segunda-feira, 24 de junho de 2013

Resumão das férias na Austrália e Nova Zelândia – Parte 2A: três dias em Rotorua

Centro de informações turísticas em Rotorua

O imperdível Museu de Rotorua

Um belo exemplo da arquitetura britânica em Rotorua

Lago Ngakoro em Wai-O-Tapu

A incrível coloração verde cítrica do Devil’s Bath em Wai-O-Tapu

O intenso azul piscina da Inferno Crater em Waimangu

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Prontos para a aventura: rafting dentro de uma caverna escura em Waitomo!

Waitomo-Glowworm-Caves-New-Zealand-boat-group

Os insetos que brilham no escuro (Glowworms) dentro da carverna em Waitomo (imagens de divulgação)

Detalhe da arquitetura maori na vila de Whakarewarewa

Piscinas naturais com água fervendo a temperaturas que chegam a 100 graus Celsius na vila de Whakarewarewa

Apresentação da cultura, tradições, música e dança maori na vila Tamaki

Passamos uma semana na Nova Zelândia, dividida entre Auckland (a cidade mais importante e populosa) e Rotorua (localizada em uma área de muita atividade geotermal). Eu havia me programado para incluir os pontos altos da cidade de Auckland (nossa primeira e última parada no país) nesse post-resumão, mas como há muito a ver e fazer por lá, resolvi que ela vai ganhar um relato exclusivo mais tarde. Sendo assim, haverá um resumão parte 2B, rsrs!

A Nova Zelândia passou milhões de anos literalmente isolada do resto do mundo. Esse fato gerou as condições ideais para o aparecimento de uma fauna e flora únicos, assim como dificultou bastante a chegada dos primeiros habitantes e a colonização dessas longínquas ilhas do pacífico sul.

Partimos para Rotorua num ônibus da empresa NAKED BUS, que atrasou mais de uma hora para sair de Auckland. Pra compensar, o motorista que nos levou era sensacional, pediu mil desculpas em nome da companhia, foi extremamente simpático, falou das atrações em Rotorua, cantou trechos de músicas tradicionais e ainda nos ensinou palavras na língua maori. No dia seguinte, o Marcelo recebeu um e-mail da empresa com um pedido de desculpas pelo atraso e uma oferta de 25% de desconto em qualquer viagem futura. E ele nem precisou reclamar! Ah, como eu gostaria que os serviços no Brasil funcionassem assim…

Chegamos em Rotorua no domingo por volta das 22:30h. Estava bem frio, não havia ninguém nas ruas e praticamente todos os bares e restaurantes já haviam fechado. A caminho do hotel, nos deparamos com o único bar de cervejas artesanais que o Marcelo havia listado para conhecermos (BREW) e ele estava aberto, obaaaaaa! Experimentarmos algumas cervejas, comemos pizza requentada (era a única opção àquela hora, mas estava boa) e fomos dormir.

Painel mostrando as opções de aventuras oferecidas pela BLACK WATER RAFTING CO.

No dia seguinte, acordamos cedo para embarcar na van que nos levou a Waitomo, onde fizemos o roteiro Black Labyrinth Tour na BLACK WATER RAFTING CO. No nosso grupo havia duas garotas inglesas que compraram o Black Abyss Tour, bem mais radical. Elas entraram na caverna de rapel, fizeram tiroleza lá dentro e ainda escalaram uma cachoeira…ui! É emoção demais pra mim, rsrs!

O Black Labyrinth é praticamente um rafting pelo rio subterrâneo que passa dentro da caverna escura. Pra nossa sorte ou azar (lá na frente eu explico melhor), havia chovido bastante no dia anterior e isso fez com que a atividade fosse suspensa na véspera do nosso tour. A correnteza estava muito forte e o nível da água subiu demais.

Nossa primeira tarefa foi encontrar meias de neoprene do nosso tamanho e em seguida nos deram uma wetsuit (roupa especial para temperaturas baixas), uma blusa quentinha para usar por baixo, um par de botas e um capacete com lanterna acoplada. Esse equipamento todo era necessário porque a água estava com uma temperatura de 6 graus celsius nesse dia, brrrrrrr!

Passo a passo da preparação para a aventura!

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Infelizmente, minha câmera não é à prova d’água e não pude levá-la comigo, mas o pessoal do tour tirou algumas fotos do grupo e juntou com outras promocionais em um pen drive, que comprei ao final da aventura.

Mais tarde, percebi que eu era a única com capacete branco (foto acima), que escolhi porque combinava com as botinhas, rsrs!

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

1. Posando para foto com o grupo; 2. Prestando atenção às instruções do guia; 3. Treinando o mergulho de costas

Depois de posar para algumas fotos, um dos três guias nos enfileirou para ensinar como mergulhar de costas sentados dentro das bóias, o que teríamos que fazer três vezes em minicachoeiras dentro da caverna escura – o quê????? Como assim????? - o Marcelo não tinha me avisado dessa parte do passeio!!!! Eu imaginei que a gente flutuaria tranquilamente no rio para ver os glowworms (insetos que só existem na Nova Zelândia, moram nas paredes das cavernas e irradiam uma luz incrível).

Black Labyrinth 010

As duas fotos acima vieram no pen drive que comprei e são promocionais. Na imagem à direita, vocês podem ter uma noção do que é saltar de costas em uma cachoeira dentro da caverna! Ainda bem que eu não vi essa foto antes porque a queda parece bem maior. Bom, a altura em si é a mesma, mas como comentei anteriormente, havia chovido bastante e o volume de água aumentou consideravelmente, o que fez com que o salto de costas fosse menos “emocionante”. Que bom!!!! Ao mesmo tempo, a foto da esquerda não representa bem o passeio porque havia muito mais água e muito menos luz nos caminhos por onde passamos. Essa parte sim, foi mais radical, e resultou em pequenos arranhões nas mãos.

Black Labyrinth 009

Em um determinado momento, um dos guias pediu que apagássemos as lanternas e flutuássemos agarrando os pés de quem estava atrás, formando o que eles chamam de “eel”(enguia). Dessa forma, pudemos seguir juntos deixando a correnteza nos levar vagarosamente enquanto observávamos os famosos glowworms, um espetáculo! Na foto acima, o efeito parece falso, né? Ao vivo também parece! É tão interessante que dá a impressão de serem luzes LED ou fibra ótica. Essa foi, sem dúvida, a melhor parte do passeio! Observar de perto esse fenômeno que só existe na Nova Zelândia não tem preço!!!! Ah, na verdade, descobrimos que o que ilumina mesmo é o excremento dos insetos…

Entretanto, se vocês me perguntarem se eu faria esse tour novamente, minha resposta é “Não!”. Definitivamente não sou movida à adrenalina e, assim como uma senhora australiana e uma garota americana, achei que o passeio seria mais tranquilo e relaxante. Porém, há outras cavernas situadas nos arredores com uma infraestrutura bem mais confortável para a observação dos glowworms:

http://www.waitomo.com/waitomo-glowworm-caves.aspx

O visitante segue à pé por passarelas e faz um passeio de barco. Para quem se interessar, há um video sobre esse tour:

http://www.waitomo.com/glowworm-video.aspx

Esse é o tour que eu recomendo e ainda tem um bônus: custa menos da metade do preço que a gente pagou pela nossa aventura de rafting! Porém, se você gosta de fortes emoções como o Marcelo, esqueça o que eu acabei de escrever e procure as opções da BLACK WATER RAFTING CO.

Trilha cheia de atrações nos arredores das cavernas

Encerrado o passeio, tomamos um maravilhoso banho de água quente para descongelar as mãos que ficaram em contato com a água a 6 graus durante todo o passeio e depois comemos uma sopa de tomate com bagel oferecida pelo tour.

Como ainda teríamos de esperar o pessoal do tour mais radical (ai, que medo!!!!), a divertida senhora que era motorista/guia nos levou para fazer uma trilha curta, porém bem bonita, nos arredores.

Trilha cheia de atrações nos arredores das cavernas

Quando estávamos no finalzinho da trilha, começou a chover. Voltamos para a van e a motorista passeou conosco por Waitomo, mostrando outras atrações, antes de voltarmos ao Black Water. Mais uma simpaticíssima kiwi que conhecemos nessa viagem!

O passeio durou o dia todo e voltamos para Rotorua à noite. Caminhamos um pouco pela cidade antes de decidirmos onde jantaríamos e descobrimos que o centro é bem planejado e dividido em setores com uma área só para lojas e outra para gastronomia, por exemplo. Esta última contava com restaurantes tailandeses, tunisianos, árabes, coreanos, chineses, japoneses, italianos e os meus preferidos: indianos!

Fotografei a vitrine de uma loja que estava fechada, mas me pareceu bem interessante: acho que era uma cooperativa de artesãos e eu amei a jarra azul que estava em cima da mesa!

Circulamos pelo setor de restaurantes, demos uma olhada nos cardápios e decidimos experimentar o indiano INDIAN STAR, que possuía algo que nós valorizamos muito: ótimas críticas no TRIP ADVISOR. Minha irmã mais nova foi à Itália em abril e optou por comer em restaurantes bem avaliados pelos usuários do site. Resultado: não entrou em furadas e gostou de todos os pratos que provou. O INDIAN STAR foi recomendado por 91% das pessoas que lá estiveram e é considerado o segundo melhor restaurante da cidade entre os 110 avaliados no site.

Antes de pedirmos qualquer coisa, o garçom colocou uma cestinha com papadums na nossa mesa (foto acima). Adoro essa espécie de biscoito fininho e temperado que precede uma refeição indiana. Esse estava particularmente delicioso, cheio de sementinhas. Comi tudo até a última migalha!

Estávamos com fome e pedimos uma entradinha generosa (TANDOORI COMBO: 2 VEGE SAMOSAS, 2 MIX PAKORAS, 2 CHICKEN TIKKA AND 2 SEEKH KEBAB). Samosas são pasteis de forno recheados com batata e ervilha, Pakoras são legumes empanados, Chicken Tikka são pedaços de frango desossados marinados em iogurte e temperos assados no forno tandoor e Seekh Kebab são rolinhos de carne de cordeiro moída e prensada temperada com ingredientes exóticos. Estava tudo sensacional e já estávamos praticamente satisfeitos quando chegaram os pratos principais.

Eu nunca havia pedido um prato de camarão em um restaurante indiano porque achava que não combinava, mas como estava no cardápio, decidi experimentar o PRAWN MALABARI (PEELED PRAWNS COOKED WITH ONIONS, CAPSICUM, TOMATOES AND FRESH COCONUT  MILK, GARNISHED WITH CREAM).

Meu prato: Prawn Malabari

Traduzindo: camarões descascados cozidos com cebolas, tomates, pimenta, leite de coco e coco fresco ralado. Estava muito saboroso!!!!

O Marcelo pediu o tradicional CHICKEN TIKKA MASALA, o mesmo frango da entradinha acrescido de pimentas verdes… uma delícia!

No dia seguinte, contratamos um tour chamado GEYSER LINK com a empresa WAITOMO WANDERER. A maioria dos turistas só visita um dos parques geotermais, mas nós queríamos ir nos dois: WAI-O-TAPU e WAIMANGU.

A primeira parada foi em um lugar com atividade vulcânica em Wai-O-Tapu (fotos acima). Fazia muito frio esse dia e mais tarde descobrimos que havia sido o dia mais frio do ano na Nova Zelândia!

Depois seguimos para ver o gêiser Lady Knox entrar em erupção com a ajuda de um apresentador, hehehe! Tem até horário marcado para o evento: 10:15h. A atração recebeu o nome em homenagem à Lady Constance Knox, segunda filha do décimo-quinto governador da Nova Zelândia.

O apresentador contou a história do gêiser ao mesmo tempo em que colocou dentro dele uma substância tensioativa que estimula a erupção.

Alguns minutos depois, o gêiser começou a agir e lançou um jato d’água quente a 20 metros de altura! A erupção pode durar mais de uma hora, dependendo das condições climáticas.

Lady Knox em erupção

Depois da apresentação, fomos explorar o parque e suas impressionantes crateras. O Marcelo escreveu o seguinte em seu relato: 

“Achei Wai-O-Tapu uma coisa de outro mundo! É um parque compacto, cheio de pontos interessantíssimos. Quase deixamos de ir no ponto mais distante por premência de tempo (havia horário marcado para a volta, tínhamos 90 minutos para explorar o parque – o que é suficiente, não fossem as milhares de fotos a tirar), mas optamos por acelerar e ir. Compensou: era um estupendo mar verde (Lago Ngakoro)! Outro ponto incrível é o banho do diabo (Devil’s bath), uma piscina verde cítrica de enxofre.”

Seguimos por uma trilha pré-definida e bem sinalizada, cheia de alertas para impedir a aproximação de certos locais onde a temperatura atingia 100 graus Celsius!

Champagne Pool e Artist’s Palette

A previsão do tempo para esse dia era de chuva ininterrupta, mas fomos contemplados com sol durante boa parte da manhã. Obrigada, São Pedro, nosso amigão!!!! Pensei que tudo o que viesse depois, seria lucro, já que em um lugar como esse o brilho do sol realça as cores da natureza e faz tudo ficar mais bonito.

O local da foto acima é conhecido como Champagne Pool ou “Piscina de Champagne”. Para ter acesso ao outro lado, tivemos que cruzar uma passarela de madeira que fica sobre a piscina. É bem interessante e dá pra sentir o calor que ela emana. Nada mal para um dia bem frio, rsrs!

Artist’s Palette

As águas verde-esmeralda do Lago Ngakoro ao fundo

E assim seguimos cruzando pontes, subindo e descendo escadas e passarelas de madeira…

O parque cobre uma área de aproximadamente 180 Km2 e está situado no interior da maior depressão vulcânica da ativa região de Taupo.

As águas verde-esmeralda do Lago Ngakoro

Apenas uma parte do parque está aberto à visitação, mas nesse espaço o visitante tem a oportunidade de conhecer diferentes atrações geotérmicas como crateras colapsadas, piscinas de lama borbulhante, fumarolas e fontes termais que apresentam cores vibrantes raras na natureza.

Casal registrando o momento na Champagne Pool

Intenso tom ferruginoso na Champagne Pool
O espetacular Devil’s Bath

Na minha opinião, a atração mais deslumbrante fica no final do passeio, já no caminho de volta à entrada do parque. Trata-se de um lago verde cítrico chamado Devil’s Bath (Banho do Diabo), resultado da elevada concentração de enxofre e outros sais ferrosos dissolvidos em suas águas. O magma aquece a água subterrânea, que se mistura aos minérios e, depois, forma a poça colorida.

Detalhe da tonalidade vibrante das águas do Devil’s Bath

Na hora marcada voltamos à entrada do parque para seguir até Waimangu. Das mais ou menos 20 pessoas que estavam no ônibus, fomos os únicos que desembarcaram por lá. O resto da galera voltou à Rotorua para fazer outros passeios.

No caminho, a guia/motorista nos mostrou alguns córregos onde é possível tomar um banho quente e relaxar de graça. Mas, se o visitante preferir algo mais confortável, Rotorua conta com alguns spas que oferecem massagens, banhos de lama, terapias diversas e piscinas privativas, como o POLYNESIAN SPA.

Waimangu é um vale de origem vulcânica formado na última das cinco erupções do vulcão Terawera, e ostenta o título de “a mais nova região geotermal do mundo”.

Vista da entrada do vale Waimangu

Waimangu é um parque maior que oferece caminhadas por trilhas mais longas e suas atrações são mais esparsas do que as de Wai-O-Tapu. Possui formações geológicas e rios interessantíssimos, com destaque para a Inferno Crater (Cratera do Inferno), um lugar espetacular!

Lago Esmeralda – uma das crateras criadas pela erupção do vulcão Terawera em 1886

Sobre o nosso tempo de permanência no parque, o Marcelo escreveu o seguinte:

“O parque sugere um tempo entre 2,5-3,0 horas para percorrer todo o circuito Mt. Haszard, mas percorremos tudo em 1,5 hora numa boa, incluindo várias paradas para fotos. Esse circuito tem boas subidas, o que talvez aumente o tempo sugerido. Por outro lado, tem muitas partes sem atrativos, o que nos permite acelerar nesses pontos.”

Frying Pan Lake em Waimangu

As cores vibrantes, as fumarolas e os desenhos formados pela atividade vulcânica no solo fumegante me deram a impressão de ter sido transportada para uma época pré-histórica. Parecia que a qualquer momento surgiria um dinossauro entre as árvores! Foi uma sensação engraçada que me transportou mentalmente a outro mundo, rs!

A Inferno Crater é uma piscina de água azul bem clarinha que fica próxima à entrada do parque. Mesmo com tempo nublado e ameaça de chuva, a coloração impressiona por sua beleza.

As minhas fotos do local não ficaram muito boas por causa da ausência de sol, mas vocês podem conferir imagens bem mais impressionantes AQUI.

Vista do Lago Rotomahana

A mais recente erupção do vulcão Terawera aconteceu em 10 de junho de 1886 e o fenômeno fez com que o Lago Rotomahana aumentasse 20 vezes de tamanho, permitindo passeios de barco regulares para observar os fenômenos termais em suas margens.

MA_I068215

Imagem retirada DAQUI

Na época, a explosão do Terawera destruiu os famosos e belíssimos terraços de sílica de Rotorua, muito parecidos com as formações que vimos em Pamukkale, na Turquia, um dos nossos destinos de férias em abril do ano passado.

Pink-Terrace

Imagem retirada DAQUI

Na época, os terraços (Pink and White Terraces) eram uma das atrações turísticas mais populares de Rotorua, além de serem consideradas a oitava maravilha do mundo!

Já no finalzinho da trilha, quando estávamos chegando perto de onde sai o barco que navega pelo Lago Rotomahana, começou a chover. No começo, a chuva caía em gotas fininhas, mas depois de um tempo tornou-se desconfortável. Mesmo assim, eu fiquei feliz de ter passado quase um dia inteiro sem chuva e o sol ainda apareceu um pouquinho. Como a previsão era de chuva ininterrupta, acho que saímos no lucro, rsrs!

O passeio de barco não estava incluído no valor do ingresso no parque. Sabe quando você não imagina que algo possa custar tão caro e deixa de perguntar o preço? Pois é, caímos nessa besteira. Quando o bilheteiro disse: “Eighty five dollars, please.”, eu achei que tinha entendido errado, mas era isso mesmo: 42 dólares e uns trocados por pessoa para uns 40 minutos de passeio. Foi interessante, passamos  por um gêiser que entrou em erupção bem na frente do barco  e vimos muita atividade vulcânica, mas não acho que valha a pena. Como escreveu o Marcelo: “Sinceramente, não recomendo. Achei caro demais para um passeio que é legal, mas não tanto assim.”

Besteira maior foi a minha ignorância com relação aos terraços de sílica que achei que ainda existissem!!!!. Só soube de sua destruição quando já estávamos dentro do barco por meio de um folheto explicativo. E eu achando que veria aquelas maravilhas… se fosse o caso, acho que os 42 dólares teriam valido a pena, rsrs!

Marcelo fotografando a intensa atividade vulcânica no Lago Rotomahana

O retorno do barco é integrado com o retorno do ônibus do parque (existem 3 pontos em diferentes partes), que nos deixou na entrada na hora marcada para que a van nos pegasse e nos levasse de volta a Rotorua.

De volta à cidade, passeamos um pouco no centro e depois fomos para o hotel. Estava bem frio, vimos notícias de nevascas na ilha sul e uma manchete de jornal que anunciava “o dia mais frio no ano” no país.

Naquela noite nós havíamos reservado o jantar maori da TAMAKI MAORI VILLAGE. No entanto, a experiência vai muito além do jantar em si. O objetivo é apresentar aos visitantes a cultura e os costumes dos primeiros habitantes da Nova Zelândia, os Maori. É um programa bem turistão, mas nos divertimos bastante!

“Os Maori são originários da Polinésia, particularmente das Ilhas do Taiti. São aparentados com o Taiti, Ilhas Cook, Havaí, Marquesas, Ilha de Páscoa, Samoa, Tonga etc. A língua é similar, mas a cultura é diferente. Os Maori habitam a Nova Zelândia há mais de 2 mil anos. Na Nova Zelândia, os Maori falam a mesma língua, mas formam mais de 70 grupos tribais principais.”*

*Fonte: http://www.mitai.co.nz/~mitaico/cms-assets/documents/4670-702251.portuguese.pdf

O ônibus passou no hotel e nos pegou no horário marcado. Em seguida, foi coletando mais gente no caminho até o local do espetáculo. O motorista parecia tentar decorar os nomes e nacionalidades de todo mundo, o que achei curioso. O impressionante é que ele decorou mesmo! Quando todos já estavam acomodados no ônibus, ele selecionou um líder para o grupo (antes pediu para alguém se voluntariar e um inglês se prontificou). Os líderes de cada grupo teriam um papel de destaque na cerimônia de abertura do evento.

Um vez dentro da vila maori, aprendemos como acontecia a recepção de visitantes de outras tribos e, em seguida, fomos convidados a participar de alguns jogos e brincadeiras tradicionais. Quem acha que o Marcelo é tímido, se surpreenderia: ele se voluntariou pra tudo!!!!! Até eu fiquei surpresa… sou mais tímida do que ele e só topei participar de uma brincadeira que me pareceu mais fácil, hehe!

Na sequência de fotos acima, vocês podem ver o Marcelo (de vermelho) e um grupo de turistas imitando as expressões corporais e faciais que os guerreiros maoris faziam quando se deparavam com o inimigo. Hoje em dia as caretas parecem engraçadas, mas no passado eram levadas muito à sério e amedrontavam os desafetos.

Eu participei de uma demonstração de como manipular a poi ball. O objeto era usado pelos homens para fortalecer o pulso a fim de permitir a manipulação do pesado bastão curto (arma de guerra) sem prejudicar essa parte do corpo. Pedras eram colocadas dentro de redes molhadas para tornar a poi ball mais pesada.

As mulheres também a usam como acessório para danças tradicionais e, na foto acima, eu estava aprendendo alguns movimentos básicos. Foi divertido!

Depois dos jogos e brincadeiras interativas, fomos convidados a assistir a um espetáculo de música e danças tradicionais, mas antes disso pudemos dar uma espiadinha nos preparativos do nosso jantar: frangos inteiros e batatas foram retirados debaixo da terra, onde estavam sendo cozidos durante horas por meio do vapor das fontes termais.

O jantar foi servido no esquema buffet e havia muita fartura: pão, cordeiro, frango, peixe, ostras, batatas assadas e um outro tipo mais doce chamado kumara, cenoura, saladas, molhos e temperos. As sobremesas eram pudim de chocolate e pavlova de maracujá. Achei os pratos salgados saborosos, mas não gostei das sobremesas.

Enquanto a gente comia, alguns maoris cantaram músicas de todos os tipos e algum tempo depois, o bar fechou, a garçonete recolheu os pratos e percebemos que estava na hora de voltar ao ônibus.

Nosso motorista era bem gaiato: cantou no jantar, fez com que cada país tivesse uma música típica cantada no ônibus por um voluntário (eu entoei “Garota de Ipanema”, mas o Marcelo ficou com vergonha de me acompanhar, rsrs!). Foi bem engraçado e fechamos a noite com chave de ouro! Ah,  o motorista se despediu de cada um com o hongi: “pressionar o nariz significa amizade e compartilhar o espírito da vida. Isso representa o fim da cerimônia de boas-vindas.”*

*Fonte: http://www.mitai.co.nz/~mitaico/cms-assets/documents/4670-702251.portuguese.pdf

Foi um dia cheio de atividades e novidades, adorei!!!!

1. Centro de informações turísticas em Rotorua; 2. Um dos canteiros dessa cidade super limpa e organizada; 3. Entrada da vila maori de Whakarewarewa

No nosso último dia em Rotorua, eu já estava sentindo uma tristezinha… voltaríamos para Auckland no fim da tarde, passaríamos mais um dia por lá e depois pegaríamos um voo para Sydney na Austrália, também por mais um dia até o retorno ao Brasil.

Mas, enfim, precisávamos esquecer que as férias estavam terminando e aproveitar nossas últimas horas na cidade. Caminhamos um pouco, pensamos em alugar bicicletas mas achamos a diária muito cara e acabamos pegando um ônibus até um ponto perto da vila maori de Whakarewarewa. No caminho, passamos por bairros residenciais cheios de casinhas fofas e sem muros… uma delícia de lugar!

Whakarewarewara é um nome curto, praticamente um apelido para Tewhakarewarewatangaoteopetauaawahiao, o nome completo da vila que visitamos.

Fumarolas na vila de Whakarewarewa

Chegando lá, caminhamos pelos arredores e vimos algumas casas ocupadas por moradores da vila, além de uma espécie de templo (Ancestral Meeting House), uma igreja, um cemitério e várias fontes termais.

Detalhe de escultura em madeira na vila de Whakarewarewa

As fumarolas estão em toda a parte e sentimos um forte cheio de enxofre na vila e também em Rotorua. Muitas pessoas se incomodam com o odor, mas pra ser sincera, eu achei até gostosinho.

Fizemos uma interessantíssima visita guiada (recomendo muito!) que nos levou a conhecer melhor a maneira com que os habitantes da vila cozinham seus alimentos, entre outras coisas. O vapor que brota do chão é usado para preparar as refeições (coletivas ou não). É nesses caixotes de madeira que os alimentos são cozidos.

Fazia frio e esse tom de azul da fonte termal era bem convidativo… até a gente lembrar que a água estava fervendo e é obviamente proibido banhar-se ali.

Porém, há canaletas que transportam a água quente para banheiras individuais. Aí sim, o banho é permitido, mas acho que só para os moradores.

Assistimos a um show de música e dança semelhante ao que vimos na noite anterior. Inclusive, um dos integrantes do grupo artístico de Whakarewarewa era o mesmo que apresentava o espetáculo no Tamaki. Foi divertido e, ao final da apresentação, tivemos a oportunidade de tirar algumas fotos com os integrantes do grupo fazendo as tradicionais “caretas” maoris.

Nossa guia fez uma demonstração de como montar uma saia usada por dançarinas maoris, feita com as folhas de uma planta que ela descasca parcialmente. Depois de fazer essa interferência nas folhas, elas são levadas a uma fonte termal na qual são literalmente “cozidas” e depois secam ao sol, adquirindo sua aparência final.

Quando as apresentações terminaram, circulamos livremente pela vila apreciando as belas paisagens a seguir.

Depois da chuva do dia anterior, fomos presenteados com uma manhã deslumbrante de sol e céu azul praticamente sem nuvens.

Achei linda essa árvore vermelha contrastando com as outras verdinhas!

Belíssima fachada do Museu de Rotorua

Depois voltamos para o centro da cidade a fim de conhecermos o Government Gardens e o imperdível MUSEU DE ROTORUA. Infelizmente, já passava das 15h quando chegamos lá e o nosso ônibus para Auckland sairia às 17h. Por sorte havia uma visita guiada (inclusa no preço) exatamente às 15h, mas éramos os únicos na entrada do museu.

Detalhes da fachada em estilo elizabetano do Museu de Rotorua

Foi perfeito! Fizemos um tour privado com uma guia irlandesa maravilhosa! Ciente da nossa escassez de tempo (ainda queríamos assistir a uma apresentação audiovisual às 16h no próprio museu), ela acelerou o tour e fez um excelente trabalho em uma hora. Pena que era proibido tirar fotos internas. A estrutura arquitetônica do museu é interessantíssima, assim como a sua história.

Eu e Marcelo no terraço do Museu de Rotorua

A partir do fim do século XIX, a região de Rotorua tornou-se um destino turístico procurado por endinheirados em busca da cura para diversas doenças por meio de banhos termais e tratamentos alternativos (incluindo terapias de choque!). O atual museu foi então construído como uma elegante casa de banhos.

Nossa guia nos contou episódios hilários que tornaram a visita ao museu ainda mais curiosa. Como não havia mão de obra qualificada na época, gigantescos troncos de árvores foram enviados de navio à Inglaterra para serem moldados e retornarem à casa de banhos a fim de decorar seu elegante salão principal. O local oferecia tratamento para qualquer tipo de doença desde esquizofrenia até unha encravada! Os custos da obra foram tão altos que a maior parte da casa de banhos só possuía fachada e era oca por dentro. Desde sua inauguração, foi uma empreitada polêmica e caríssima. Nos anos 60/70 teve alguns salões transformados em uma boite cujos frequentadores protagonizaram atos de vandalismo como converter belas fontes de mármore carrara em cinzeiros.

Vistas do terraço do Museu de Rotorua

Hoje em dia, o museu é constituído por uma galeria de arte, uma exposição permanente sobre a cultura maori e algumas salas dedicadas à história da antiga casa de banhos. Se tivéssemos mais tempo, com certeza passsaríamos várias horas explorando o local.

Cerca pintada com motivos maoris no Government Gardens

Antes de terminar esse post, gostaria de copiar aqui um ótimo trecho do blog MAUOSCAR sobre a colonização do país, uma fonte de pesquisas sensacional para quem deseja visitar a Nova Zelândia.

“(…)Até que a partir da segunda metade do século XVIII os primeiros exploradores europeus como Abel Tasman (primeiro europeu a avistar a NZ em 1642) e James Cook (primeiro europeu a desembarcar aqui 1769) começaram a bisbilhotar esta remota parte de nosso planeta procurando algo de interesse para seus países de origem, o que acabou obviamente gerando uma série de conflito de interesses.

Apesar de não terem sido diretamente colonizados/massacrados como os índios americanos e os aborígenes da Australia, com o passar do tempo os Maoris foram submetidos a um intenso processo de aculturação por parte dos britânicos. Um modelo de ocupação que entre outras coisas,fomentava guerras entre tribos (Iwis) rivais que culminou com a cessão dos direitos da terra dos Maoris em favor da coroa britânica em troca de “proteção” e paz no controverso Tratado de Waitangi.

Ao longo dos últimos anos algumas tradições e alguns rituais culturais de grande importância para os Maoris tem sido incorporados e adaptados de certa forma na identidade cultural do país. Afinal de contas quem é que não reconhece a Haka (mantra de guerra Maori) do All Blacks, o time nacional de Rugbi da Nova Zelândia por exemplo.

Hoje a cultura Maori, apesar de presente no cotidiano do país, luta por sua preservação no futuro. Mas a forma mais efusiva com que o governo da Nova Zelândia, luta para manter a cultura dos primeiros habitantes do país preservada, é através do fomento da Te reo Maori, a língua Maori.

Desde que a língua tornou-se a segunda língua oficial do país há cerca de 25 anos, o número de pessoas que falam a língua fluentemente praticamente quadruplicou, tanto que hoje ela é ensinada em várias escolas do país. Além disso, o governo também subsidia um canal de TV aberto visando manter viva esta língua e a cultura dos primeiros habitantes da Nova Zelândia que por muito pouco não chegou a desaparecer.

Mas se você vem para a Nova Zelândia e quer conhecer um pouco mais sobre esta interessante cultura e suas peculiares tradições, nenhum outro lugar é mais recomendável que a região de Rotorua aqui na ilha norte.”*

*Fonte: http://mauoscar.com/2013/03/19/te-puia-cultura-maori-da-nova-zelandia/

Deixamos o museu em direção ao hotel, pegamos nossas mochilas e caminhamos até o centro de informações da cidade, de onde sairia o ônibus da companhia INTERCITY para Auckland. Segundo o relato do Marcelo:

“Novamente outro motorista sensacional. Todos na Nova Zelândia parecem estar muito de bem com a vida. A volta foi mais rápida porque o ônibus era expresso (e foi mais barato que o Naked!).”

O motorista era realmente uma simpatia, super bem humorado! Ele riu, brincou, elogiou as riquezas naturais do país e passou todo o trajeto assoviando músicas do Elvis, Sinatra, Beatles etc. Adorei! Quando desci do ônibus, ele gentilmente pegou minha mochila e me ajudou a colocá-la nas costas. Vou lembrar dos kiwis como as pessoas mais gentis e atenciosas que conheci em uma viagem!

Então, gente, por hoje é só, e decidi me despedir no estilo Maori:

Ma te kaihanga kotou e tiaki e manaaki i roto i nga haerenga katoa! (Que o criador o guie e o proteja em todos os seus caminhos)

Um grande beijo pra todos com votos de uma semana repleta de gentileza!

*Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Rotorua
http://www.waiotapu.co.nz/attractions/lady-knox-geyser/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Tensioativo
http://www.waimangu.co.nz/
http://mauoscar.com/2012/11/22/wai-o-tapu-rotorua/
http://mauoscar.com/2012/10/31/waimangu-rotorua/
http://www.estadao.com.br/noticias/suplementos,o-lado-demoniaco-da-famosa-rotorua,250638,0.htm
http://www.maoriculture.co.nz/tamakiexperience
http://www.mitai.co.nz/~mitaico/cms-assets/documents/4670-702251.portuguese.pdf
http://mauoscar.com/2013/03/19/te-puia-cultura-maori-da-nova-zelandia/
http://www.whakarewarewa.com/

Bonfa-ass

33 comentários:

ana kardenia oliveira disse... [Responder comentário]

Oi, casal lindo vocês, e em relação as fotos das férias: como é que as pessoas dizem que nunca sentiram inveja rsrsrsrs eu estou de você brincadeirinha, tudo muito lindo bjs sua admiradora.

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@ana kardenia oliveiraOi, Anaaaaaaaaa!!!! Muito obrigada pelo carinho! As paisagens que vimos são lindas demais... nessas horas eu queria ter uma daquelas maravilhosas máquinas profissionais para poder registrar os momentos com mais fidelidade! Mas acho que o resultado sempre fica aquém do que a gente vê ao vivo e a cores, rsrs! Um super beijo!

Heloísa disse... [Responder comentário]

Katia,
Lindos seus passeios na NZ. Quando lá estive, faltou conhecer essa interessante região de Rotorua, na Ilha Norte.
É que ficamos bastante em Wellington e, de lá, fomos para a Ilha Sul que conhecemos com mais detalhes.
Não sei se você chegou a ler minhas histórias pela Nova Zelândia. Escrevi no meu Blog da vovó ... mas não só, e também no blog de viagens Fotos: lazer e memórias (helofoto.blogspot.com)
Fica o convite.
Beijo.

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@HeloísaObrigada, Helô!!!! Eu vi seus posts sim, acho que cheguei a deixar comentários por lá na época. Mas agora vou dar uma nova olhada certamente com um novo olhar, né? Dizem que a Ilha Sul tem paisagens ainda mais lindas, que delícia! Nosso foco maior foi a Austrália e por isso não tivemos tempo de ir à Ilha Sul, mas gostaríamos muito de voltar algum dia! Um super beijo!

Calma que estou com pressa! disse... [Responder comentário]

oi Katia
super lindo o post
belas fotos
Dá vontade de ir agora
e conhecer estas maravilhas
e tem que ter coragem para descer a cachoeira assim-
tb acho que uma adrenalina por viagem é suficiente rsrs
eu conheço um pouco todos os dias
no blog da Lucinha Teixeira -brasileira que mora em NZ , e me encanto com este belo lugar
bjs
lu

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Calma que estou com pressa!Ah, que legal, fiquei curiosa pra conhecer o blog da Luciana! Obrigada pela dica e pelo elogio! Menina, pois é, nessa viagem tivemos alguns momentos de adrenalina, rsrs! Eu gosto mais é de curtir belas paisagens sem emoção, rsrs! Um super beijo!

Jô Turquezza disse... [Responder comentário]

Menina, você me fez chorar de emoção!
Amo Austrália e Nova Zelândia (mas só conheço um pouco da Austrália).
Posso pedir um coisa? Se você não quiser ou não puder tudo bem ...... mas gostaria tanto!
Estou com uma Blogagem Coletiva em meu Blog turquezzavariedade sobre Países. Você poderia participar? Amo conhecer outros países mesmo que virtualmente.
Agradeço imensamente por esta sua postagem linda e tão explicativa.
Parabéns.
Boa semana.
Beijos.

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Jô TurquezzaOi, Jô!!!! Que comentário mais lindo! Muito obrigada! Amei o convite!!!!!!!!! Vou lá dar uma olhada, claro!!! Estou bem enrolada essa semana, mas eu adoraria participar sim! Dá vontade de passar uns tempos lá do outro lado do mundo, né? Adorei essa viagem a ponto de realmente não querer voltar ao Brasil, rrsrs! Mil beijos!

Carol Vieira disse... [Responder comentário]

Katia, Rotorua é demais né? Vontade de ficar muitooo tempo por lá.
Eu adorei o lugar, a comida e as pessoas!!
Nossa, os glowworms são lindos né? Assim que vi pensei que fossem luzes de LED, rs. É muito lindo!
Agora, eu fui no barquinho, não fiz essa visita aos glowworms na adrenalina como você, hehehe.
Ameei as fotos.
beijos :o))

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Carol VieiraEu também, Carol: amei o lugar, a comida e as pessoas, assino embaixo! Realmente os neozelandeses são muuuito gente boa, a simpatia e gentileza impressionam! Ai, eu teria trocado de lugar com vc nas cavernas dos glowworms, rsrs! Acho que de barquinho confortável deve ser muito melhor, mas o Marcelo adora uma adrenalina, fazer o que? Ele queria ir no circuito mais pauleira e a gente chegou num meio termo... descer de rapel e fazer tiroleza na caverna escuro nào ia dar certo... grandes chances de eu amarelar na última hora, rsrs! Um super beijo!

K disse... [Responder comentário]

Estou amando as descrições, as aventuras, as fotografias, as cores, os sabores...
Bom demais da conta viajar com você!

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@KQuerida xará, fico muito feliz com o seu feedback! Lembro que quando a gente começou a trocar mensagens, descobrimos muitas coisas em comum, né? Gosto muito de ler um comentário seu!!!! Um super beijo!

Leni disse... [Responder comentário]

Katia!!! tudo bem??
que paisagem linnnda, estou impressionada com as maravilhas desse lugar, e pelo que vi, as comidas tbem....fiquei até com vontade daquela entrada no restaurante indiano!! rs (realmente o trip advisor não erra nessa questão de restaurante e hoteis tbem) depois que cai numa furada, usamos ele pra pesquisar todos lugares que vamos.

parabéns mais uma vez pela viagem!!
beijos
LEni

Lucinha disse... [Responder comentário]

Kátia e Marcelo,

Kia Ora!

Vim por indicação da Lú Klein e Jô Turquezza.
Moro na NZ, em Auckland, e já estive em Rotorua. Realmente, um lugar maravilhoso, e eu também recomendo à quem vem conhecer o país. Não participei de todas as aventuras que vocês, mas curti bastante com meu irmão e família, que estavam passando férias aqui.
As fotos ficaram lindas, e quem ainda não conhece, dá pra ter uma ideia de como é bonito e diferente.
Quanto ao atraso do ônibus, garanto que deve ter sido por um motivo muito justo. Eles não costumam se atrasar, em nenhum tipo de compromisso. São corretos em todos os serviços que oferecem. Isso vocês comprovaram pelo pedidos de desculpas e educação do motorista, e o retorno da agência com o desconto. Isso chega a ser uma coisa normal por aqui.
E, quanto a simpatia, é a marca dos Kiwis. Moro aqui há quatro anos, e posso confirmar tudo isso.
Gostei muito de Rotorua, e pretendo voltar pra ficar pelo menos uma semana, pra conhecer mais a cidade. Gosto demais do povo Maori, e saber mais sobre a cultura deles.

Seu post ficou perfeito, e com todas as explicações necessárias. Amei!

Quando voltar a NZ, vá conhecer a Ilha do Sul. Tudo muito lindo por lá também.

Um lindo dia! Abraços.

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@LucinhaLucinha, muito obrigada pela visita e pelo seu comentário! Seja muito bem-vinda! Puxa, fico suuuuper feliz que vc tenha gostado do relato e também de saber que não escrevi nenhuma besteira, rsrs! O caso do ônibus foi realmente uma questão de engarrafamento fora do comum. O que nos chamou a atenção foi a simpatia, a gentileza e a prestatividade do motorista. Adorei saber que estando há 4 anos no país você tem a mesma impressão! Eu sempre quis ter a experiência de morar fora por uns tempos, sabe? Não sei se essa oportunidade vai aparecer na minha vida algum dia, mas depois dessa viagem, troquei meu destino preferido, que era a Europa, pela oceania! Nossa, eu amaria viver por uns tempos na AUS ou NZL. Apesar das belezas naturais e das cidades que oferecem de tudo, foi essa extrema gentileza do povo o que mais me encantou!!!!! Um grande beijo pra você e tenha uma vida linda nesse país pelo qual me apaixonei!

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@LeniOi, Leni! Rotorua é um lugar mmuito bonito e a simpatia das pessoas o tornam ainda mais agradável pra se morar! Ah, eu adoro o TRIP ADVISOR e tenho visto cada vez mais restaurantes ostentando e valorizando os comentários dos usuários do site! É claro que nunca há unanimidade, mas dá pra gente ter uma boa ideia da qualidade de um restaurante pelos comentários, né? Para as próximas viagens, vou pesquisar bem isso antes ou então, como fizemos nesse caso do indiano, procurar um selo de qualidade do TRIP ADVISOR na entrada dos restaurantes! Um grande beijo!

Flávia Mergulhão disse... [Responder comentário]

Ah! então a roupinha de esgima era para esse passeio?Fantástico!! Que cores!
Beijossss

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Flávia Mergulhãohahahahaha, gostei da "roupinha de esgrima", rsrs! Parece mesmo! POis é, foi porque estava muuuito frio e realmente não era possível entrar na água com o corpo todo descoberto, mas as mãos sofreram, viu? Beijos!

K disse... [Responder comentário]

Pois é, além de amar cervejas fortes, não fazer as unhas, adorar sabores exoticos, eu também não sou chegada a chocolate.Quando como, também prefiro associar o sabor a frutas, assim como você. Todo dia descubro algo mais em comum ,além do nome.

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@KQue legal, xará! A gente realmente pode dizer que é "diferente", né? Sempre gostei de ser assim, te confesso que desde os tempos da escola eu preferi me juntar ao grupo artístico do colégio porque era o lugar onde eu me encaixava melhor, o lugar das pessoas que nào gostavam de imitar ninguém, que nào seguiam um padrão pré-definido e que tinham "personalidade", digamos assim. Mudei bastante desde aquela época, mas a essência continua a mesma, rsrs! Um grande beijo! P.S.: Lembro que vc foi no restaurante iraniano em BH, né? E depois fechou, que pena!!!! Eu adorei!

Anna Silva disse... [Responder comentário]

'Bonfa, sua viagem foi incrível!!
Amei conhecer um pouco mais da Nova Zelândia e adoraria fazer os passeios 'adrenalinas' q vc fez. Sou movida a emoção e adrenalina. Hsss
No ano passado, antes de começar um tratamento médico, estava me programando para passar um período em Auckland. Tive de postergar, mas hj, vendo esse seu post e as fotos, fiquei ainda mais motivada a passar um período por lá.
No mais, sua viagem foi pra lá de bacana, seus passeios D+ e feitos em companhia do maridão fica melhor ainda, né?!
Bjokas. Adorei td!!

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Anna SilvaAnna, se vc gosta de aventura e adrenalina, a Nova Zelandia é PERFEITA!!!! Lá tem muitos lugares lindos e esportes radicais não faltam para aproveitar essas paisagens de maneiras diferentes! Dou a maior força pra você conhecer o país e se aventurar por lá! Eu sou mais medrosa, mas fiquei com a maior vontade de conhecer a ilha sul e suas montanhas nevadas! Quem sabe um dia ainda volto lá? Mil beijos!

Sandra Lima disse... [Responder comentário]

Kátia, que lugar maravilhoso! A natureza é espetacular... E isso de se conservar a cultura, de atrair visitantes com o que se tem de mais puro e natural é muito bacana. E, por outro lado, isso não representa qualquer atraso para a região.
Achei muito, muito interessante mesmo!
Beijos

Eu que fiz... ou quase isso disse... [Responder comentário]

Demorei mais cheguei, nossa eu me sinto lendo um livro de viagem, quando leio seus post, que lugar lindo Katia, quanta cultura, quanta diversidade, amei as piscinas naturais e o lago azul incrível do comecinho do post, só vc pra me fazer viajar por estes lugares incríveis, eu mostrei para meu marido seu post ele amou.

bjs

Gélia

Marta disse... [Responder comentário]

Katita.. que viagem ótima! Adorei s fotos e o show.. as caras e bocas estão ótimas!!!!!
Beijos

Lily Luz disse... [Responder comentário]

Kátia, que delícia de lugar! Viajei agora, sem sair do lugar. Mas vontade mesmo foi de conhecer essas lindezas tudo. Adoro seu blog, adoro o relato de suas experiencias. beijos no coração.

Jocilene Duarte disse... [Responder comentário]

Oi Katia tudo bem?
Como ja disse amo de paixao Seguir você por esse mundo lindo....estou aqui na MADRUGA da me deleitando com esse relatos lindo ...sobre a Nova Zelandia.. lugar que escolhi para viver uma temporada junto com minha familia....tem 7 meses que estamos morando em Auckland. ...e cada final de semana è um passeio diferente...Rotorua esta no meu roteiro...e com o seu post me deu ainda mais vontade de ir logo....Aqui é tudo muito lindo. ....estou apaixonada....principalmente com a hospitalidade e a educaçao dos Kiwis...muito obrigada por compartilhar.....um grande abraço e quando voltam aqui quem sabe podemos nos conhecer...Deus abencoe. Ah espero que vc nao fiquem chateada por eu ter compartilhado...na verdade me toquei agora se posso ou nao.....qualquer coisa me fale....

Jocilene Duarte disse... [Responder comentário]

Oi Katia tudo bem?
Como ja disse amo de paixao Seguir seu trabalho e suas viagens incriveis.
Estou morando na Nova Zelandia a 7 meses e a-do-rei seu relatos. Aqui a cada final de semana temos uma experiencias diferente nesse pais maravilhoso.estou loucal pra ir em Rotorua e fiquei com mais vontade ainda depois que vi tudo que vc postou. ....vc tem uma Maneira incrivel de nos fazer viajar junto com vc.
Eu e minha familia estamos muito felizes em estar aqui.....os Kiwis Sao extreme mente receptivos e educados ....sem contar que tem pessoas do Mundo inteiro que vem estudar e trabalhar....New Zealand foi eleito um dos melhores paīses pra se moral no mundo. ....estamos adorando a experiencias. ..quando vc voltar aqui quero conhecer vcs . rsrsrs.

Mais uma vez muito obrigada

Jocilene Duarte disse... [Responder comentário]

Oi Katia tudo bem?
Como ja disse amo de paixao Seguir seu trabalho e suas viagens incriveis.
Estou morando na Nova Zelandia a 7 meses e a-do-rei seu relatos. Aqui a cada final de semana temos uma experiencias diferente nesse pais maravilhoso.estou loucal pra ir em Rotorua e fiquei com mais vontade ainda depois que vi tudo que vc postou. ....vc tem uma Maneira incrivel de nos fazer viajar junto com vc.
Eu e minha familia estamos muito felizes em estar aqui.....os Kiwis Sao extreme mente receptivos e educados ....sem contar que tem pessoas do Mundo inteiro que vem estudar e trabalhar....New Zealand foi eleito um dos melhores paīses pra se morar no mundo. ....estamos adorando a experiencias. ..quando vc voltar aqui quero conhecer vcs . rsrsrs.

Mais uma vez muito obrigada

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Jocilene DuarteOi, Joceline!!!! Super obrigada pelo seu comentário, adorei! E obrigada também pelo carinho e elogio!!!! Que delícia morar na NZ!!!! Antigamente eu me imaginava morando um tempo na Europa, mas depois de conhecer a oceania, minha primeira opção seria a terra dos kiwis! Fiquei apaixonada! Que lugar lindo e que povo maravilhoso! Te desejo uma ótima experiência e, se um dia eu voltar, entro em contato! Sou doida pra conhecer a ilha sul! Beijão!!!

Euler Duarte disse... [Responder comentário]

Oi Katia,
Entao...todos aqui dizem que a Ilha Sul é muito mais linda.....imagine....
Quanto a morar aqui,estou apaixonada com tudo.....só o clima que acho frio....sou muito friorenta...rsrsr....sinto muita sudade dos amigos e familiares.......mas aqui é tao calmo e tranquilo para criar as meninas, que nem penso em sair temos work visa até 2018....e estamos pensando seriamente aplicar pra Residência...ta nas mãoss de DEUS.....
E vc? Não vai escrever um livro? Vc tem conteúdo para muitos...Um grande beijo e Deus abençoe muito a vida de vcs.

Euler Duarte disse... [Responder comentário]

Saiu na conta do meu marido rsrs..sou eu a Jocilene

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Euler DuarteQue experiência incrível!!!! Desejo que dê tudo super certo pra vcs e que aproveitem bastante essa estadia nesse país pelo qual me apaixonei! Ih, menina, acho que eu ia adorar o frio. Ao contrário de vc, sou suuuper calorenta e sofro muito no verão carioca, rs! Um super beijo e muito obrigada pelo carinho e incentivo! Beijão!

Related Posts with Thumbnails