quarta-feira, 6 de maio de 2009

Pequenas extravagâncias e hábitos de consumo de um casal sem filhos


Parte do meu post de hoje foi inspirado pela crônica da última sexta-feira, escrita pela Verônica. Eu sou uma das três amigas que não querem ter filhos. Sinto que é tão natural eu nunca ter tido o desejo de ser mãe, quanto é natural pra algumas mulheres o terem. Acho que a maternidade é uma experiência única e extraordinária e, na hora de tomar essa decisão, não deve-se pensar nos possíveis problemas, preocupações, doenças, despesas, culpas e etc. que podem vir juntos com a gestação de uma nova vida. Penso que contratempos e imprevistos fazem parte do dia-a-dia e devem ser administrados à medida que forem aparecendo. Se eu tivesse vontade de ser mãe, nunca deixaria de fazê-lo por causa desses percalços. Por isso, posso garantir que não ter filhos nunca foi uma decisão racional. Eu não parei pra pensar nos prós e contras porque eu nunca precisei questionar a minha absoluta falta de vontade, vocação ou desejo de ter filhos. Nunca brinquei de boneca, nunca tive muita afeição por crianças e não me sinto incompleta por não ser mãe. A idéia de que a mulher só se realiza sendo mãe é totalmente equivocada pra mim. Acho que podemos nos realizar e ser felizes de muitas maneiras porque não existe uma fórmula pronta, ainda bem! Minha mãe, mulher maravilhosa, que é também minha melhor amiga, nunca me cobrou isso, acho que inclusive, por conhecer as delícias e também as dores da maternidade. A cobrança da sociedade nunca me afetou porque sempre tive tanta certeza e me coloquei de maneira tão assertiva e confiante a respeito do assunto, que acho que, meus amigos e família já estão conformados há muitos anos. Certa vez, ao saber da minha decisão de não ter filhos, uma senhora disse à minha mãe: "então tomara que ela se descuide e engravide sem querer". Conhecendo a senhora em questão, sei que fez o comentário com a melhor das intenções, mas achei isso de um egoísmo absurdo. Gosto tanto da minha vida do jeito que ela é, da liberdade (viva a liberdade!) de ser quem sou, de fazer o que gosto, de ter tempo pra mim mesma e de poder viver da maneira que eu escolhi. Não entendo porque tantas pessoas se sentem incomodadas com mulheres que não querem filhos e as julgam egoístas. Pra mim, egoístas são os que preferem que as mulheres cumpram seu "papel" na sociedade mesmo que isso as torne infelizes e frustradas. Porque mães também podem ser infelizes e frustradas e eu conheço algumas.

Há algumas semanas fui entrevistada por uma amiga da minha prima que está finalizando sua pós-graduação na área de marketing. Como tema do projeto final, ela escolheu investigar os hábitos de consumo de um casal sem filhos. Muito simpática, chegou lá em casa pouco depois das 19hs numa terça-feira e começamos a entrevista. Ela escolheu o tema por constatar que, nas últimas décadas, houve um grande aumento do número de casais sem filhos no Brasil. Entre as várias perguntas do tipo: "quem faz as compras da casa", "como vocês dividem as despesas", "o que vocês comem no jantar", "vocês costumam fazer as refeições juntos", "onde costumam gastar mais", ela me questionou no que eu achava que meus hábitos de consumo, em geral, mais diferiam dos de um casal com filhos. Fiquei meio pensativa e ela então sugeriu: por exemplo, vocês costumam comprar supérfluos com frequência? Eu respondi que sim, com certeza. Foi aí que percebi porque o mercado de produtos está tão interessado nesse perfil de consumidor que vem crescendo aceleradamente no mundo todo. Assim como muitos casais homossexuais, não temos despesas fixas relacionadas à crianças, como colégio, material escolar, curso de línguas, uniforme, creche, ballet, merenda, plano de saúde, babá, empregada, mesada e etc. (ufa, quanta coisa!), e por isso, podemos nos permitir algumas extravagâncias de vez em quando. Nossa despesa fixa é pequena, mas não posso dizer a mesma coisa com relação aos gastos com cinema, supermercado, restaurante, viagem, esporte, roupas, saídas, festinhas e etc. Tudo isso faz parte das nossas despesas flutuantes. E como elas flutuam!!!

É claro que não deixo de pensar no futuro, mas acho que a vida é muito efêmera e a gente nunca sabe quanto tempo ainda tem por aqui. Nos últimos anos, perdi algumas pessoas próximas e queridas de uma hora pra outra e passei a valorizar muito mais o momento atual, o aqui e o agora, e estou saboreando cada dia de um jeito especial. Para uma criatura ansiosa e estressada como eu, essa é uma conquista e tanto! Por isso fico realmente feliz e não me sinto culpada em gastar dinheiro com coisas que me dão prazer, que pode ser tanto uma barrinha de chocolate suíço, quanto uma garrafa de cerveja alemã, um objeto de decoração que não estava nos planos, um jantar num restaurante mais sofisticado, uma happy hour com os amigos, uma viagem mais longa e até mesmo um passeio panorâmico de helicóptero, que é o que pretendo fazer em breve. É, apesar do medo de avião, resolvi encarar o desafio!!!! Meus amigos não devem estar acreditando nisso, hehehe! Vamos apostar?

Uma das coisas que mais gosto da vida a dois é ter tempo pra preparar jantares românticos à luz de velas sem que haja motivo especial pra comemorar. Ou inventar comidinhas e drinks, usando o Marcelo como cobaia antes de servir aos nossos amigos, como as fotos comprovam:



Dias depois da entrevista sobre nossos hábitos de consumo, passei numa filial do supermercado Zona Sul que fica perto do apê da minha irmã mais nova. Eu adoro supermercados!!!!! Gosto muito de vasculhar as prateleiras cheias de embalagens coloridas e descobrir produtos novos. Faço compras toda semana no mesmo lugar e quase sempre levo pra casa uma novidade, que pode ser uma nova pastinha, um novo suco, um novo tempero ou até mesmo um novo conjunto de canecas pra café. E foi isso que aconteceu no dia em que vi seis canecas fofas, de vidro transparente e canelado na prateleira do supermercado. Custavam 8 reais cada uma e, depois de pensar nos drinks com café, nas sobremesas em camadas e sorvetes que poderia servir nelas, resolvi comprá-las. E inspirada pelas canecas, resolvi experimentar duas receitas novas na semana passada, utilizando também alguns dos "supérfluos" comprados no Zona Sul. Tudo ridiculamente fácil, como sempre! A seguir, fotos e receitas:


Últimos supérfluos comprados no supermercado: moedor de caramelo e baunilha importado da Alemanha, macadâmias cobertas com chocolate, sorvete Häagen Dazs sabor doce de leite, chocolates suíços da marca Lindt, lascas de amêndoas, mostarda à l´Ancienne francesa Maille e pesto alla genovese da marca italiana Polli.


Como a caneca tem um formato alongado, acho que é uma ótima opção pra sobremesas montadas em camadas. Essa foi a primeira que fiz e levava doce de leite pastoso comprado pronto, geléia caseira de morango (que eu mesma fiz) e bastante chantilly, que preparei com creme de leite fresco, uma colher de sopa de açúcar e suco de meio limão pra dar aquele toque azedinho. No topo, o morango mais bonito da caixa e uma folhinha de hortelã pra decorar.



Drink de café com
sorvete de doce de leite
e calda de chocolate



Ingredientes
2/4 da caneca de café bem forte
Calda de chocolate
1 Cálice de licor de chocolate
Sorvete de doce de leite
Chantilly
Lascas de amêndoa

Modo de fazer
Coloque o equivalente a uma colher de sobremesa de calda de chocolate no fundo da caneca. Em seguida, despeje o licor de chocolate e o café forte. Junte uma bola de sorvete de doce de leite e, logo depois, o chantilly. Decore com calda de chocolate e lascas de amêndoas. As macadâmias cobertas com chocolate são uma sugestão de acompanhamento. Hummmmm, isso é uma delícia nas noites frias de inverno!


Doce de banana
com sorvete
de doce de leite
e chantilly



Ingredientes
Bananas maduras
Canela em pó
Açúcar
1 Cálice de licor de amêndoas
Sorvete de doce de leite
Chantilly
Lascas de amêndoa

Modo de fazer
Unte uma forma grande com manteiga e disponha nela as bananas cortadas em fatias finas. Polvilhe-as com canela e açúcar (eu usei o meu moedor de caramelo e baunilha e o resultado ficou ótimo) e leve ao forno até o açúcar começar a caramelizar. Deixe esfriar um pouco e comece a montar sua sobremesa: primeiro o doce de banana, depois o sorvete e o licor de amêndoas por cima. Em seguida, acomode o chantilly, polvilhe um pouco de canela e acrescente as lascas de amêndoa. Pronto! Mais uma sobremesa gostosa, bonita e ridiculamente fácil de preparar! Bon appétit!

Acho que à essa altura, todo mundo já sabe que adoro comprar coisas pra casa e me cercar de objetos que considero bonitos e funcionais! Por isso, outra aquisição recente foi uma dupla de almofadas indianas compradas na Balisun, no Centro do Rio. Lindas, super coloridas e alegres, chamaram minha atenção assim que entrei na loja. Fui procurar alguns ítens pra festa de aniversário da minha irmã e saí de lá com mais do que imaginava:



Estou pensando seriamente em voltar lá no Sábado e comprar um modelo redondo pra presentear a minha mãe. Na verdade, eu até já dei seu presente, que foi a renovação da assinatura da revista Casa Cláudia. Ela adora! Mas não posso deixar o dia das Mães passar em branco, né? O que vocês sugerem? Já sabem o que vão dar de presente às suas mães?


Minha mãe é essa linda loura de olhos verdes aí da foto, que com seus 57 aninhos ainda exibe um sorriso largo e espontâneo de menina sapeca! Não é por ser minha mãe, mas garanto que ela é, de longe, a pessoa mais generosa, modesta, simples e humilde que conheço. E olha que ela tem razões de sobra pra não ser assim! Nem sempre valorizei essas qualidades do jeito que o faço agora e, hoje em dia, a admiro muito por ser quem ela é. Amo demais você, mami!

Desejo um feliz Dia das Mães pra todas as mães, filhas, sobrinhas, netas, avós e bisavós que acompanham o Criative-se!






32 comentários:

Joaninha Bacana disse... [Responder comentário]

Kátia, adorei seu post!!! Do comecinho ao fim :o)
Você e sua mae sao muito parecidas, mesmo sorriso, mesmo formato de rosto: lindonas! :oD
Beijos, Angie
P.S. Se você vier para a Alemanha, nao deixe de passar em Aachen: pra se perder na tentacao que é o outlet da Lindt (barras de chocolate por 50 centavos de euro, hehehe) e pra tomar um café comigo :o)

Verônica Cobas disse... [Responder comentário]

Prá começar, embora não tenha sido a convidada, vou me convidar. Se eu for, como planejo, para a Alemanha no final do ano, faço questão de ir até Aachen e visitar o outlet da Lindt. E aceito o convite para o café também, Joaninha!!

Katia,

Tu sabes como gosto de presentear. Aos queridos da minha vida e a mim mesmo, também. A terapia do presente é algo que me faz um bem enorme. E nem vai aí nenhuma paranoia ( que também não tem mais acento) consumista. Gosto da sensação prazerosa que me dá ver os olhinhos brilhando e o sorriso sincero, e por vezes surpreso, de quem recebe algo que é, muitas vezes, apenas a expressão do meu afeto. Faço isso comigo também. Mas com certeza me reconheço quando você diz que se tivesse despesas com filhos, talvez não o fizesse tanto. Atravessei mais de vinte anos da minha vida com filhos dependentes financeiramente. E isso significa dizer, destinando boa parte da renda familiar para a evolução, crescimento e alimentação deles. Mas se já me presenteava antes, imagine agora quando os dois já são provedores de si próprios. Adoro comprar livros, tomar drinks diferentes, conhecer novos restaurantes. Adoro nossas happy-hours em lugares diferentes, eventualmente um pouco mais caros. São prazeres que justificam também a razão de nossa caminhada. Talvez não tenha tanto o prazer com as novidades para casa, com os detalhes da decoração, mas conhecer o mundo e desfrutar dele enquanto me for possível....vale toda a economia do mundo. E o drink de café e o doce de banana??? Bom, vou lá na sua casa prá experimentar!

Beijinhos!!!

Cacá disse... [Responder comentário]

Katia, que delícia de post!!
Super concordo com o que vc disse em relação a querer ser mãe ou não. Nada precisa ser imposto, a pessoa sabe se quer ser ou não e ela tem o direito de escolha.
Parabéns!
E que lindas canecas recheadas com sobremesas. Amei!
Ficou um luxo!!!
Tb adoro comprar coisinhas para casa.
Beijocas! E parabéns para todas as mães (incluindo euzinha). :)

Lúcia disse... [Responder comentário]

Oi! Olha, que postagem ótima! Eu me identifico totalmente nas despesas flutuantes e sobre não ter filhos. Com o porém que o maridones quer ter, então só estou esperando ele decidir. Amei as canecas, lindinhas! Bjins

http://lucia-inthesky.blogspot.com/

Nicinha disse... [Responder comentário]

Oi Kátia,
Você é uma mulher de uma maturidade extraordinaria. Tem tanta coisa que nos faz feliz, como eu já disse aqui felicidade é estar bem consigo, independente de nossas escolhas.Amiga as pessoas sente incomodada com tudo e ainda algo que não diz respeito a elas e sim a pessoa.
Bateu no meu pronto fraco CAFÉ, penso até em estudar e assim que tiver um tempinho fazer o curso de barista.Essas taças estão maravilhosas.Acho que uma tarde dessas vou levar a minha mãe para tomar um café.
Esse dia das mães que está bem pertinho dela, encher de beijos e deitar em seu colo :)
Ainda não pensei em que dar, ela adora plantas e objetos de decoração, ela até falou que abriu uma loja linda de Decoração perto de casa....Boa dica :)
Assim como você, sua mãe é linda.
Um feliz dia das mães para ela.
Kátia obrigada por tudo, você faz parte do começo da minha nova carreira, os cartões ficaram lindos.
Beijo grande!!!
Nicinha

Mari disse... [Responder comentário]

Bonfinha, vc sabe que concordo em tudo sem tirar uma vírgula sobre ter filhos. Minha decisão tb nunca foi racional, ou seja, pensando nos prós ou contras. Na verdade nem foi uma decisão: simplesmente nunca tive vontade, então não tinha nada pra ser decidido. E que bom que nossos maridos tb pensam assim!

Eu tb AMO experimentar (tanto no sentido de comer qto de fazer) comidinhas! Adoro nossas happy-hours e espero que continuemos com esse hábito por muitos e muitos anos mais! Logo eu, que entrei meio de gaiata nesses encontros! Perdi pessoas muito queridas e muito especiais, e acabei encontrando outras tão especiais quanto!

Beijocas mil!

Ah, a almofada é lindaaaaaaa!!!! Mto mto fofa!!!!!

Ana Luiza disse... [Responder comentário]

Katia,

Eu já tinha visto isso no seu orkut e, diga-se de passagem, comentei na hora: Mãe, fala pra Katia me chamar o dia que rolar a degustação dessas sobremesas! Por favor, né? Você me deve degustação de sanduíches, drinks, sobremesas e todas essas coisas igualmente gostosas e engordativas! =)

Sobre o presente de Dia das Mães, eu já comprei o meu, mas não posso revelar, apesar da minha ansiedade quase não deixar a minha boca fechada. Mas digamos que é diferente e acho que, assim como a mamãe, você vai gostar!

Beijos!

Monica Loureiro disse... [Responder comentário]

Adorei seu Post..
Tenho 20 anos de casada e um filho de 13. Fiquei 6 anos sem querer ter filho, e quando tive, foi muito bem resolvido. As crianças percebem quando sao desejadas e amadas, e todos os dias eu "abençõo a vida dele". Acho que filho tem que ser assim : muito desejado, e nao por causa da "sociedade"...

Até hoje me cobram o segundo filho, mas decidi não ter MESMO....
A gente precisa ter tempo pra se curtir também....Temos que ter pequenos e grandes prazeres na vida....

Ozenilda Amorim disse... [Responder comentário]

Nossa Kátia, como somos parecidas. Também nunca tive vontade de ser mãe, não tive filhos e não sou nem um pouco frustada com isso, embora leve o maior jeito com crianças e adore estar com elas, meus sobrinhos que o diga, sou a tia preferida.
No quesito lar, também adoro fazer comidinhas e compras e mimos para mim, pois moro sozinha, e para a família e os amigos. É tudo de bom.
Adorei o post.
;

Wagner disse... [Responder comentário]

Compreendo perfeitamente sua ausência de vontade em ter filhos, pois sinto o mesmo (ainda que sendo homem e não-casado). Realmente, foi uma grande sorte você ter encontrado um marido que pense do mesmo modo sobre a questão — sorte da Mari também (se eu fosse casado seria um desses maridos).
Adorei as canecas (lindas!) e a aparência dos “recheios” — só falta experimentá-los para ver se realmente condizem com as fotos (he he he).
Sobre as almofadas nem preciso dizer o que achei, né? Eu só tinha visto uma delas (a de fundo violeta), e achei a outra ainda mais bonita. Cores muito bem combinadas, e aqueles bordados em degradê então!...
Pelo que conheço da sua mãe ela me parece exatamente como você a descreve: além de muito simpática e bondosa, ela sempre me pareceu bastante atenciosa. Não sei o que sugerir, mas creio que você irá encontrar um presente que ela realmente goste e que a deixará muito feliz. Eu já comprei o da minha mãe, e acho que ela vai gostar também.

Beijo!

Elaine Patu disse... [Responder comentário]

Prezada Kátia.
Seu post me lembrou o nosso querido poeta Vinícius de Morais quando diz:

Poema enjoadinho


Filhos . . . Filhos?
Melhor não tê-los!
Mas se não os temos
Como sabê-lo?
Se não os temos
Que de consulta
Quanto silêncio
Como os queremos!
Banho de mar
Diz que é um porrete . . .
Cônjuge voa
Transpõe o espaço
Engole água
Fica salgada
Se iodifica
Depois, que boa
Que morenaço
Que a esposa fica!
Resultado: filho.
E então começa
A aporrinhação:
Cocô está branco
Cocô está preto
Bebe amoníaco
Comeu botão.
Filhos? Filhos
Melhor não tê-los
Noites de insônia
Cãs prematuras
Prantos convulsos
Meu Deus, salvai-o!
Filhos são o demo
Melhor não tê-los . . .
Mas se não os temos
Como sabê-los?
Como saber
Que macieza
Nos seus cabelos
Que cheiro morno
Na sua carne
Que gosto doce
Na sua boca!
Chupam gilete
Bebem xampu
Ateiam fogo
No quarteirão
Porém que coisa
Que coisa louca
Que coisa linda
Que os filhos são!


Vinícius de Moraes

Entendo seu ponto de vista, mas minha filha para mim é igual ao anúncio do Mastecard...

Escola R$ 950,00

Plano de saúde R$ 250,00

Sua filha dizendo de manhã com a cara toda amassada que te ama....não tem preço!

Desejo que você seja feliz na sua decisão,

Beijos,

Elaine Patu

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

Oi, Elaine!

Também entendo seu ponto de vista completamente! Pra muitas mulheres, ser mãe realmente é a melhor coisa do mundo e, se eu o desejasse ser, com certeza pensaria como o anúncio da MASTERCARD!

Um beijão pra você e um feliz dia das mães!

Katia

Lets disse... [Responder comentário]

Kátia querida,
já no texto da Vê eu havia me identificado com as três amigas por ela citadas (sem saber que uma delas era vc!). Não tive filhos e acredito que não os terei. É atualmente a minha decisão. Digo atualmente porque acho que tudo na vida pode ser modificado, inclusive essa idéia. Mas tb não tive vontade e não me cobro por isso. As pessoas não me cobram hoje pq estou divorciada. Quando estava casada, costumava comentar com a minha mãe q não passava pela minha cabeça ter filhos e ela sempre me dizia que a hora ainda não tinha chegado, mas que eu sentiria qdo estivesse pronta. E aí, será que nunca estive preparada? Será que nunca tive vontade e nunca terei? Pois é, me questiono. Um pouco para tentar me entender, um pouco para me justificar. Mas é fato: já venho avisando minha família da minha decisão, mesmo que isso contrarie a quase todos eles. Como vc já sabe, dentro em breve serei titia. Isso tem me fascinado, mas confesso: nem assim me veio o desejo de ter o meu filho.
Pra resumir esse blábláblá, deixo aqui minha felicidade em encontrar pessoas que são bem resolvidas - como vcoê! - com essa decisão. Isso me ajuda a entender e apresentar a minha.
Quanto aos prazeres da vida, além de admirar suas aptidões e capricho, fiquei aqui refletindo no que a sua escolha tem de semelhante da minha. Também penso em usufruir da minha vida, enquanto a tenho, da forma mais prazeirosa, gostosa e confortável. Isso é o carinho que eu me dou.
Adorei suas bebidinhas. Vou experimentar, com certeza. E te dou notícias!
Bjokas
Lets
(Desculpe se eu pareço confusa. To no trabalho e não pude esperar chegar em casa pra lhe escrever! rsrs).

Lets disse... [Responder comentário]

Ah, voltei pra dizer que essas almofadas estão relamente lindíssimas. Estarei no Rio por alguns dias de maio e passarei lá na loja pra conferir!
Bjokas
Lets

Gisela disse... [Responder comentário]

Oi Kátia
Eu sou mãe adotiva de 2 filhos,a primeira veio por ser procurada e o 2º a mãe biológica me procurou dizendo que tinha um menino e não podia ficar e só dava pra mim,então mesmo sem planejar e querer acabei me tornando mãe duplamente.Mas,hoje tenho um pensamento diferente.Acho que se Deus não me deu filhos biológicos era para refletir e saber que não tinha de ser mãe.Sou exigente demais,tanto comigo quanto com eles,rígida,imponho limites e não abro mão de regras da casa.
Acho que se minha vida voltasse atrás com a minha cabeça atual,iria tomar a mesma decisão sua,mas,rsrsrs
Quanto aquelas delícias é muita crueldade para alguém que está de dieta assistir aquilo tudo completamente maravilhoso e permanecer na dieta,rrsrsrsrsrs
Quanto ao presente das mãe no ano passado fiz uma bela caixa de madeira trabalhada com várias fotos da minha mãe e seus familiares para ela,acho que agradei em cheio,ela usa muito para guardar as bijus dela.
Bj
Gisela

Lucia Laureano disse... [Responder comentário]

Katia,
Adorei o post, e confesso que agora nesta minha fase gravida com fome de leão e gulosa como uma formiga, fiquei literalmente com água na boca!!! Tenho umas canequinhas de vidro que ganhei de presente de noivado de uma amiga, só que as minha não são caneladas, vou aproveitar a deixa para testar as receitas assim que me mudar para o novo apartamento (estou ansiosa por isso).
beijos,

Beta Bernardo disse... [Responder comentário]

Katita, que post! Vc é um nojo com esse post de textos ótimo e fotos lindas com idéias criativas... ahahaha
Gosto de ver você tão serena e consciente qdo expõe suas convicções. Isso é ótimo!
Amei os drinks! Tô com vontade de provar todos. O de banana com lascas de amendoas deve ser tudibom! Qdo será nossa próxima reunião, hein?? hihihi
As almofadas são lindas. E adoro essa loja. Já paquerei várias coisas, mas tenho muita dificuldade de coordenar com as coisas que já tenho em casa, então sempre saio de lá com as mãos abanando. Vou precisar da sua consultoria.
A mesa do jantarzinho romântico tá linda. Preciso me esmerar mais nisso. Sou relapsa pra essas coisas mais caprichadas. Marido diz que não liga pra essas coisas, mas sei que ia adorar uma surpresinha dessas... vou agitar.
Você sempre inspirando... adoooro!!!
Bjks

*-._.-* Anita *-._.-* disse... [Responder comentário]

Katia, como acabo de comentar na postagem da Veronica da última sexta, concordo com você... e gosto da liberdade que tenho no momento... não digo que não terei filhos, mas por hora...tô na boa!

Acredito que todos devemos ter nossas opiniões. E ter ou não filhos, cabe a cada um decidir...

Parabéns pela postagem, nota 10! Como sou doidinha por culinária e gastronomia, adorei as receitas e as apresentações. Estão de dar água na boca... guria tu é MARA!

besotes, já to seguindo o blog destas mulheres criativas! ;)

Isabela Kastrup disse... [Responder comentário]

Olá querida!! Que bom que vc pensa assim e assume isso. Vejo muitas mulheres que não têm o mínimo desejo e dom para a maternidade, porém têm filhos só para agradar o marido ou para a sociedade. Acho que vc está certíssima! Curta a sua vida de casada, o maridão, viaje bastante. Eu sonho em ser mãe, mas ainda quero curtir muuuito antes disso.
Super beijo,
Isa

Rafaela disse... [Responder comentário]

Meninas vcs são D+
Amei o carinho com que me receberam aqui...
Tenho muita coisa pra ler, vou me atualizar super feliz por conhecê-las.

Bjus :)))

João Luis Guedes P. Pereira disse... [Responder comentário]

Kátia, entendo o seu pensamento e a sua atitude perante a decisão de não ter filhos. Eu mesmo vivo uma situação parecida. Bem, na verdade até um pouquinho diferente porque na verdade passei da fase de "não querer" para a de "quem sabe um dia". Apesar de Paula dizer que não quer, eu flutuo muito nesse tema, pois às vezes me pego pensando com seria a vida com e sem eles. O problema é que de vez em quando me pego em pensamentos do tipo, quanto minha vida vai mudar. o que vou ter que abdicar, o que perco, o que ganho? São dúvidas que vêm e vão. O problema é que o tempo vai passando. Mas em quando nada acontece, eu vou vivendo a minha vida, assim como vc, aproveitando os bons momentos, viajando e curtindo as coisas que gosto de fazer. Te respeito e te entendo, e acho que as pessoas que querem ter tem todo o direito a acharem que seja a maior felicidade do mundo, mas acho também que as pessoas que não querem ter, também, sejam respeitadas na sua decisão.
Quanto a esse seu gosto de comprar esses objetos de decoração, pequenos utensílios para casa, incrementar quitutes e drinks, acho isso um barato!! Gosto muito de várias idéias suas e admiro a sua personalidade de correr atrás e fazer o que gosta. Realmente é uma grande vocação e dom de sua parte. Acredito que vc seria uma grande organizadora de festa, caso tivesse a oportunidade, pois tem muito jeito e gosto para isso.
Bem, curta sua vida ao máximo com Marcelo, decorando, viajando, incrementando os belisquetes, e montando drinks e bebidinhas. E claro, montando aqueles happy hours que só vc sabe fazer!! E falando nisso, quando é o proximo?? Já tô me convidando!! Bjs!!

Karla Lemos disse... [Responder comentário]

Kátia, foi mais do que sincero. Foi você... ninguém tem que ser nada porque está predestinado, se podemos falar assim. As escolhas estão aí para serem feitas e como digo para as minhas meninas o ônus e as vantagens serão só de nós mesmos. Ninguém vai viver a vida por você, ser feliz ou triste por você, devemos fazer escolhas de acordo com a nossa vontade e objetivos de vida sim. Não me arrependo das minhas, mas já tive essa vida de casal sem filhos, durante 4 anos de casada e posso afirmar, como é diferente, melhor ou pior, para mim relativo e estou falando do meu ponto-de-vista apenas. Admiro pessoas que escolhem, ficar em cima do muro ou esperar que engravidem sem querer é que não dá... bjs Karla

Nayara Menezes disse... [Responder comentário]

Pura inspiração! Vou fazer um jartazinho assim...chic e glamurosooo ! Obrigada pelas dicas!

Lucila Zahran Turqueto disse... [Responder comentário]

Lindo o bordado da almofada e as cores. Compra sim, não vai ter como errar rssssss. Bjs

Aline Amthor disse... [Responder comentário]

Oi Katia!
Nos últimos meses pensei muito em ter ou não ter filhos.
Confesso que seu post relata exatamente o que sinto. Eu também adoro curtir minha vida de casada e fazer altas extravagancias.
Eu moro na Alemanha e você sabe, viver na Europa é um convite as extravagancias, a boa vida e a liberdade.
Como no momento ainda não estamos 100% decididos com nossa decisão, vamos deixar a coisa rolar...
Parabéns pelo post e pelas delíííícias que nos ensina!
Beijos

Vivian Barros disse... [Responder comentário]

Kátia, amei seu post!
Adoro o jeitinho especial dos seus pratos, quitutes e petiscos. Sempre muito lindos, bem decorados,com muito glamur e dedicação em cada detalhe. E como dizia o Barão: "O que se leva dessa vida, é a vida que a gente leva!"
beijos

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

Vivian, amo essa frase que você citou: "O que se leva dessa vida, é a vida que a gente leva!"

Resume tudo o que penso: são os pequenos prazeres, os bate-papos com os amigos, um dia de sol na praia, uma comidinha quentinha e gostosa, o colo da mamãe, o fato de encarar a vida com um sorriso no rosto, o jeito como tratamos as pessoas e outras coisas simples são as memórias que vão permanecer quando não estivermos mais aqui...Vamos aproveitar a vida da melhor maneira possível!

Beijão e um ótimo final de semana!

Katia

Quêudina disse... [Responder comentário]

Kátia querida, antes de qualquer coisa quero dizer que estou VICIADA em seu blog, não consigo fica um só dia sem visitá-lo, mesmo que seja para ver/ler as mesmas coisas.MARAVILHA.
Sou mãe de uma maravilhosa menininha de 5 anos e sou/estou muito feliz com isso e por isso, mas concordo com vc a maternidade como qualquer outra coisa na vida deve ser algo que só vc pode decidir e viver. Dá pra ver que vc é uma pessoa feliz, dedicada, delicada e cheia de amor no coração, então sorte de quem pode conviver/viver com vc e provar de todo amor que vc coloca nas coisas que se propõe a fazer. Salve a Bonfa! Sou sua fã. Bjs
Quêu

Ivana disse... [Responder comentário]

Katia, eu não havia lido este teu post. O encontrei por acaso, mas está perfeito e foi mais um ponto que me identifiquei contigo.
Eu e meu marido também somos um casal sem filho, não exatamente por opção nossa, mas sim da vida. No entanto, convivemos muito bem com isso, sem neuras ou ansiedade.
No fundo, no fundo, eu nunca me imaginei mãe, apesar de gostar de criança, mas esse era um plano que ocupava o último lugar na minha lista de prioridades e planos para a vida.
Também acredito que a maternidade seja uma experiência única e maravilhosa, mas que deve ser opcional e jamais imposta. Penso, assim como tu, que uma mulher - e um casal - pode e deve ser feliz apesar disso! Nossa, existem tantas vantagens em ser um casal sem filhos! Em casa não temos barulho e nem obrigações. Se estamos de folga, dormimos até mais tarde. Só comemos se sentimos fome, vamos aonde queremos e quando queremos, enfim. É a liberdade que citastes.
Também nos sentimos privilegiados por poder nos proporcionar pequenos prazeres, já que nosso orçamento não está comprometido com aquelas despesas referentes à presença de um filho. Adoramos nos programar para viajar e queremos fazer muito isso, pelo resto de nossas vidas!
Posso te dizer que me sinto feliz e realizada com a vida que tenho. Agradeço todos os dias!
Um beijo grande!

Cantinho da Nina disse... [Responder comentário]

Olá Kátia....
Lendo este post refleti um pouco sobre a minha vida, e me achei menos egosísta com alguns pensamentos...
Tenho 31 anos e sou casada há 4, e ainda não tenho filhos. Sempre adorei crianças e tive uma imensa vontade de ser mãe. Mas meu marido e eu resolvemos esperar... esperar... esperar... e estou começando a desistir da idéia, por um motivo que eu achava egoísmo meu - liberdade. Nós fazemos o que queremos, quando queremos, também tem o lance dos superfluos, que eu adoro... podemos viajar, sair para comer fora, curtir um fim de semana na praia, sem stress. Lógico que a maternidade tem suas reconpensas, mas lendo seu post, algumas coisas ficaram mais claras na minha cabeça, e me sinto menos culpada por querer simplesmente aproveitar meu maridinho...
Ainda não decidi nada, pois não é uma decisão que tenho que tomar sozinha, mas vou pensar mais no assunto agora.
Parabéns pela personalidade, um abraço,
Simone.

Mimu's Da Mônica disse... [Responder comentário]

Oi Kátia! Adoro vasculhar seu blog, lendo essas matérias interessantes...
Sei bem o que é isso, pois tenho 10 aos de casada e não temo filhos e amigos, parentes, etc vivem cobrando...
Sempre comparam: " Fulano casou depois de vc e ja tem filhos e vcs não irão arrumar? "
Mas, penso muito na boa vida de liberdade que temos sem horário para nada...Adoro festinhas, dormir até tarde e sei que se tivesse um filho isso teria que mudar...as pessoas não respeitam a decisão que tomamos.
Amo minha vida, amo de paixão meu " maridon " e adoro ser paparicada por ele e am fazer ele de cobaia tb, hehehehehehehe
Adoro comprar coisinhas diferentes para minha casa e inventar comidinhas ( tenho copiado muitas de vc , hehehehehe, mas dou os devidos
creditos tá, hehehe).

Adorei o post e me idetifiquei...
Begin

Renata disse... [Responder comentário]

Katia, querida! Adoro achar posts que ainda nao tinha lido.
Esse post está muito legal! Eu sou casada há dois anos e o assunto filhos sempre aparece para nós. Mas no fundo, a gente tem dúvida se quer mesmo...por cada fator desses que voce citou. Gosto tanto da nossa vida, nossa casa, nossas viagens, nosso tempo...Acho que algum dia nós vamos ter filhos sim...mas ainda vai demorar...rs
Respeito muito a decisão de voces e acho legal vc ser tao bem resolvida e tranquila em relaçao a isso!
O post tá o máximo! Vc escreve com o coraçao
beijos

Related Posts with Thumbnails