.

.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Viagem ao Egito – Parte I: O Cairo e as pirâmides

Chegamos ao Egito depois de 24 horas de viagem, a partir do aeroporto internacional do Rio, onde o vôo atrasou duas horas. Doze horas mais tarde, fizemos uma conexão em Paris e pegamos outro vôo com cinco horas de duração em direção ao Cairo.

Como eu não consigo dormir durante a viagem de avião, cheguei no hotel às 23:30h (hora local) exausta e, no dia seguinte, partimos bem cedo para conhecer a Mesquita de Alabastro, o Museu do Cairo, as Pirâmides, a Grande Esfinge e uma loja de papiros.

Mesquita de Mohammed Ali ou Mesquita de Alabastro (exterior)

Mesquita de Mohammed Ali ou Mesquita de Alabastro (interior)

Mesquita de Mohammed Ali ou Mesquita de Alabastro (interior)

Entrada do Museu do Cairo – era proibido fotografar no seu interior

Para escrever esse post, precisei mesclar minha experiência pessoal com outras informações que pesquisei nas fontes citadas no final do texto, a fim de deixar o relato mais completo. Sendo assim, segue a primeira parte da saga “Viagem ao Egito”!


O Cairo

O Cairo é a principal porta de entrada do Egito e por ser ao mesmo tempo caótica e romântica, pode cativar ou repelir o visitante, mas é preciso aceitar e entender que os dois aspectos andam juntos e tornam a capital um lugar marcante. A cidade, de 16 milhões de moradores, é densamente habitada, barulhenta, e o trânsito é desordenado. Pedestres desfilam por entre os carros e motoristas buzinam o tempo todo sem motivo aparente. Há muito lixo e sujeira nas ruas, várias ainda não foram asfaltadas.

Ruas do Cairo

Por outro lado, os cafés esfumaçados por narguilés, a visão das pirâmides de Gizé, o Rio Nilo e o entoar de orações nas mesquitas dão à cidade aquele ar mítico e fascinante que povoa o imaginário ocidental.

Dois ou três dias são suficientes para conhecer suas principais atrações. O Museu Egípcio e as pirâmides de Gizé evocam o universo dos faraós. Já lugares como o Cairo Islâmico e a Cidadela oferecem um mergulho no mundo muçulmano e árabe. E no bairro Copto é possível conhecer a Igreja Sao Sérgio. A sua parte mais antiga (século V) foi construída em cima da caverna onde dizem que a família sagrada se escondeu durante três meses depois da sua fuga para o Egito.

Entrada da igreja cristã ortodoxa no Bairro Copto.

Amei o portal e a série de painéis feitos em mosaico, que ficavam no corredor que dava acesso à igreja.

Para finalizar a visita pela cidade, vale dar uma espiadinha no mercado árabe Khan el Khalili. Este labirinto de lojas funciona há mais de mil anos. Entretanto, todas as lojas/barracas estão direcionadas para turistas. Há todos os tipos de bugigangas imagináveis e também muitos produtos made in China.

Cafés na entrada do mercado Khan El Khalili, no Cairo.

Marcelo em uma ruela do mercado Khan El Khalili.


As pirâmides de Gizé

As pirâmides de Gizé foram construídas há mais ou menos 4.500 anos em uma das margens do Rio Nilo durante os reinados dos faraós Quéops, Quéfren e Miquerinos. Essas construções monumentais resistiram bem à passagem do tempo e continuam imponentes, só que eu não imaginava que elas ficassem tão próximas da cidade. Durante nossa estadia no Cairo, ficamos hospedados no Sofitel Le Sphynx e, da varanda do nosso quarto, podíamos avistar as pirâmides do outro lado da rua. Literalmente!!!!

Eu imaginava as pirâmides no meio do nada, cercadas por quilômetros de areia e deserto. Não podia estar mais enganada! Com a passagem dos anos, a cidade foi se instalando cada vez mais perto do complexo, que é tido pela Unesco como Patrimônio da Humanidade.

Com o bilhete de entrada para visitar o complexo. Atrás de mim, algumas mulheres cobertas da cabeça aos pés, com abertura somente para os olhos.

Uma boa surpresa foi saber que era possível conhecer o interior das duas pirâmides maiores e, aconselhados pelo nosso guia, decidimos pela Quéfren, que custava 30 Libras egípcias, 70 a menos do que a pirâmide maior, Quéops.

Dentro do complexo. Atrás de mim, as três pirâmides e a Grande Esfinge.

Na foto acima, dá pra ter uma ideia de quanto a cidade avançou em direção às pirâmides, ao longo dos anos. Reparem nas construções logo ali atrás.

A maior pirâmide do complexo: Quéops.

Não é permitido fotografar o interior das pirâmides e quem tem claustrofobia não deve topar a empreitada porque passamos boa parte do trajeto andando praticamente agachados por uma rampa íngreme que terminava numa câmara central, onde podíamos ficar em pé, finalmente.


A egiptologia tradicional afirma que as pirâmides nada mais eram do que túmulos dos faraós. Os argumentos apresentados são o fato de todas elas conterem sarcófagos e estarem situadas na margem oeste do Nilo, onde tradicionalmente os egípcios enterravam seus mortos. Além disso, eram edificadas em grupos e faziam parte de um amplo cemitério que incluia templos mortuários e túmulos de membros da família real, de cortesãos, de numerosos sacerdotes e oficiais. O interior da Grande Pirâmide, por exemplo, sustenta a arqueologia clássica, é formado apenas por um meio de acesso e pela câmara funerária propriamente dita. Nessa, o teto em ponta e as lajes de granito que o formam visam apenas suportar o enorme peso que se abate sobre ele.

Nas proximidades das pirâmides, o visitante deve ficar atento aos vendedores ambulantes e donos de camelos que circulam pelo complexo à procura de turistas distraídos.

A presença de nativos puxando dromedários enfeitados com tecidos coloridos não é novidade. Há décadas, eles fazem parte da paisagem local, onde oferecem aos turistas a chance de levar para casa a fotografia perfeita para se guardar de recordação: a clássica pose sobre o bicho, com uma das pirâmides ao fundo.

Isso não seria nada demais, porém alguns desses gentis proprietários tentam aplicar um golpe nos turistas de primeira viagem. Eles oferecem aos visitantes a chance de subir na corcova pela bagatela de 1 euro. Entusiasmada com o precinho camarada, a vítima fica feliz, aceita a oferta e sobe. Feita a foto, é hora de descer do animal. Aí, vem a notícia triste: o nativo pede o pagamento e avisa que são 10 euros. Enquanto o pagamento não é feito, o animal permanece imóvel. A não ser que o visitante se encoraje a pular do alto do animal para o chão de pedra, ele vai ter mesmo que desembolsar os 10 euros. Resumindo: pague 1 euro para subir e 10 euros para descer! O bom é que, felizmente, nosso guia nos informou antecipadamente dessa tática já bastante comum por lá.

Senti que estava rolando algum estresse entre o policial e o dono do camelo.

Alguns dias mais tarde, numa noite clara de lua cheia, fomos ver o show de som e luzes nas pirâmides, onde ouvimos a narração de sua história e construção. Confesso que estava tão absorvida pelas imagens de hieróglifos e pinturas projetadas nas faces das pirâmides e no rosto da esfinge, pelos efeitos luminosos e pela beleza da noite, que não prestei muita atenção no narrador… desculpem!

Nos arredores do Cairo, fica o sítio arqueológico de Sakara. Os arqueólogos ainda trabalham nesta região porque existe muita coisa embaixo da areia. A marca registrada de Sakara é a pirâmide de degraus de Djoser. Este monumento serviria de “modelo” para as pirâmides de Gizé 200 anos depois.

Interagindo com um nativo que pediu algumas moedinhas como pagamento pela sua participação na foto.

Na verdade Sakara é o “Vale dos Reis” da capital do Império Antigo, é lá que se encontram as mastabas, que foram as primeiras contruções funerárias dos faraós, além das pirâmides com degraus.

A mastaba trata-se de uma construção contendo várias câmaras decoradas com relevos dos temas mais variados: caça, agricultura, pesca, jogos e brincadeiras, vida em família e na sociedade, entre outros. Achei extremamente interessante poder observar essas cenas da vida cotidiana que foram gravadas há milhares de anos. Achei essa visita imperdível, mas infelizmente era proibido tirar fotos lá dentro.

A vantagem de participar de uma excursão ao Egito, ao invés de ir por conta própria, é o fato de que os guias locais sabem o significado de cada símbolo, de cada história dos relevos e dos sítios arqueológicos. Por mais que você estude antes de partir para esse destino fascinante, é impossível absorver tanta informação.

O Cairo deixa uma mistura de sensações. No final da viagem que durou 12 dias, eu queria logo sair daquela bagunça e ganhar a liberdade de andar durante horas seguidas pelas ruas de Paris por conta própria, observando detalhadamente as paisagens, as lojas, os monumentos e interagindo com o povo local. A sensação que tive no Egito é a de que os turistas vivem numa redoma, sempre escoltados por policiais e indo de um lugar ao outro de ônibus ou van, sem muita interação com a população e sem a liberdade de vagar pelas ruas a bel prazer. Infelizmente, esse aparato de segurança é necessário, por conta dos atentados terroristas contra turistas ocorridos no passado. Até mesmo na entrada do hotel Le Sphynx, precisávamos passar a bolsa pelo raio x toda vez que voltávamos de um passeio.

O post ficou longo, mas é difícil resumir essa viagem. E olha que, por enquanto, eu praticamente só mostrei as pirâmides! Ainda tenho muitos posts pra preparar sobre templos gigantescos que achei bem mais impressionantes do que as famosas pirâmides… aguardem!

Beijos!!!!

Fontes:

http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/egito/mesquita-de-mohamed-ali.php
http://oglobo.globo.com/viagem/mat/2009/11/16/cairo-vaivem-de-excursoes-piramides-de-gize-surpreende-mas-nao-estraga-visita-914785808.asp
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/piramides/porque-foram-construidas.php
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/egito/turismo-no-cairo.php
http://www.khanelkhalili.com.br/egito2005-07d.htm
http://deiatatu.wordpress.com/2008/09/20/cairo-atracoes-parte-ii/

bonfa

34 comentários:

Márcia Oliveira disse... [Responder comentário]

Adorei o relato e as fotos. Eu já imaginava que fosse complicado andar sem guias pelas ruas do Cairo. Uma pena. Mesmo assim fiquei com muita vontade de ir até lá um dia.
Um beijo e estou de olho nos próximos posts de sua viagem. Bjs!

May disse... [Responder comentário]

Nossa que lugar mais maravilhoso!!
Desde bem pequenininha queria ir com meu pai para Egito!!!
Linnndooooo

Beijos ;*

Milena disse... [Responder comentário]

Katia,olha sou sincera,é tudo muito bonito,mas sou uma daquelas que têm claustrofobia,só em pensar já me angustio.E ficou legal perceber a mudança num vôo do Cairo para Paris...Ah,mas aquelas primeiras fotos,o que é aquele teto!!!Amo aquelas cores,passaria muito tempo olhando para cima,se a minha cervical deixasse,rsrs E suas dicas muito legais,confesso que fiquei meio decepcionada em saber que a cidade está tão perto das pirâmides,tinha a mesma sensação que vc.De resto,sra.sorrisão é ver as fotos lindas que tiraram.PS.:comentário maior que a grande esfinge,abafa o caso!!!!Bj

Fernanda Alves Furtado disse... [Responder comentário]

Olá Kátia!
Que experiência fascinante!
Como amo mitologia, conhecer o Egito pra mim seria muito bom. Adorei as fotos e as informações.
Beijos!!!

Natália disse... [Responder comentário]

Oi Kátia!

Me deu nervoso só de pensar como vcs andaram dentro da pirâmide, aff!

Adorei as fotos...muito legal!
bjokas,NA

Wagner disse... [Responder comentário]

Ótimo o relato, Bonfa! Adoro sua maneira de falar sobre as viagens mesclando "informações técnicas" com sua própria visão e sensações.
Realmente, eu também não imaginava que as pirâmides ficassem tão perto da cidade: uma surpresa e tanto para mim! Linda a mesquita (por dentro e por fora), mas aquela porta em estilo mourisco é ainda mais LINDA! Eu simplesmenta AMO esse estilo ornamental!!!
Muito legal também você ter visitado a pirâmide escalonada!
E bastante útil a dica sobre os dromedários 1 x 10!
Como você bem observou, essa questão da segurança (por mais necessária que seja) acaba fazendo a viagem ficar um pouco menos, digamos, interativa e casual, não? Seria ótima a possibilidade de ir e vir sem "escolta", mas se não pode ser de outro jeito, paciência.
Não achei o post longo, não, e, como sempre, adorei as fotos ilustrativas!

Beijoca!

Lulu disse... [Responder comentário]

Bom dia Katia!
Estou adorando seus relatos, tá um verdadeiro guia de viagem!!! Estou aproveitando horrores suas informações ;)
Quero mais posts, rsrsrs!
Bjs!

Kaira disse... [Responder comentário]

Que longo nada, ficou incrivelmente delicioso de ler! Eu já te disse que vc tem o dom de escrever um texto enorme que a gente lê com o maior prazer, né?!
Ai, aquela visão noturna é realmente mágica, deve ser uma sensação incrível!
Bjs!

Fabiana disse... [Responder comentário]

Seu texto foi é muito gostoso de ler, com informações super valiosas. Parece que estavamos ao seu lado na viagem, rs.

Estarei a espera dos próximos posts!

Ah, tava terminando de comentar no seu post de hoje no criative--se e a página simplesmnete sumiu! De qualquer maneira, te desejo tudo de bom!

Bjs!

Débora Fouraux disse... [Responder comentário]

Nossa, o post ficou grande, mas é tão ber ler seus posts que nem dá pra perceber! essa viagem realmente deve ter sido inesquecivel! amei as piramides a noite! Lindass! Beijoss

Bird learning to fly... disse... [Responder comentário]

Katia,

Ai que sonho!!!!!! To aqui babando de inveja :D

Sou loucaaaa por arqueologia egypcia!! Eu passava horas em museus apreciando exposiçoes egypcias quando adolescente (nas horas do almoço!!) e essas fotos estam delumbrantes demais!!! Adorei o fato de vc ter adicionado mais fatos hostoricos, mas a fotos estam tao lindas que passei mais tempo namorando cada uma delas!!! rsrsrs

Especialmente aquela aonde vc esta pertinho da esfinge e da piramide de Quéops! Vc tocou nelas??? Olha a louca perguntando!!!

Ai que vontade que dar de fazer essa viajem! Se Deus quiser eu farei essa viajem dos meus sonhos um dia e ai venho aqui te pedir palpites, ta?! :)

Por sinal vc usou algum guia para pesquisar sobre os lugares antes de ir, ou la na hora mesmo?

Desculpe o texto enoooorme, mas esse post mexeu comigo! :)

Beijoes e obrigada pela viajem virtual maravilhosa :D

Bird learning to fly... disse... [Responder comentário]

Esqueci de dizer que se vc vier, aqui tem lareira quentinha e castanhas na brasa!!! hihihihi

Anônimo disse... [Responder comentário]

Amei o post, q vontade de estar lá também..... Mas a narrativa ficou ótima, cheia de informações e bem ilustrada. Confesso q também imaginava as pirâmides no meio do deserto, cercada de areia, fiquei surpresa ao vê-las tão próximas da cidade.
Já comentei lá no Criative-se a sua saída, mas volto a afirmar q vc fará falta ás quartas -feiras, mas q deve ter sido difícil tomar essa decisão, e q será para melhor né.
bjão.
Fer Lorenzoni

Simone Doscher disse... [Responder comentário]

Estou comovida com seu relato e com sua generosidade em nos passar de forma tão viva sua viagem!! Muito obrigada!! Vc é fonte de inspiração... Um forte abraço

Anônimo disse... [Responder comentário]

OLA
Cada dia que passa fico mais comodista e so de ver as suas fotos ja estou satisfeita e não preciso ir mais la,,,rsrsrs parabéns,pelas informações adorei ,,,ja tive namorado egipcio e tinha vontade de conhecer a terra dele ,o namoro acabou mais ainda pensava ir ate la mas agora a vontade se foi,,mas fiquei satisfeita com fotos e a estória do camelo,,sempre tem os enrolões e é bom a gente se livrar deste tipo de pessoas ,parabens

Beto disse... [Responder comentário]

Olá Katinha!!!!

Que barato essa viagem que está nos proporcionando, e que aula de história antiga, hein?!
Pensava que as pirâmides ficavam muito longe da cidade, foi surpresa pra mim também.
Você confirmou as minhas espectativas quanto a mistura de coisas maravilhosas com a pobreza dos nativos, que se aproveitam de todas as formas de turistas distraídos. São os recursos que eles tem, né?
E como você ilustra bem uma visita, parece que estamos lá, pertinho de você conhecendo tudo.
Muito legal aprender história e turismo com você. rsrsrs
Parabéns!!!

Beijo grande,fique com Deus e que Alá te proteja das maldições!!!! kkkkkkk

Beto.

May disse... [Responder comentário]

Kátia,
Nossa que lindo!! O contrário rsrs, uma hora será regida pelo eu signo e eu pelo seu, sabe disso né!
Beijos ;*

Babi Mello disse... [Responder comentário]

Oi! Katia dei uma olhada nas fotos na primeira vez e agora li o post todo e sacanagem o que fazem com relação aos 1 euro para subir e 10 euros para descer. O cara pedindo dindin porque estava tirando foto é bem ruim, as pirâmides incriveis, deve ter sido uma das melhores coisas que seus olhos viram por lá. E pode mandar muito mais, e não ter liberdade de ir e vir é ruim, mas se faz necessário.
Um dia quem sabe irei ao Egito.
bj!

Família Ramos disse... [Responder comentário]

Olá Katia,

Muito legal as fotos! O Egito é algo realmente fascinante, faz tempo que penso visitá-lo, mas ainda não deu certo. Entretanto, agora ele está no Top 5 de nossa lista de prioridades na categoria "lugares a conhecer". hehehe :)
Realmente uma pena a questão da segurança lá e ficar complicado irmos por conta própria. Eu não gosto muito de excursão etc, mas nesse caso parece que não vou escapar...
12 dias não é um período muito longo para ficar apenas no Egito?

Abraço,
Alessander Laurentino

Alethéa disse... [Responder comentário]

Quanta coisa bonita, diferente! E seu rostinho, ótimo! Abraços.

Nana disse... [Responder comentário]

Querida, eu viajei junto contigo!!!
Essa viagem precisa ser bem guardada para vc contar para os seus netinhos.
bjss

Fabi Carvalhos disse... [Responder comentário]

Katia,
Sabe que estes seus posts das suas aventuras pelo mundo estão me fazendo repensar meu comodismo e escolhas de roteiros de viagem? Sim, pq depois q Sophia nasceu, ela virou desculpa p/ viajar cada vez menos e qd o faço, acabo optando por roteiros próximos. Viajar com criança não é fácil, mas ando pensando em seguir as sugestões de minha irmã, e peo menos uma vez ao ano viajar sozinha com o maridão. Daí posso escolher um roteiro mais interessante e cultural, né? Beijão, Fabi.

Cláudia Ramalho disse... [Responder comentário]

Kátia, sou louca pra conhecer o Egito, mas como eu lhe disse, ainda pretendo conhecer outros destinos mais tradicionais antes.

Amei as fotos e seu astral em todas elas. Nada melhor que uma viagem pra nos renovar, não é???

João Luis Guedes P. Pereira disse... [Responder comentário]

Katinha, nem preciso dizer como sua viagem foi enriquecedora não só pra você, mas também para todos nós leitores, afinal não conheço muitas pessoas que foram ao Egito. Já tinha visto as fotos no orkut e você também já havia contado algumas coisas pessoalmente, mas ver tudo aqui legendado e com todos esses detalhes e dicas é melhor ainda!! Com tanto detalhismo assim, os posts de viagem vão acabar virando referência para os futuros viajantes, e sem dúvida, melhor que o frommers, pois duvido que haja tanta foto e particularidade assim lá. Parabéns!! bjs!!

Lucila Zahran Turqueto disse... [Responder comentário]

Oi Kátia, acho que nem vou mais ler o caderno de Viagem do Estadão. Estou adorando isso aqui! rssss Bjs

Rodrigo Esteves disse... [Responder comentário]

Realmente deve ter sido uma viagem maravilhosa, eu nunca teria imaginado que as pirâmides ficassem tão perto da cidade, é essa história de pagar para descer e uma grande avacalhação, sorte que tinham um guia gente boa...

Kandis Design disse... [Responder comentário]

que chique!

Joaninha Bacana disse... [Responder comentário]

Odeeeeio vôo atrasado, odeeeeio ter que esperar em aeroporto, odeeeeio nao saber se o vôo sai ou nao sai. Mas adoro viajar, entao tem que agüentar, né? :-)
Lindas, lindas, lindas as fotos do interior das mesquitas, uau!!! Tao de tirar o fôlego!
E, que emocao ver as piramides ali, pertinho! Muito, muito show!
A pirâmide de degraus de Djoser parece um bolo de aniversário, nao? :-)
Tô adorando o relato, dá impressao que a gente está viajando junto com voce :-)))
Beijos, Angie

Yoyo Pizy disse... [Responder comentário]

Olá menina,
Encontrei seu blog no google, pesquisando Patagônia e amei tudo por aqui!Inclusive já estou seguindo pois, vejo que temos muitas coisas em comum, especialmanete o gosto pelas viagens.
Estive na Patagônia em Novembro último e tb fiz muias fotos(viajei por toda a Argentina)
Se quiser dá uma olhadinha no meu blog de viagem será um prazer.
Abraços
Yoyo
http://aerrantecaminhante.blogspot.com/

Lidiane Vasconcelos disse... [Responder comentário]

Kátia, como você, eu também imaginava que as pirâmides do Egito ficavam no meio do nada. Agora sei que não. É blogando que se aprende! ;)
Cruzes! Fiquei passada de saber da tática maldosa dos nativos no golpe dos camelos. Preciso me lembrar disso quando, um dia, for ao Egito. Humpf! :(
Em tempo: o post ficou longo? Pois quando acabei pensei: já?! Pois é, fiquei com gosto de quero mais...

Aline Amthor disse... [Responder comentário]

Nossa Katia.. até mostrei os posts do Egito parte 1 e 2 para meu marido, traduzi e tudo mais... muito interessante... nós também ficamos boquiabertos crentes que as piramides eram no meio do nada... kkk que curioso!
Bacana seu guia em alertar vocês em relação a malandragem dos donos dos camelos... gente safada...
Vocês tiveram algum problema com a comida? Minha tia ficou mal no egito... comeu alguma coisa estragada. E vc viu baratas? Ratos? Minha tia stava tranquila num restaurante almoçando, quando foi surpreendida com uma baraTONA em cima da mesa.. o garçom foi na maior tranquilidade matou a barata com a mão, em cima da MESA...
Nem quis te contar isso antes...
Beijos

RodrigoFx disse... [Responder comentário]

Olá amiga, estava pesquisando algumas imagens desse lugar maravilhoso e acabei achando seu blog.
Tbm vou ao Egito em Junho 2010, e quero umas dicas de como se virar por lá, os lugares onde ir, onde visitar alem da maravilhosas Piramides e tudo mais.
Vou passar meu msn, me add e vamos bater um papo blz, parabenssss pelo blog, bjsss

Msn: gasparino_78@hotmail.com

Isabela disse... [Responder comentário]

Oi Kátia,
adoro o seu blog!
vou em setembro para o egito com duas amigas e terei uma tarde livre no Cairo. O que vc acha de irem 3 mulheres ao mercado Khan El Khalili? é viável?
bjks e obrigada

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

Oi, Isabela!!!! Obrigadíssima pela mensagem e elogio! O mercado é bem interessante e uma das maiores atrações turísticas do Cairo. Acho que vale a pena ir sim, mas o conselho que te dou é não se afastar das amigas porque os egípcios realmente podem ser abusados e inconvenientes. Uma menina que conhecemos e estava com a mãe disse que um vendedor tentou apalpá-la e ela ficou tão sem graça que fingiu não perceber. Mas isso é o máximo que pode acontecer, em termos de perigo de roubo, acho que é mais tranquilo, mas mesmo assim, é bom ficar de olho na bolsa o tempo todo! Um grande beijo, seja sempre muito bem-vinda e faça ótima viagem!!!

Related Posts with Thumbnails