolvida pelos Cárpatos e sua rica história. Colonizada por alemães, possui uma arquitetura linda e ficou mundialmente conhecida por ser o lar do Conde Drácula. Isso porque no fim do século XIX, o escritor inglês Bram Stoker escolheu a região da Romênia como cenário para a ficção que virou filme e lenda.

DSC_0281

Castelo Peles

Os Castelos de Peles e Pelisor são as principais atrações turísticas da cidade de Sinaia, que no inverno se transforma num dos mais badalados resorts de neve da Romênia. Como estivemos lá na baixa temporada (março), a cidade estava pouco movimentada e havia vários restaurantes fechados. Por causa dos castelos, eu imaginava que encontraria um centro histórico charmoso, mas estava enganada. Sinaia é formada praticamente por uma única avenida margeada por grandes hoteis e um shopping. Tudo bem moderno.

DSC_0482

Castelo Peles

Construído em 1875 no estilo renascentista germânico, o Castelo Peles foi concebido para servir como residência de verão do monarca Carol I. A obra demorou 39 anos para ficar pronta e o rei só viveu por alguns meses após a inauguração do castelo. Foi a rainha que se incumbiu de decorar seus 160 cômodos de maneira bastante eclética, misturando vários estilos arquitetônicos.

DSC_0489

Castelo Peles

Eu não conseguia parar de fotografar o exterior da construção! Já estive em muitos castelos europeus porque adoro visitar esse tipo de atração e acho que o interior do Peles só se compara em beleza ao de Neuschwanstein, que fica em Fussen, na Alemanha.

Pelo que li para escrever esse post, dependendo da época em que a pessoa viajou, havia a opção de visita por conta própria (sem guia) e as fotos eram proibidas. Outras pessoas encontraram o castelo fechado para manutenção. Quando estivemos lá em março de 2015, havia visitas guiadas com duas opções, uma mais compacta que durava 40 minutos e outra mais extensa (a que escolhemos) que durava cerca de uma hora. Nós pagamos pela licença para fotografar o interior da construção e, apesar do preço salgado, acho que valeu muito a pena porque o castelo é lindo demais! A decoração é uma mistureba de estilos que nem sempre se harmonizam, mas achei o resultado simplesmente deslumbrante!

DSC_0465

Pátio interno do Castelo Peles

Aliás, pelos relatos que eu li de brasileiros em Peles (foram uns 6), percebi que ninguém quis pagar a taxa para fotos que custa em torno de 10 Euros, mas todos se disseram muito arrependidos quando entraram no salão principal. E a maioria deles classificou Peles como sendo o castelo mais bonito que haviam visitado. Sendo assim, acho que posso dizer que as fotos a seguir não são comuns nos posts dos nossos conterrâneos, rs!

20150313-170

O que mais me impressionou foram os entalhes em madeira que decoram o salão principal porque eu adoro esse tipo de trabalho. Os móveis são repletos de minúncias e o castelo é cheio de passagens secretas que encurtam a distância entre os cômodos. Uma delas fica atrás de uma estante de livros e outra é disfarçada de porta de armário. Muito curioso!

20150313-065

Optamos pela visitação completa e não nos arrependemos. Conhecemos mais alguns cômodos bem interessantes. Vou colocar a seguir mais algumas imagens para que vocês possam ter uma noção do interior do castelo.

20150313-059

20150313-198

20150313-118

20150313-076

Interior do Castelo Peles

20150313-310

Castelo Pelisor

Em seguida, visitamos o Castelo Pelisor, que é menorzinho, mas bem bonito por fora. Foi construído para servir como residência de verão ao sobrinho e herdeiro do rei Carol I, o príncipe Fernando (e futuro rei Ferdinando).

DSC_0495

O Marcelo tinha lido que o interior do Pelisor era muito mais simples e menos atraente do que o Peles, mas mesmo assim decidimos pagar a taxa de fotografia. Na minha opinião, dessa vez não compensou porque a construção é bem menos imponente, ainda mais se comparada ao vizinho que tínhamos acabado de visitar.

20150313-315

Depois da visita, passamos por um largo onde havia lojas, restaurantes e hoteis charmosos, mas parecia tudo fechado por causa da época do ano “entre temporadas”.

20150313-040

Então caminhamos até Sinaia, passeamos um pouco pela cidade, comemos alguma coisa e seguimos de trem para Brasov, que serviu como base para os nossos próximos passeios na Transilvânia.

 

Brasov

DSC_5651

Brasov é muito fofa! Adorei o clima da Praça Sfatului, que abriga a antiga prefeitura, transformada em museu de história, o centro de informações turísticas e a catedral ortodoxa da cidade.

DSC_5655

Na rua de pedestres que desemboca na praça, há vários cafés, bares, restaurantes e lojas de souvenirs. É o lugar mais animado da cidade, frequentado por turistas e locais.

DSC_5424

Museu da História de Brasov

DSC_5442

Adoro o clima das cidades pequenas, que é tão diferente das grandes metrópoles! Acho tão aconchegante sentar numa mesa da praça princpal e observar a vida acontecendo lentamente enquanto degusto um café ou uma cerveja. São deliciosos esses momentos de pausa e contemplação!

DSC_0961

Torre da Igreja Negra

A Biserica Neagra (Igreja Negra) é uma imensa construção gótica que fica perto da praça e ganhou esse nome por causa de um incêncio que deixou suas paredes escurecidas.

20150315-215

No topo do monte Tampa há um letreiro no estilo “Hollywood” com o nome da cidade, que à noite fica iluminado.

DSC_0638

Letreiro de Brasov iluminado à noite

20150315-141

Na base do monte há um teleférico que faz o trajeto até o topo, mas também é possível chegar até lá por meio de uma trilha na mata. Passamos por trás das letras, admiramos as belas vistas e paramos para tomar uma cerveja no bar que fica lá em cima. Foi bem agradável, apesar do frio.

20150315-170

Vista da Praça Sfatului a partir do Monte Tampa

Caminhar pelas ruelas de Brasov sem destino certo é uma delícia e, por falar nisso, é na cidade que fica a rua mais estreita da Europa com apenas um metro de largura, a Strada Sforii.

DSC_0030

Restaram apenas duas torres de observação da muralha que cercava a cidade. Foi de uma delas que tirei essa foto com a Igreja Negra ao fundo.

20150315-193

Igreja de São Nicolau

20150313-340

Mesmo nos afastando do centro histórico, vimos prédios muito bonitos e bem preservados. Brasov é realmente uma gracinha e acho que vale a pena reservar um dia inteiro para explorar a cidade, que geralmente serve como base para visitas a Sighisoara, Bran e Rasnov, que ficam próximas, porém possuem menos infraestrutura e opções de hospedagem.

 

Sighisoara

Sighisoara é uma citadela pequena e charmosa que está na lista dos patrimônios mundiais da Unesco.

DSC_0691

Uma das principais atrações de Sighisoara é a casa onde o Conde Vlad Tepes (ou Vlad Draculea) nasceu. O nobre governou a região no século XIII e morreu com a fama de sanguinário por causa da forma com a qual torturava e matava seus inimigos. Vlad mandava empalar seus desafetos enfiando uma lança comprida no "fiofó" dos sujeitos e a manuseava cuidadosamente com o objetivo de não atingir os órgãos vitais. A ponta da lança saía pelo crânio com os inimigos ainda vivos. Em seguida, ele fincava a lança verticalmente no chão e os caras escorregavam lentamente, morrendo aos poucos de forma bastante dolorosa. Em alguns casos, demorava dois dias até o suspiro final. Diz a lenda que Vlad gostava de passear por seu "jardim de empalados" admirando suas conquistas.

DSC_0697

De tão bizarro, o nobre romeno inspirou Bram Stoker a escrever seu romance. O escritor ficou tão fascinado com o ar misterioso do conde e da região onde viveu, que criou o personagem Drácula, ícone do vampirismo.

DSC_0741

Retrato de Vlad Tepes na CASA VLAD DRACUL

Na Romênia, Vlad é visto como um herói patriota e um homem justo que punia qualquer crime ou ofensa com a morte. Ele viveu no século XV e teve um papel fundamental na vitória sobre os turcos, sendo responsável pela independência do país.

A casa onde Vlad nasceu é hoje um restaurante que fica no centro histórico de Sighisoara, mas eles abrem à visitação o quarto que pertencia ao nobre. Como o ingresso era barato, fomos lá conferir o que havia no cômodo. É meio bobinho, não há uma reconstituição do mobiliário original, só um senhorzinho vestido de Drácula que se levanta de um caixão no momento em que os visitantes penetram no recinto. Além disso, há outro cômodo com um retrato (foto acima) e uma escultura do Vlad, decorado com tecidos vermelhos e velas para criar uma ambientação propositalmente sinistra.

DSC_0662

Apesar de ter tido um morador célebre, Sighisoara possui outros atrativos além da casa do “Conde Drácula”.

DSC_5480

A citadela é pequena e nos surpreendemos quando percebemos que conseguimos circular por todos os cantos e entrar em todas as igrejas em meio dia. Infelizmente, depois que terminamos de almoçar, descobrimos que os museus estavam fechados e assim não conhecemos a Câmara de Tortura nem subimos os 102 degraus da Torre do Relógio, o cartão postal da cidade. Mesmo assim, acho que metade de um dia é tempo suficiente para visitar Sighisoara. Basta ficar atento aos horários de visitação.

20150314-093

A Torre do Relógio foi construída no Século XIII e restaurada entre os séculos XVII e XIX.

DSC_0770

20150314-124

DSC_0698

DSC_0726

Como em qualquer centro histórico de cidade medieval, o mais gostoso é se perder pelas ruelas da cidade sem destino certo. Sighisoara é bem pacata e quase não vimos movimento fora do centrinho.

20150314-076

Do lado oposto à praça, na outra ponta do centro histórico, há uma pitoresca escada de 175 degraus construída no século XVII sob um telhado de madeira.

DSC_0794 DSC_0800-(2)

A parte baixa da cidade tem poucas características medievais, mas descobrimos um cantinho aconchegante onde fizemos uma pausa para comer pizza com cerveja.

20150314-178

20150314-008

Interior da Igreja Ortodoxa de Sighisoara

No caminho de volta até a estação de trem, passamos novamente pela igreja ortodoxa da cidade, no interior da qual as fotos eram permitidas, oba! Adoro a ornamentação dessas igrejas, que geralmente são recobertas de pinturas ou mosaicos bem coloridos e muitos detalhes dourados.

 

Bran

Outra atração obrigatória na Transilvânia é o Castelo de Bran, mais conhecido como Castelo do Drácula, apesar da improbabilidade do Conde Vlad tê-lo habitado. Ao contrário da propaganda feita para os turistas, o local não consta em nenhum registro histórico como residência do monarca. Pelo que pesquisei, a confusão foi criada quando o escritor Bram Stoker descreveu um castelo em seu livro que se parecia com Bran.

DSC_0825

Atualmente, o castelo abriga um museu aberto ao público, exibindo peças de arte e mobiliário colecionados pela Rainha Maria. As visitas podem ser livres ou guiadas.

DSC_0903

Construído em 1211 por cavaleiros teutônicos, o Castelo de Bran possui 57 quartos e nenhum banheiro. É considerada uma das mais importantes atrações turísticas da Romênia.

DSC_0834

Lago congelado no jardim do Castelo de Bran

20150315-019

Antes de chegar no castelo, lemos alguns relatos sobre ele e em praticamente todos havia a menção de que a atração estava sempre lotada de turistas, causando um certo desconforto durante as visitas. Conforme pudemos perceber, essa é uma característica da alta temporada porque, em meados de março, só havíamos nós dois e mais alguns pequenos grupos visitando o local. Foi bem tranquilo.

DSC_0860

Outra coisa que acho legal mencionar é que em vários relatos as pessoas se diziam decepcionadas com o interior do castelo e achavam que não valia a pena entrar para conhecê-lo. Nós começamos a visita sem muitas expectativas e talvez por isso mesmo achamos o interior interessante, apesar de simples. Pode ser que no verão, com uma multidão de gente se esbarrando nos estreitos corredores e escadas, seja incômodo, mas na época em que estivemos lá, acho que valeu a pena pagar o ingresso.

20150315-025

Detalhe de um cômodo no interior do castelo

DSC_0896

Pátio interno do Castelo de Bran

 

Rasnov

De Bran, seguimos para Rasnov de taxi. O Marcelo já tinha pesquisado o valor da corrida e negociou um preço fechado com o motorista, que depois ofereceu de nos esperar em Rasnov e nos levar de volta a Brasov, de onde tínhamos vindo de ônibus. Achamos que o valor proposto era justo e aceitamos a oferta.

DSC_5618

A Fortaleza de Rasnov foi construída no século XIII, época em que a região era habitada por imigrantes de origem germânica. Sua função era proteger os camponeses das invasões inimigas.

20150315-088

Torre de observação da Fortaleza de Rasnov

20150315-094

Entrada da citadela

20150315-119

Dentro das muralhas, o que mais se vê são ruínas, mas restaram algumas casas que atualmente funcionam como lojas de souvenirs.

DSC_0925

Vista da cidade de Rasnov

DSC_0930

Lá de cima pudemos contemplar belas paisagens emolduradas pelas montanhas Bucegi, que fazem parte dos Cárpatos que separam a Transilvânia do resto do país.

 

Sibiu

Sibiu é mais uma cidade lindinha que adoramos conhecer na Romênia. Chegamos bem tarde vindos de trem de Brasov e pernoitamos lá.

DSC_0124

Foi só no dia seguinte que eu saí para conhecer a cidade e logo me encantei com as suas casinhas coloridas, ainda mais bonitas quando iluminadas pelo sol.

DSC_0116

Sibiu é um dos maiores centros culturais da Romênia e durante o ano a cidade recebe vários festivais artísticos e apresentações musicais.

DSC_0119

O ponto principal de Sibiu é a Piata Mare, que abriga o Museu Brukenthal, a Igreja Jesuíta e a Torre do Conselho, onde subimos para tirar algumas fotos panorâmicas da cidade.

DSC_0094-(2)

Como só tínhamos algumas horas para conhecer Sibiu antes de seguir para Timisoara, não entramos em nenhum museu, mas circulamos bastante pelas áreas turísticas e deu pra sentir bem a atmosfera da cidade.

20150316-051

Fachadas de Sibiu

DSC_0153

O dia estava lindo e na hora do almoço havia bastante gente circulando pela praça principal ou almoçando na área externa dos restaurantes, curtindo o sol nas mesas ao ar livre.

DSC_0138

O interior da Igreja Ortodoxa de Sibiu foi um dos mais lindos que vi nessa viagem e, felizmente, as fotos não eram proibidas.

20150316-149

Uma das 39 torres das muralhas de Sibiu ao fundo

20150316-181

Um dos cantinhos fofos da cidade

DSC_0171

Antes de encerrar nosso passeio pela cidade, fizemos uma pausa para almoçar no restaurante CRAMA SIBIANA e pedimos um prato típico com cinco cortes de carne de porco para duas pessoas. Como acompanhamento, havia picles, batatas fritas rústicas (com casca) e molho de mostarda forte. Estava delicioso! A comida tradicional romena é assim mesmo, bem gordurosa e com ênfase na carne, principalmente a de porco. Li que eles acham estranho quando alguém pergunta por um restaurante vegetariano, coisa rara por lá.

 

Timisoara

Não encontrei nenhum relato de brasileiros em Timisoara. Deve existir, mas eu realmente não achei. Como mencionei anteriormente, a maioria dos turistas usa Bucareste somente como ponto de chegada para a Transilvânia, visita as cidades principais e vai embora.

Timisoara ganhou notoriedade internacional em 1989, quando foi palco de uma revolução que derrubou o governo comunista do ditador Nicolae Ceausescu. A manifestação foi sufocada violentamente pelo exército e pela Polícia Secreta (Securitate), com a morte de mais de 2 mil manifestantes (dados da época). O desfecho trágico da manifestação fez com que protestos contra o governo se intensificassem a ponto do exército se confraternizar com o povo, quando a rebelião ganhou as ruas da capital, precipitando a queda de Ceausescu. O ditador tentou fugir, mas foi capturado, julgado e executado em 25 de dezembro.*

*Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Timi%C8%99oara

Foi esse o motivo de termos ficado um dia inteiro em Timisoara. O Marcelo se interessa muito por história e queria conhecer o Museu da Revolução. O museu é interessante, mas precisa urgentemente de reformas. Gostei muito do filme que vimos antes de iniciar a visita. Aliás, achei que o filme foi a melhor parte da visita, bem didático e informativo.

DSC_0291

DSC_0306

20150317-073

20150317-060
Praça Unirii em obras

As fotos acima são da Praça Unirii, um dos cartões postais de Timisoara. Infelizmente (e felizmente, ao mesmo tempo), a cidade estava passando por uma mega reforma na época da nossa visita. A praça das fotos acima é lindíssima, pelo que pude constatar nas imagens que encontrei no Google. Não deu pra curtir esse espaço do jeito que a gente gostaria, mas em 2016 os visitantes vão poder aproveitar uma praça novinha e, provavelmente, ainda mais bonita.

20150317-224

Praça Libertăţii

20150317-099

Centro cultural abrigado num dos antigos bastiões da cidade

20150317-140

Rio Bega

20150317-023

Foi na Praça Victoriei que cem mil pessoas  começaram a entoar protestos anti-governamentais: "Noi suntem poporul!" ("Nós somos o povo!"), "Armata e cu noi!" ("O exército está conosco!"), "Nu vă fie frică, Ceauşescu pică!" ("Não tenham medo, Ceauşescu cairá").* Por esse motivo o local é considerado o berço da Revolução Romena de 1989.

*Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Timi%C8%99oara

DSC_0439

DSC_0448
Praça Victoriei

Atualmente, a praça é um lugar bem agradável ladeado por cafés, bares e restaurantes simpáticos e um jardim que estava começando a florescer em meados de março, mas que fica coloridíssimo no auge da primavera, pelo que pude perceber em fotos diversas.

DSC_0480

A Catedral Ortodoxa de Timisoara foi uma das maiores que visitamos nessa viagem e é linda por dentro.

DSC_0424

20150317-184
Interior da Catedral de Timisoara

DSC_0500

Praça Victoriei com iluminação noturna

DSC_0506

Ópera de Timisoara com iluminação noturna

Eu quase sempre viajei para a Europa na baixa temporada, o que eu prefiro porque as atrações estão mais vazias e são mais baratas. A passagem aérea também sai muito mais em conta. No verão eu acho que tem gente demais e alguns lugares ficam simplesmente intransitáveis, o que me dá agonia. Mas há uma vantagem de viajar quando as temperaturas sobem: as cidades ficam mais vivas, alegres e muitos eventos só acontecem na alta temporada, como cinema ao ar livre, shows e concertos gratuitos, feiras medievais com comida típica etc. Acho que o ideal mesmo é viajar em maio ou setembro, meses com temperaturas amenas.

No próximo post, vou escrever sobre as nossas experiências na Sérvia, Bósnia-Herzegovina e Bélgica.

Um grande beijo pra todos com votos de viagens maravilhosas!!!!

*Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Luxemburgo
http://www.presidencia.pt/comunidades/luxemburgo2007/?idc=200&idi=4162
http://www.viajarpelomundo.com/2011/09/o-grao-ducado-de-luxemburgo.html
http://ideiasnamala.com/2013/08/01/luxemburgo-um-passeio-pelas-casemates/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Bucareste
http://viagem.uol.com.br/guia/romenia/bucareste/
http://andarilhosdomundo.com.br/2012/09/bucareste-romenia-uma-capital-em-busca-de-identidade/
http://www.viajenaviagem.com/2011/08/o-que-e-que-a-romenia-tem-a-dani-g-conta
http://drieverywhere.net/2011/06/17/bucareste/
http://viajeaqui.abril.com.br/vt/blogs/achados/2013/10/07/europa-sem-euro-o-luxo-e-o-lixo-de-bucareste-na-romenia/
http://pt.wikipedia.org/wiki/D%C3%A1cia_(prov%C3%ADncia_romana)
http://www.telegraph.co.uk/culture/art/art-news/9241106/Naked-statue-is-mocked-by-Romanians.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Pal%C3%A1cio_do_Parlamento
http://andarilhosdomundo.com.br/2012/10/castelo-de-peles-o-mais-belo-do-mundo/
http://viajeaqui.abril.com.br/vt/blogs/achados/2013/06/22/a-transilvania-e-incrivel-parte-4-o-castelo-de-peles/
http://compartilheviagens.com.br/transilvania-os-misterios-da-regiao-do-conde-dracula/
http://viagem.uol.com.br/noticias/2012/04/20/conheca-o-lar-de-dracula-a-transilvania-na-romenia.htm
http://andarilhosdomundo.com.br/2012/10/castelo-de-bran-o-castelo-do-dracula/#comment-64403
http://ecoviagem.uol.com.br/noticias/turismo/turismo-internacional/conheca-o-verdadeiro-castelo-do-conde-dracula-veja-fotos-18092.asp
http://pt.wikipedia.org/wiki/Castelo_de_Bran
http://andarilhosdomundo.com.br/2012/11/fortaleza-de-rasnov-transilvania/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Timi%C8%99oara
http://pt.wikipedia.org/wiki/Revolu%C3%A7%C3%A3o_Romena_de_1989

Bonfa-ass

Related Posts with Thumbnails