segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Resumão da viagem de fim de ano ao Peru: Reserva Nacional de Paracas, Linhas de Nazca, Huacachina e Islas Ballestas

20131229-103

20131229-115

Primeira parada: Reserva Nacional de Paracas

20131230-007

DSC07249

Sobrevoando as impressionantes Linhas de Nazca

DSC07354

DSC07334

DSC07375

A deliciosa Huacachina

DSC07422

O misterioso Candelabro de Paracas

DSC07526

DSC07463
Leão marinho tomando um solzinho nas Islas Ballestas e suas curiosas formações rochosas

Depois de passar um dia em Lima, seguimos para o nosso segundo destino no Peru, Paracas, que serviu como base para vários passeios.

20131229-001

Saímos cedinho do hotel e mais uma vez me surpreendi positivamente. A rodoviária onde embarcamos era muito bem organizada e nosso ônibus partiu no horário programado.

20131229-002

Em vez de colocarmos as mochilas direto no bagageiro sem nenhuma identificação, foi necessário fazer um check-in, no qual nossas bagagens foram pesadas e etiquetadas antes de recebermos os bilhetes com os quais deveríamos resgatá-las no nosso destino final.

O ônibus da empresa CRUZ DEL SUR era super confortável e contava com serviço de bordo (amei o sanduíche de queijo e pastinha de azeitonas pretas!!!), além de filmes, ar condicionado e poltronas que reclinavam bastante. Dormi durante praticamente toda a viagem que durou cerca de 4 horas.

20131229-006

Paracas é uma cidade pequena e simples sem muitos atrativos urbanos, mas serve como base para interessantes passeios nos arredores. Chegamos lá no início da tarde, deixamos as mochilas no hotel, trocamos de roupa e fomos pesquisar os preços dos tours com agências locais. É importante fazer esse levantamento de valores porque pode haver uma boa variação entre as operadoras. No fim das contas, fechamos um tour semi privado à Reserva Nacional de Paracas e fomos tomar uma cervejinha enquanto esperávamos o casal que nos acompanharia no passeio.

IMG_20131230_095221

Não sou muito fã de cervejas claras, as tais louras geladas tão adoradas no Brasil, mas gostei bastante da CUSQUEÑA DORADA, bem mais saborosa e encorpada do que as similares nacionais. Pra quem gosta de uma boa cerveja leve, eu recomendo!

20131229-007

Em seguida, passeamos um pouco pela orla da Praia del Chaco registrando algumas curiosidades como a escultura acima, e depois caminhamos em direção ao local marcado para encontrarmos o motorista que nos levaria à reserva.

20131229-013

A Reserva Nacional de Paracas é uma área protegida pelo governo que possui um rico ecossistema e muita diversidade biológica, além de tesouros arqueológicos. Seu objetivo é incentivar o respeito pelo meio ambiente e ao mesmo tempo promover o turismo. Mais de cem sítios arqueológicos foram encontrados até agora, comprovando séculos de existência da cultura dos paracas.

20131229-021

Logo depois de entrarmos na reserva, o motorista parou no centro de visitantes para que pudéssemos conhecer um pouco mais sobre as espécies que habitam o local. Estima-se que existem cerca de 216 espécies de aves, 36 de mamíferos, 10 de répteis, 168 de peixes e uma quantidade enorme de animais invertebrados por lá.

20131229-051

A Reserva Nacional de Paracas é uma enorme área desértica que há milhões de anos era coberta pelo mar. Por isso vimos muitos fósseis de conchas e outros animais marinhos incrustrados nas rochas.

20131229-045

A Playa Roja tem esse nome por causa da coloração avermelhada da areia que fica em seu entorno. O contraste formado entre o vermelho da areia, o laranja do deserto e o azul do mar é lindo!!!

20131229-056

20131229-071aa

20131229-068

Ficamos alguns minutos ali para curtir o vento (era forte, porém um alívio para o dia bem quente!), apreciar a bela paisagem e tirar muitas fotos.

20131229-079

Numa determinada área litorânea havia uma formação rochosa impressionante chamada catedral, que infelizmente ruiu com o forte terremoto ocorrido em 2007. Só vimos o que sobrou dela por meio de fotos, mas não chegamos a visitar o local.

Nossa parada mais longa foi em Lagunilla, onde o pessoal normalmente gosta de almoçar em um dos restaurantes e curtir a praia de águas clarinhas, porém frias.

20131229-081

Como a gente só faz duas refeições por dia, pulamos o almoço e preferimos circular pelo local, subindo em um mirante de onde tivemos uma belíssima vista dos arredores.

20131229-115

O clima seco permite que a gente enxergue longe e tenha uma visão bem ampla do lugar.

20131229-089

Infelizmente as fotos não fazem jus à essa sensação de imensidão!

20131229-097

Como chegamos na praia mais pro final da tarde, o lugar não estava muito cheio. Tiramos algumas fotos a partir de um mirante próximo, descemos e pedimos um Pisco Sour num dos bares lá embaixo.

20131229-099

Infelizmente esse Pisco Sour mais parecia um suquinho de limão do que o primo da nossa Caipirinha, rs! Aliás, salvo algumas exceções, não tivemos muita sorte em relação aos comes & bebes nesse país tão festejado por sua gastronomia e culinária criativa. Foi uma pena, mas tenho certeza de que da próxima vez iremos nos planejar melhor nesse sentido!

20131229-117

Vans de turismo circulando pelo deserto

IMG_20131229_210813

20131229-130

Antes de retornarmos a Paracas, seguimos para o Istmo de La Peninsula, de onde pudemos visualizar à distância todos os lugares por onde passamos nesse tour.

20131229-133

À noite, jantamos na orla da praia mesmo. Achamos estranho porque estava tudo muito vazio em pleno feriado prolongado de Réveillon e alguns restaurantes inclusive nem abriram. Mas parece que o movimento é maior durante o dia. Eu gostei do meu prato de massa com camarões e molho branco do PUNTO PARACAS, mas o Marcelo não se empolgou muito com o pedido dele.

20131230-002

Pista do Aeroporto de Pisco

O dia seguinte prometia fortes emoções, conforme eu havia lido nesse relato do blog VIAJE SIM:

http://www.viajesim.com/2013/02/sobrevoo-de-nazca-fortes-emocoes.html

Eu esperava embarcar num avião minúsculo e apertado para 6 passageiros que fizesse algumas acrobacias, que enfrentasse turbulência e ventos fortes, que me causasse enjoo e desconforto estomacal etc. Enfim, nada muito agradável, rs! Mesmo assim, eu achei que valia a pena viver essa aventura e disse sim quando o Marcelo propôs que sobrevoássemos as Linhas de Nazca.

IMG_20131230_114420

Passaporte, bilhete de embarque e mapa do roteiro com os desenhos das linhas

Quem não me vê há uns 3 anos, não reconheceria hoje essa mulher que tinha pavor de avião, que começava a sonhar com o voo uns 3 meses antes do embarque, que suava frio quando pensava em decolar e que chegou a chorar por um dia inteiro na véspera de uma viagem longa. O que me fez mudar? A constante exposição ao meu maior temor! Sei que isso não funciona pra todos, mas pra mim deu super certo. Enfrentei meu medo e, há pouco mais de 2 anos, tenho viajado a cada 15 dias (sem contar com as férias). Com o passar do tempo, fui percebendo que voar não era esse bicho de sete cabeças e, pra muita gente, é até uma rotina de trabalho necessária.

A pior turbulência que enfrentei aconteceu em 1997 e as viagens constantes nos últimos anos me fizeram perceber que foi uma situação incomum. Não que eu esteja livre de passar por uma experiência semelhante (e terrível!) novamente, mas hoje sei que isso não é o padrão. Pra ser sincera, ainda fico meio tensa em voos muito longos, mas tiro de letra os voos curtinhos.

Essa foi sem dúvida uma conquista pessoal importante e eu estava curiosíssima pra saber como me sentiria sobrevoando as Linhas de Nazca num aviãozinho.

20131230-004

Recebemos o mapa acima junto com o cartão de embarque, o que eu achei muito simpático. Nele pudemos observar nosso roteiro e os desenhos que veríamos em breve lá de cima.

20131230-013

Foi o Marcelo que comprou as passagens para esse voo e ele escreveu o seguinte:

“Eu já tinha contratado o sobrevoo antecipadamente via nazcaflights.com. Paguei caro (280 USD por cabeça), mas foram os únicos que simplesmente... me responderam. Todas as outras (agências ou aerolineas) que pesquisei na Internet me ignoraram. Como eu não tinha tempo e queria muito fazer o voo a partir de Pisco (poupando horas de estrada de ida e volta a Nazca), fechei com eles”.

20131230-009

Gente, confesso que fiquei feliz ao ver o tamanho do nosso avião: ele tinha capacidade para uns 15 passageiros, obaaaaaa! Era bem maior do que eu imaginava e fiquei um pouco mais tranquila.

20131230-018

IMG_20131230_144423

O que eu achei mais legal foi ter conseguido um assento logo atrás do cockpit porque sempre sonhei em viajar lá dentro ao lado dos pilotos!

mix

As poltronas eram confortáveis, as janelas eram bem grandes e os passageiros ainda tinham direito a fones de ouvido com quatro opções de idioma: espanhol, inglês, japonês e francês. Aliás, na sinalização do aeroporto eu vi muita coisa escrita em japonês e depois percebi que eles eram maioria em todos os voos que saíam de Pisco.

IMG_20131230_144623

Depois que todos se acomodaram em seus assentos, o copiloto nos passou algumas instruções e as hélices começaram a girar. Senti um friozinho na espinha, um pouco de suor nas mãos e aí… decolamos!!!!!

20131230-027

A decolagem foi muito suave, muito mesmo! Logo depois avistamos o mar e o avião começou a subir lentamente.

20131230-029

Depois de uns 5 minutos, começamos a ouvir a gravação que vinha dos fones de ouvido. Recebemos informações sobre a região que estávamos sobrevoando e descobrimos algumas curiosidades.

20131230-045

A narração ajudou a me manter tranquila e o voo estava sendo ótimo, sem nenhuma turbulência, nenhum sacolejo, nada! Posso dizer com relativa certeza de que foi um dos voos mais suaves da minha vida!

20131230-049

Aos poucos, o deserto deu lugar ao vale fértil de Ica e depois surgiu uma região mais montanhosa, que descobri ser Nazca. Quando começamos a avistar alguns retângulos e outras figuras geométricas lá embaixo, a narradora disse que começaríamos a experimentar um pouco de turbulência, o que era comum naquela região. E então eu pensei: “Ai, estava muito bom pra ser verdade!”.

20131230-064

Mas, apesar de algumas sacudidas mais fortes, o voo continuou tranquilo… ufa! E assim começaram a aparecer as famosas linhas.

As Linhas de Nazca são um conjunto de geoglifos antigos designados como um Patrimônio Mundial pela UNESCO em 1994. Embora alguns geoglifos locais lembrem a cultura de Paracas, estudiosos acreditam que os desenhos foram criados pela civilização de Nazca entre 400 e 650 d.C. As centenas de figuras individuais variam em complexidade a partir de simples linhas até beija-flores estilizados, aranhas, macacos, peixes, tubarões ou orcas, lhamas e lagartos.*

Há centenas de linhas simples e formas geométricas, com mais de setenta desenhos de animais, aves, peixes ou figuras humanas. Os maiores têm mais de 200 metros de diâmetro. Os estudiosos divergem na interpretação dos efeitos dos projetos, mas geralmente atribuem-lhe significado religioso. Os desenhos geométricos poderiam indicar o fluxo de água ou estarem ligados a rituais para convocar água. As aranhas, pássaros e plantas poderiam ser símbolos de fertilidade. Outras explicações possíveis incluem: sistemas de irrigação ou gigantes calendários astronômicos. Devido ao clima seco, sem vento e estável, de planalto e ao seu isolamento, a maior parte das linhas foram preservadas.*

20131230-065

O astronauta

A narração estava bem sincronizada e o copiloto reforçava a informação avisando que a figura tal apareceria primeiro do lado direito e depois do esquerdo, enquanto o piloto fazia algumas manobras giratórias para que todos os passageiros pudessem visualizar bem os desenhos.

Na foto acima, vocês podem observar o “astronauta”, uma das figuras de maior visibilidade. Por falar nisso, quando eu era criança, havia um livro na estante dos meus pais que fazia o maior sucesso e despertava a minha curiosidade: “ERAM OS DEUSES ASTRONAUTAS?”. O escritor suíço Erik Von Daniken usava as Linhas de Nazca para exemplificar suas teorias sobre a suposta influência extraterrestre na cultura humana desde os tempos pré-históricos. Daniken é o principal responsável por popularizar a crença de que os deuses, descritos na literatura e escrituras das principais religiões e civilizações, eram na realidade ETs.

DSC07219

O macaco

O autor popularizou as Linhas de Nazca no livro publicado em 1968 e atraiu tantos turistas para a região que a pesquisadora Maria Reiche (cuja história conhecemos na narração do avião) teve de gastar muito do seu tempo e dinheiro para preservá-las.

DSC07221

O macaco

Os arqueólogos têm a certeza que as linhas foram criadas por civilizações pré-colombianas com finalidades culturais e nunca deram ouvidos à versão do escritor suíço.

DSC07243

O condor

É realmente uma experiência incrível sobrevoar as linhas e reviver uma história tão antiga. O ar de mistério que envolve os desenhos certamente faz com que esse passeio seja único e inesquecível!

DSC07249

A aranha

A figura da aranha foi uma das que me pareceram mais explícitas e de fácil reconhecimento. Várias outras passaram despercebidas e eu só pude confirmar que desenhos eram aqueles depois de tratar as imagens no Photoshop, mas garanto a vocês que fiz isso com muito cuidado para não distorcê-las a ponto de criar expectativas erradas sobre o que é possível observar lá de cima.

DSC07268

A árvore e as mãos

Os desenhos da foto acima ficam na beira da estrada, onde há uma torre que permite aos visitantes verem as linhas de outro ângulo. Foi nesse momento que tive uma melhor compreensão e percepção do tamanho das figuras, já que havia referência visual suficiente para isso (pessoas, carros, estrada). Em outras situações, eu fiquei meio perdida e não consegui ter uma boa noção da dimensão das linhas.

DSC07280

O papagaio

DSC07288

O colibri

DSC07300

Quando o avião já estava voando mais baixo, no retorno a Pisco, pudemos ver o lugar que visitaríamos dali a algumas horas: o charmoso oásis de Huacachina.

DSC07310

O voo completo durou cerca de 1h40min e foi maravilhoso! Há muita gente que prefere pegar um avião em Nazca mesmo, mas eu tenho a impressão de que os aparelhos lá são menores e balançam muito mais. Desse modo, acho que tivemos sorte e fizemos uma boa escolha, mesmo pagando mais caro. E ainda teve a conveniência da gente partir de Pisco e voltar ao mesmo lugar, que fica pertinho de Paracas. O traslado de ida e volta estava incluído no valor que pagamos pelo bilhete aéreo e foi feito pelo simpático Freddy, que acabamos contratando para nos levar até Ica e Huacachina, com uma paradinha antes em uma curiosa vinícola peruana.

DSC07321

A Bodega EL CATADOR é uma empresa familiar e quem nos recebeu para o tour foi um dos proprietários da vinícola.

DSC07322

O lugar é simples e a visita é gratuita, mas estava cheio de turistas acompanhados de seus guias, prontos para degustar vinhos e piscos.

DSC07323

Jorge, o dono do EL CATADOR foi muito simpático e a apresentação/degustação que ele promoveu foi uma das mais interessantes que vi, mas não por causa da qualidade dos vinhos, rs! Ele nos ensinou como eliminar o excesso de álcool, valorizando os aromas da bebida. No fim das contas, levamos uma garrafa pequena de vinho para bebermos à noite na varanda do hotel. Era do tipo adocicado e licoroso que a gente não gosta muito, mas valeu a experiência.

DSC07351

De lá, seguimos para Ica, fizemos um rápido passeio pela Plaza de Armas da cidade (que não nos atraiu nem um pouco) e continuamos até Huacachina.

DSC07357

Huacachina é uma vila situada na região de Ica e possui pouco mais de uma centena de habitantes.

DSC07367

É conhecida como “oásis da América” e foi construída ao redor de um lago natural no meio do deserto.

DSC07370

Huacachina  é um resort popular para as famílias de Ica e hoje em dia também atrai muitos turistas estrangeiros.

DSC07337

Uma das principais atrações locais é o passeio de buggy (aquele com emoção – tô fora, rs!) e também o sandboard.

DSC07338

Uma das várias lendas que contam a origem do oásis diz que a lagoa surgiu quando uma princesa nativa foi aprisionada em seu banho por um caçador local. Ela conseguiu fugir, fazendo com que a água em que se banhava se transformasse na lagoa. As dobras de seu roupão, que ela deixou cair enquanto fugia, formaram as dunas de areia no seu entorno e ela própria ainda habita o oásis como uma sereia.

DSC07340

Amei quando o Marcelo me mostrou uma foto de Huacachina e perguntou se eu gostaria de conhecer a pequena vila. Fiquei impressionada com aquele oásis tão urbanizado “no meio do nada”. Bom, não é tão no meio do nada assim, há uma estrada que o liga a Ica, mas foi essa a primeira impressão que tive pelas fotos que vi antes de chegar lá.

DSC07381

O lugar é mesmo uma delícia, perfeito para relaxar e esquecer da rotina. Ao redor da lagoa há vários bares descolados, hotéis, albergues, casas e algumas lojas.

DSC07382

Conforme o Marcelo disse aquele dia, seria outra boa opção de base para os passeios que fizemos na região.

DSC07389

Começamos a ouvir algumas pessoas falando português e achamos que deveria ser um grupo brasileiro fazendo um tour por lá. Foi um simpático casal gaúcho que tirou a foto acima. Eles estavam encantados com Huacachina, assim como nós.

DSC07394

Voltamos a Paracas no fim da tarde, passeamos pela orla e escolhemos um restaurante recomendado pelo TRIP ADVISOR, que ultimamente tem nos decepcionado. Ao contrário da noite anterior, o Marcelo adorou o prato dele, mas eu não gostei do meu e odiei a bebida que pedi. Sendo assim, prefiro omitir o nome do lugar. Como mencionei anteriormente, não demos muitas sorte com a gastronomia peruana, rs!

DSC07406

O dia seguinte era 31 de dezembro, o último de 2013! Marcamos as passagens de volta para Lima no meio da tarde e pela manhã aproveitamos para fazer o passeio às Islas Ballestas, ou “Galápagos dos pobres”, como algumas pessoas as chamam.

DSC07408

Longas filas de turistas se formaram logo cedo no porto à espera de uma lancha até às ilhas. O ideal é acertar o passeio com antecedência e partir nos primeiros horários da manhã porque mais tarde o calor desanima.

DSC07411

Antes de chegarmos nas ilhas, paramos para admirar o Candelabro de Paracas, um geoglifo milenar que incrivelmente resiste ao tempo, devido principalmente à escassez de chuvas na região.

DSC07414

O Candelabro mede 180 metros de comprimento, 3 metros de largura e 1 metro de profundidade. O que me surpreendeu foi saber que ele existe há cerca de 2.500 anos e nunca foi restaurado!

DSC07421

O significado do desenho continua sendo um mistério, mas acredita – se que o Candelabro de Paracas teria alguma relação com as Linhas de Nazca.

DSC07551

Navegamos por mais 15 minutos até chegar às Islas Ballestas. A fauna do lugar é riquíssima e e as ilhas parecem muito bem cuidadas e preservadas.

DSC07548

Há somente dois moradores nas ilhas. São funcionários do governo que se revezam a cada três meses.

DSCF0778

Os excrementos dos pássaros que habitam as ilhas são valiosíssimos porque funcionam como um fertilizante natural chamado guano. Foi com a exportação desses sedimentos durante os séculos XIX e XX que o Peru pagou sua dívida externa.*

DSC07560

DSC07463

Ballestas significa arcos e esse nome vem das formações rochosas do arquipélago, que formam inúmeras cavernas com curiosos desenhos.

DSC07517

DSC07484

Além das mais de 200 espécies de pássaros, vivem na ilha outros animais como pinguins de Humboldt e leões marinhos.

DSC07452

DSC07470

Há pássaros por todos os lados!

DSC07451

DSC07449

Os fofos pinguins de Humboldt

DSC07539

DSC07522

DSC07516

DSC07526

Leões marinhos chapadões curtindo o solzinho…

DSC07556

Durante o passeio, avistamos vários filhotes de leões marinhos sendo cuidados pelas mães em uma pequena praia.

DSC07437

De volta à cidade, fizemos o check-out no hotel e curtimos a orla da praia beliscando anéis de lula empanados com cerveja gelada até a hora de pegar o ônibus de volta a Lima. Foram três dias de passeios deliciosos e, embora eu ache que a gente também ficaria satisfeito passando nossos cinco dias de folga na capital, penso que foi mais interessante conhecer outra parte do Peru.

Um super beijo pra todos e aguardo vocês para a terceira e última parte desse relato em breve!!!!

*Fontes:
http://www.dicadadri.com/a-la-la-o-o-o-o-o-no-peru-parte-ii-paracas/#more-121
http://wol.jw.org/en/wol/d/r5/lp-t/102003885
http://www.go2peru.com/spa/guia_viajes/paracas/reserva_nacional_paracas.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Erich_von_D%C3%A4niken
http://pt.wikipedia.org/wiki/Linhas_e_Ge%C3%B3glifos_de_Nasca_e_das_Pampas_de_Jumana
http://es.wikipedia.org/wiki/Huacachina
http://www.viajesim.com/2013/02/paracas-o-candelabro-as-islas-ballestas-e-o-choclo-gigante.html
http://itaquatiaradoinga.blogspot.com.br/2011/10/nov.html
http://wp.clicrbs.com.br/viajandocomarte/2012/05/19/descobrindo-novos-caminhos-no-peru-deserto-de-paracas/
Bonfa-ass

27 comentários:

Simone Doscher disse... [Responder comentário]

Oi Kátia! Que viagem linda! Fiz a tempos atrás o mesmo rotiro passando por praticamente todos os lugares que vcs foram. A diferença é que alugamos um carro para ir a Nazca e sobrevoamos as linhas em um Cessna de 4 lugares, sendo um do piloto.... você teria odiado. Na prática, um fusca de asas... Na época eu tive muito medo, principalmente porque foi tudo no olho, sem muitos instrumentos de navegação.
Parabéns pela superação e pelo testemunho. Eu sei bem o que você deve ter enfrentado nesses últimos anos, eu sou "fóbica controlada" e também nunca deixei de viajar por isso. Sempre penso nas oportunidades que vou perder e enfrento. Um beijo carinhoso!

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Simone DoscherAi, Simone, não tenho como te agradecer pelo cometário!!!!! Eu me identifico muito com vc! Sou fóbica controlada também e nem imagino esse voo com 4 pessoas, rs! Se bem que era isso o que eu estava disposta a fazer! Acabei de responder o Marcelo sobre outro passeio "com emoção", um rafting no Jalapão que ele quer fazer no mês que vem... eu gosto de certas aventuras, mas tenho uma postura mais contemplativa. Gosto de ver belas paisagens, mas não sinto que preciso experimentar a parte "radical" da experiência pra ter uma vivência plena. Um super beijo e fiquei bem feliz em saber que fez esse passeio. Quero muuuuuito ir a Machu Pichu algum dia, mas achei esse passeio sensacional e percebi que muitos brasileiros desconhecem Paracas e os arredores. Beijos!

Simone Doscher disse... [Responder comentário]

Kátia, Machu Pichu é incrível!! Fomos em 2011. Acho sinceramente, que mesmo com toda leitura e conhecimento teórico que possamos dispor antecipadamente, nada vai nos preparar suficientemente para ver aquele lugar pela primeira vez. Eu fiquei estasiada! Sugiro fortemente! Agora rafting eu "tô fora"... água não é meu elemento... e eu não sei nadar, KKKK
Gosto muito de contemplação! A-do-ro! principalmente em casos assim com fortes emoções... Divirto-me tanto quanto estar lá no meio da situação. Bj querida!

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Simone DoscherHehehe, com relação às fortes emoções, concordo! Sobre Machu Pichu, sou louca pra conhecer, ainda mais depois desse primeiro contato com o Peru e os peruanos, povo super simpático e acolhedor! É um país cheio de história, cultura milenar, energia, mistérios... apaixonante mesmo! O Marcelo esteve em Machu Pichu há 20 anos e por isso não pensou em voltar dessa vez, mas considerou a possibilidade pouco antes da gente ir, só que estava tudo lotado e super caro. Então vai ficar pra uma próxima oportunidade, que vou aguardar ansiosamente! Adoro a América do Sul!!!!!! Ou outros continentes tem projetos de arquitetura maravilhosos, cidades medievais fofíssimas e belíssimas paisagens, com certeza. Mas a gente é bem servido de belezas naturais de um jeito que anda não vi em outro continente! Somos extremamente privilegiados!!!! Um super beijo!

ofelia disse... [Responder comentário]

Olá, Kátia! Amei esta postagem! Com muitas fotos e tudo tão bem detalhado que deu até vontade de fazer esta viagem! rsrs... E você está linda com este novo corte de cabelo! Parabéns pelo blog! Beijos!

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@ofeliaQue legal, Ofelia! Eu amei essa viagem e me surpreendi bem positivamente! Gosto de pesquisar outros relatos quando escrevo um post e descobri que há muito poucos em português sobre os lugares que visitei. Isso quer dizer que poucos brasileiros conhecem Paracas e arredores e isso me deu ainda mais ânimo de fazer esse post! É uma região linda que vale a pena conhecer! Pra quem mora na região norte do Brasil, fica bem pertinho e é uma delícia! Um super beijo!

Camila disse... [Responder comentário]

Oi Kátia, também fiz essa viagem em 2010 e suas fotos me fizeram reviver ótimos momentos.

O passeio de Buggy em Huacachina é maravilhoso! Não são buggys feitos de fusca como no Brasil. Os de lá são de 12 lugares e tem motor 4x4, é uma emoção bem segura. A prática do sandboard em pé é muito difícil, mas descer as dunas gigantescas de barriga é muuuuito legal!!!

Quando for a Cusco vá ao restaurante Fallen Angel (eu não consegui comer lá porque estava fechado para uma festa que aconteceria mais tarde, mas nos deixaram visitar o salão). Ele foi muito recomendado por um amigo limeño e é famoso por sua decoração super extravagante.
http://www.tripadvisor.com/Restaurant_Review-g294314-d1026205-Reviews-Fallen_Angel-Cusco_Cusco_Region.html

Flávia Mergulhão disse... [Responder comentário]

Nossa, fazia outra ideia do Peru!
Adorei suas aventuras.Olha que eu já viajei em muito teco teco por aí,mas não sei se teria coragem de ir nesse avizinho!!!rsrsrs
Os leões marinhos...ah!Que fofos!Já nadei com eles no México,são incríveis!
Um beijo grande, espero que você esteja melhor e que possamos remarcar aquele Noi!;)

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Flávia MergulhãoQue legal que gostou do post, Flavinha! Vamos marcar sim!!! A alergia passou logo depois do novo remédio que tomei, mas naquele dia ela estava no auge! Um super beijo!

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@CamilaCamila, nunca pensei em descer as dunas de barriga, que interessante! Eu vi esses buggys grandes por lá, quem sabe da próxima vez eu tomo coragem, rs! Obrigadíssima pela dica do restaurante em Cusco! Tenho muita vontade de conhecer a cidade e Machu Pichu! Espero que seja logo! Beijos!

Maria disse... [Responder comentário]

Katia, que viagem deliciosa! Há muito tempo estive no Peru, mas não essa viagem linda e aventureira. Amei tudo isso. Quero muito voltar e agora sei onde tem as maravilhas. Obrigada por nos mostrar. Sempre guardo dicas preciosas de suas viagens. Bjus.

Francine Bortolini de Bona disse... [Responder comentário]

Sou fascinada pelas suas viagens, lugares maravilhosos e fotos perfeitas!!!! beijos

Petria Mendes disse... [Responder comentário]

Salut Katia ! WOW ! Que aventura, você é mesmo abençoada, faz viagens magnificas, a gente fica do outro lado só sonhando, tudo demais, sem palavras ! Mas o mais incrível é que você consegue passar tanta emoção nos seus posts, parece que estamos viajando juntos ! Obrigada ! Bisous de la Provence, Petria

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@MariaQue bom que gostou do post, Maria! Antes do Marcelo me mostrar uma foto de Huacachina, eu nunca tinha ouvido falar desse oásis tão gostoso! Por isso adoro compartilhar as minhas descobertas e, quem sabe, ajudar alguém a montar um roteiro de viagem legal? Um super beijo!

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Francine Bortolini de BonaMuito obrigada pelo carinho e elogio, Francine! Comecei a preparar a terceira e última parte e depois pretendo tirar o atraso e escrever alguns relatos sobre nossas viagens nacionais! Nosso Brasil é lindo demais! Beijos!

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Petria MendesPetria, e a Provence, hein? Um dia quero conhecer e, de quebra, te conhecer pessoalmente! Puxa, seria muuuuito legal! Obrigadíssima pelo seu carinho de sempre e sua simpatia! Fico feliz que goste dos meus relatos, eu realmente sou apaixonada pelas descobertas que faço em viagens e é difícil conter a empolgação quando escrevo, rs! Um super beijo!

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Petria MendesPetria, e a Provence, hein? Um dia quero conhecer e, de quebra, te conhecer pessoalmente! Puxa, seria muuuuito legal! Obrigadíssima pelo seu carinho de sempre e sua simpatia! Fico feliz que goste dos meus relatos, eu realmente sou apaixonada pelas descobertas que faço em viagens e é difícil conter a empolgação quando escrevo, rs! Um super beijo!

Marta disse... [Responder comentário]

Katita, que delícia de viagem! Amei a cor das águas... que lindo.. transparente! E os desenhos? Incríveis!!!!
Beijos

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@MartaAs paisagens dessa parte do Peru são lindas mesmo e fiquei com mais vontade ainda de conhecer Machu Pichu, Cusco, Arequipa... não estivemos nos principais destinos turísticos do país e quero muito voltar! Um super beijo!

Gabriela Rodrigues disse... [Responder comentário]

Oi Bonfa!!!

Vi o post na segunda mesmo mas só agora estou com tempo para comentar!
Eu AMEI esse post...! Tudo o que eu quero qndo for ao Peru (menos Nazca pq o Le morre de medo de altura, acho que ele não vai quer ir não! rsrs..), mas Huacachina com ctz!!! =)

Beijoss!!! E um lindo final de semana!
Gábi

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Gabriela RodriguesQue bom que gostou, Gábi! Eu amei Lima e também gostei dessa outra parte da viagem! Tenho que voltar pra conhecer Machu Pichi! Beijos!

Jackie e Rômulo disse... [Responder comentário]

OI! Nossa, teu avião foi MUITO mais tranquilo em Nazca rs era maior e mais organizado, pareceu bem mais confortável.
Fiquei feliz que vc se animou pra ir, mesmo eu tendo feito terrorismo kkkkk Vale muito a pena, né? um beijo,
Jackie

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Jackie e RômuloOi, Jackie! Eu adorei o seu relato, mas fiquei super tensa, rs! Realmente o voo foi bem mais tranquilo do que eu imaginava, mas acho que o tamanho da aeronave fez toda a diferença. De qualquer forma, é uma experiência única que nunca vou esquecer!Um super beijo e obrigada por compartilhar suas aventuras!

Laura Pedrosa disse... [Responder comentário]

Olá Bonfa =)

Vou ao Peru no final do ano e pesquisando na internet sobre lugares legais por lá, encontrei seu blog e super amei! Sou de João Pessoa e fiquei feliz em ver q vc gostou da minha cidade!!!
Gostei tanto do teu roteiro de Paracas que vou imitar.
Só tenho alguma dúvidas, que ficaria bem feliz se vc pudesse me responder. São elas:

O passeio das ilhas balestras dura qt tempo? vc lembra? sera que em um dia eu consigo fazer ilhas balestras e a tarde ir p inca e o oasis e depois (acho q a noite) pegar o onibus pra lima?!

Aguardo retorno.
Beijos

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Laura PedrosaOi, Laura! Seja muito bem-vinda! Prazer em te conhecer! Eu realmente amei João Pessoa e adoraria voltar algum dia! Fomos muito bem recebidos e gostei demais das paisagens, da comida, do artesanato, da arquitetura etc. Sobre suas dúvidas, acho que a visita às ilhas durou pouco mais de uma hora, então dá pra fazer todos os passeios no mesmo dia se vc conseguir encaixá-los e ainda pegar um ônibus pra Lima à noite. Acho que tudo depende do seu ritmo (nós somos bem acelerados, rs) e do que você combinar com o motorista que vai te levar para Huacachina. Um super beijo e ótima viagem!

Laura Pedrosa disse... [Responder comentário]

Que bom q vc gostou da minha querida Jampa ;) qd voltar, me avisa heheheh
Em relacao ao Peru, gostei mt do teu roteiro de Paracas q vou imitar o primeiro dia. Saio d lima pela manha e a tarde la eu faco o passeio da reserva. É facil arranjar uma empresa la na hora? A passagem d onibus compro na hora, la na rodoviaria mesmo?

Ai no segundo dia queria fazer ilhas balestras e depois o oasis e de tardezinha voltar p lima! Pois so queria dormir uma noite em paracas!
Acho que da ne?
Qual teu hotel d paracas?
Beijos e obrigada pela atenca
;*

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Laura PedrosaOi, Laura!!!! Gostei muito mesmo de Jampa! Ih, menina, não sei responder algumas das suas perguntas, mas vou copiar aqui o link pro relato do meu marido porque é ele quem faz toda a programação das nossas viagens. Eu só acompanho e registro, rs! É o seguinte: http://www.mochileiros.com/peru-sem-cusco-lima-paracas-huacachina-nazca-5-dias-t92597.html

Sobre o hotel, normalmente eu só indico quando gosto muito e é de padrão 3 estrelas ou mais. É porque somos muito simples e tenho medo de fazer esse tipo de indicação pra outras pessoas. Nosso padrão normalmente é de duas estrelas ou albergue com quarto de casal, rs! Um beijão!

Related Posts with Thumbnails