segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Resumão das férias na Índia – Parte 5: Varanasi

20140520-021

As ghats: escadarias típicas de Varanasi

20140520-016

DSC_0201

Barquinhos colorindo o rio Ganges

20140520-040

Cenas do cotidiano

O trem de Khajuraho para Varanasi atrasou mais de duas horas. Saímos da estação em direção a um guichê de tuk-tuks pré-pagos, um dos bons conselhos que recebemos. É altamente recomendável fechar o preço antes e manter seu comprovante de pagamento até o final da corrida, entregando o papel ao motorista somente depois que ele te deixar no local combinado.

Mesmo nos garantindo dessa maneira, junto do nosso motorista havia outro cara e sentimos um cheirinho de armadilha no ar. Não deu outra, como vocês podem conferir no relato do Marcelo:

“Primeiro o cara veio com uma historinha de que era melhor eu ficar no hotel tal, que tinha isso e aquilo. Falei que não, que tinha reserva já paga. Ele então parou num ponto e falou que o resto teríamos de ir a pé com ele até o hotel. Essa era a informação que eu tinha, de que os tuk-tuks não chegam até o hotel. Só que eu tinha informação de que meu hotel tinha vista para o rio, e ali não tinha rio algum. Estranho. O cara falou que me acompanharia até o hotel, que era para um ir e outro (a Katia) ficar no tuk-tuk esperando. Até parece! Fomos os dois seguindo o motorista pelas ruelas. Quando chegamos no que ele disse que era o hotel, vimos que era tentativa de armadilha. Era claro que não era aquele. Ainda tentaram jogar outras armadilhas manjadas (“Ganges View is busy!”). Recusei todas e falei para ele nos levar ao Assi Ghat, que era onde ficava nosso hotel”.

Pra vocês verem, mesmo tendo combinado o preço e fornecido o endereço certinho do hotel que havíamos reservado, o cara tentou nos convencer a trocar de hotel pra ficar no que ele estava recomendando a fim de ganhar uma comissão. Quando recusamos, ele disse que o nosso hotel estava cheio e que não havia mais quartos disponíveis. Como ele podia saber disso? Depois ainda tentou nos deixar em frente a um hotel com outro nome, mas nos recusamos a descer. Finalmente, o Marcelo teve a ideia de pedir que ele nos deixasse no Assi Ghat, a referência que tínhamos, e assim chegamos ao local desejado. Foi uma experiência irritante e desagradável. Saí do tuk-tuk bem chateada, caminhamos um pouco e logo encontramos o hotel.

Taí um bom exemplo do motivo pelo qual recomenda-se só entregar o recibo para o motorista quando você chegar ao seu destino. Ele precisa levar esse papel de volta ao guichê para receber o valor da corrida. Se você entregar antes, corre o risco de ficar no meio do caminho. Infelizmente, na Índia nosso desconfiômetro precisava estar sempre ligado. Antes de viajar, lemos todas as armadilhas para turistas listadas no guia LONELY PLANET, entre outras fontes de informação. Gente, tem tanta malandragem na Índia que cada capítulo do livro possuía um box com uma lista das picaretagens mais comuns. Eu lia todas, é claro! Num dos exemplos, justamente em Varanasi, o alerta era sobre os motoristas de tuk-tuk que tentam te levar ao hotel errado, dizendo que o hotel que você reservou pegou fogo na noite anterior. Não foi muito diferente do que aconteceu com a gente. É surreal, mas é sério! Os caras são extremamente criativos e mentem descaradamente. Fica aqui a dica!

20140520-067

Localizada às margens do rio Ganges, Varanasi tem mais de 3 milhões de habitantes e é uma das cidades mais antigas do mundo continuamente povoadas, adorada pelos indianos por ser o local mais sagrado do hinduísmo. Muitos consideram que a cidade representa a Índia em estado bruto, onde todas as mazelas do país aparecem superlativadas. É também o lugar no qual a religiosidade é expressa da forma mais profunda e mística, tanto que vários indianos acreditam que quem morre em Varanasi não precisa mais reencarnar.

20140521-430

Um dos desejos mais íntimos de um hindu tradicional consiste em passar os seus últimos dias de vida num ashram em Varanasi, entoando cânticos, arrependendo-se dos seus pecados e, finalmente, sendo cremado na praça pública desta cidade sagrada, culminando todo o ritual com o atirar das suas cinzas ao Ganges*.

20140520-071

Deixamos a bagagem no hotel e comemos alguma coisa num restaurante próximo antes de começar a passear pelas ghats da cidade velha, essas escadarias íngremes que desembocam no rio e que representam a alma da cidade. São quase 100 no total.

20140520-025

Cada uma dessas escadarias possui um significado e muitos dos prédios antigos que as marginam pertenceram a famílias tradicionais indianas. A vida pública da cidade acontece nas ghats, onde vimos indianos rezando, praticando ioga, lavando roupa, tomando banho e escovando os dentes, entre outras atividades.

20140520-035 20140520-065

Além das vacas, vimos muitos búfalos em Varanasi. Alguns caminhavam tranquilamente pelas ghats, enquanto outros se refrescavam no rio e eram lavados por seus donos. As vacas estavam mesmo em todos os lugares, inclusive na varanda de um apartamento!!!! Não sei como o bichinho foi parar lá, rs! Também avistamos muitos macacos, mas eles preferiam ficar nas partes mais altas, pulando de um prédio para o outro.

20140520-048

As estátuas de divindades indianas podem ser vistas em diversos pontos da cidade, como no pequeno templo da foto acima.

20140520-043

20140520-057

Há vários prédios antigos dotados de fachadas imponentes com rebuscados elementos decorativos margeando o rio, mas infelizmente seu estado de conservação é muito ruim.

20140520-053

Os indianos de Varanasi fazem diariamente uma cerimônia em homenagem ao rio Ganges, conhecida como Ganga Aarti.  O evento acontece pouco depois do pôr-do-sol, por volta das sete horas da noite, na ghat Dasaswamedh.

20140520-079

Chegamos à ghat no final da tarde e tivemos a oportunidade de ver o início dos preparativos para a cerimônia daquele dia.

20140520-077

Encontramos um bom lugar ao lado da escadaria principal e lá ficamos para assistir ao evento.

20140520-110

Aos poucos, o pessoal começou a chegar e procurar um lugar na escadaria principal.

20140520-106

Do nosso “camarote” podíamos observar a movimentação e avistamos um casal de noivos entre os fiéis. Aproveitamos a oportunidade para registrar seus belos trajes. Mais tarde, no restaurante onde jantamos, o garçom nos contou que estávamos na alta temporada de casamentos em Varanasi

20140520-124

Os turistas assistem à cerimônia sentados nas escadarias ou dentro de barcos, que podem ser particulares ou coletivos. A maioria dos indianos parece preferir os barcos coletivos, bem mais baratos; enquanto os estrangeiros normalmente alugam um barco só pra eles.

20140520-127

Para os indianos, é o momento de agradecer ao rio sagrado. O evento tem duração de uma hora, aproximadamente, e o belo espetáculo inclui mantras, músicas, danças, fogo, fumaça, incenso, flores e muita espiritualidade.

DSC_0303

Os fiéis lançam várias velas ao rio, o qual acreditam que desaguou diretamente do céu para a Terra como um presente divino.

Depois da cerimônia, voltamos caminhando para o hotel. O trajeto era longo e pouco iluminado, mas parecia tranquilo. Durante o percurso, algumas figuras obscuras nos ofereceram drogas, principalmente o haxixe. O álcool é estritamente proibido nas proximidades do rio e é por isso que as grandes redes de hotelaria ficam em outra parte da cidade. Alguns restaurantes oferecem um cardápio 100% vegetariano e isso significa que a comida não leva nem alho e cebola, alimentos proibidos pelos jainistas.

20140521-008

No dia seguinte, acordamos por volta das quatro horas da manhã para poder ver o nascer do sol dentro de um barco. É um programa imperdível em Varanasi! Nosso barqueiro era muito simpático, falava pouco e nos cobrou um preço justo.

DSC_0331

A poluição da cidade faz com que o sol apareça bem definido e redondinho no horizonte. Acho que isso favore os registros desse belo espetáculo natural.

20140522-003

As luzes noturnas ainda estavam acesas quando começamos a fazer o passeio.

20140521-052

O barqueiro remava lentamente e ia nos contando um pouco da história da cidade e do cotidiano de seus habitantes, enquanto apreciávamos a paisagem.

20140521-025

Foi interessante ver de outro ângulo os lugares por onde passamos no dia anterior. E também foi muito mais tranquilo porque não havia vendedores, guias ou gurus nos assediando.

20140521-029

Algumas construções antigas são muito bonitas, mas como mencionei anteriormente, estão desgastadas e mal conservadas. É uma pena!

20140521-058

DSC_0509

20140521-272

A rotina começa bem cedo em Varanasi e, por volta das cinco horas da manhã, as ghats já estavam cheias de gente fazendo oferendas, rezando, meditando ou simplesmente aproveitando a temperatura ainda amena para tomar um banho de rio.

20140521-182

A cidade, que já exibe uma profusão de cores naturalmente, fica ainda mais colorida quando os barcos começam a circular pelo rio e as mulheres se aproximam das ghats com seus saris exuberantes.

20140521-176

A movimentação é maior perto da ghat Dasaswamedh, o mesmo local onde acontece a cerimônia noturna.

20140521-145

A ghat Manikarnika fica ali do lado, é o principal crematório de Varanasi e funciona ininterruptamente 24 horas por dia. A qualquer momento é possível ver corpos sendo cremados em fogueiras a céu aberto, envoltos em tecidos coloridos. Em seguida, as cinzas são jogadas no Ganges. Os funerais não podem ser fotografados em respeito às famílias dos mortos e burlar essa regra é considerada uma grande falta de respeito. Por esse motivo, não fizemos registros dessa ghat ou de outras que tinham a mesma finalidade.

20140521-161

Algumas famílias não têm dinheiro para pagar a cremação e, sendo assim, muitas vezes os parentes atiram os corpos dos defuntos diretamente no rio ou nas fogueiras já acesas. Nem sempre os cadáveres são queimados por completo e por isso é possível avistar membros boiando no rio, imagem que choca alguns visitantes. Felizmente, tivemos a sorte de não presenciar essa cena.

20140522-087

Grupo entoando cânticos em homenagem ao Ganges

20140522-167

De dentro do barco, pudemos observar sem pressa o cotidiano da cidade e fotografar alguns indianos seguindo sua rotina. Vimos de tudo um pouco: fiéis fazendo orações, pessoas meditando, outras tomando banho, crianças brincando, mulheres lavando roupa etc., conforme vocês podem conferir nas imagens a seguir.

20140521-113

20140521-333
DSC_0610

20140522-120

20140521-240

20140522-085

20140522-112

Pelos relatos que li, acho que o que mais choca os visitantes é a questão da falta de higiene. No meu caso, fiquei incomodada ao ver as pessoas bebendo aquela água imunda, outras escovando os dentes e lavando suas roupas naquele esgotão. Aliás, o esgoto sem tratamento desemboca diretamente no rio e assim suas águas são misturadas a fezes, comida podre, restos de corpos de pessoas e animais em decomposição etc. Sei que é uma questão cultural, mas as cenas não deixam de ser perturbadoras aos nossos olhos ocidentais.

20140521-366

Depois do passeio de barco, voltamos ao hotel para tomar o café da manhã e seguimos para mais uma longa caminhada pelas ghats, indo até a última que nos pareceu razoavelmente movimentada (Panchganga).

20140521-398 20140521-387

O tempo estava esquentando e durante o percurso precisamos dizer vários “nãos” a vendedores sem noção, barqueiros e garotos que se diziam estudantes, mas que ao final da conversa se revelavam guias ou donos de loja. Pra mim, Varanasi foi o auge da “encheção de saco” na Índia. Não podíamos caminhar 10 metros sem que alguém se aproximasse tentando insistentemente nos vender alguma coisa. Há poucos estrangeiros visitando o país no verão e por isso viramos um para-raios. Foi cansativo, desgastante e senti que o assédio constante drenava a minha energia.

20140521-353

A imagem acima foi o flagrante da tentativa de tirar uma foto tranquilamente, quando fui interrompida por uma vendedora.

Num desses episódios desagradáveis, um garoto esperto e com inglês fluente tentou nos vender uma vela para oferecer ao Ganges. O “precinho camarada” equivalia a 40 reais!!!! Nós não estávamos interessados em comprar nada e recusamos a oferta do início ao fim, mesmo ele tendo baixado o preço para 40 centavos. Quando percebeu que sua insistência não ia dar em nada, o garoto rogou uma praga pro Marcelo: “Má sorte pra você, pra sua família, pros seus amigos e que você morra!”. Detalhe: em nenhum momento fomos grosseiros, pelo contrário. Recusamos as ofertas com um sorriso no rosto o tempo inteiro. Foi uma pena porque o garoto tinha muito potencial, infelizmente lapidado na escola da malandragem.

20140521-363

Passada a chateação, seguimos nosso caminho e aproveitamos para registrar algumas curiosidades, como os banheiros públicos da foto acima. O feminino era protegido e decorado com pinturas, enquanto o masculino era ao ar livre!

20140521-349

Havia várias ilustrações enfeitando os muros da cidade velha e, conforme ouvimos de um indiano, a maioria tinha sido feita por estrangeiros em visita a Varanasi.

20140520-033

20140521-401

Esses presentes dos gringos convivem lado a lado com as imagens dos deuses indianos e outros seres místicos.

20140521-422

Continuamos nossa caminhada pelas ruelas estreitas da cidade velha, onde disputamos o espaço com vacas e motoqueiros. Foi lá que consegui comprar três lenços e um cabideiro com desenhos de elefantinhos que mostrei NESSE POST. Felizmente as lojas tinham preços fixos e não houve insistência por parte dos vendedores. Um verdadeiro oásis de tranquilidade que eu não esperava encontrar na cidade! E aí sim, abri a carteira com satisfação.

20140521-411

Paramos no badalado BLUE LASSI SHOP, recomendado pelo guia LONELY PLANET. A bebida/sobremesa feita com iogurte e frutas frescas é muito saborosa e cuidadosamente preparada, o que faz com que o atendimento seja lento.

20140521-409

A guloseima farta chegou dentro de um pote de cerâmica e, enquanto esperávamos, o dono da loja conversou conosco e mostrou um painel cheio de assinaturas, bilhetinhos, desenhos e fotos de estrangeiros que passaram por lá.

Não entramos no templo que fica ali perto porque havia uma fila enorme. No pico do calor de 45 graus, lá pelo meio-dia, fomos para Manikarnika, o crematório principal. Era mais uma tentativa de observarmos o ritual de dentro da própria ghat sem sermos incomodados. Deu certo, a alta temperatura espantou os vendedores. Os corpos chegavam cobertos, eram banhados no rio e levados à fogueira. Depois de observar em paz e durante o tempo que quisemos, retornamos ao hotel e tiramos uma soneca. Acordamos no meio da tarde e fomos tomar chá no terraço do hotel com vista para o Ganges.

20140521-435

No fim da tarde, voltamos às ghats principais e quando bateu a fome, fomos procurar um restaurante recomendado, o KESHARI, que fica nas ruelas da cidade velha. Existe o original e o plágio descarado, que fica lá perto. Fomos no original, descrito como “podrão indiano” com boa comida a um bom preço. Pedimos um veg thali, como de costume, e saboreamos mais uma refeição vegetariana deliciosa… ai, que saudades!!!!

Na volta ao hotel, descobrimos que a AIR INDIA havia cancelado o nosso voo e teríamos que fazer outra reserva para o próximo destino: Katmandu, no Nepal. Foi um balde de água fria que se revelou uma benção porque eu estava doida pra partir de Varanasi! Não me interpretem mal, eu gostei da experiência de observar o cotidiano de uma cidade tão importante para os indianos e o estilo de vida de seus moradores, o que é culturalmente interessantíssimo. Mas a cidade em si não me cativou. Seria diferente se tivéssemos a intenção de ficar num ashram ou fazer algum curso, mas não foi o caso. Resolvemos a situação reservando um voo mais cedo que faria conexão em Delhi. Perfeito, menos uma noite e menos uma diária em Varanasi. Pra completar meu pensamento, li opiniões divergentes sobre a quantidade de tempo recomendada para ficar em Varanasi. Na minha visão, acho que um dia é suficiente, mas o nascer do sol e a cerimônia Ganga Aarti são imperdíveis e não é à toa que constituem as principais atrações locais. Então talvez seja melhor pernoitar na cidade, acordar cedo para passear de barco, assistir ao evento à noite, pernoitar novamente e depois seguir viagem.

Resolvido o problema, no dia seguinte tomamos o café da manhã, fizemos o check-out e fomos procurar um jeito de conhecer Sarnath, o local onde Buda proferiu seus primeiros sermões sobre o darma.

20140522-17320140522-178

Passamos primeiro no templo budista Mulagandha Kuti Vihara, que possui belas pinturas em seu interior.

20140522-197

Estupa Dhamek

20140522-200

Ruínas de Sarnath

Em seguida, visitamos a atração principal de Sarnath, que é a estupa Dhamek e as ruínas de um monastério. A estupa tem 34 metros e toda a área de visitação é muito organizada e limpa.

20140522-193

Turistas indianos simpáticos que conhecemos em Sarnath

No começo da tarde, partimos para o aeroporto. Como de costume, houve várias checagens antes do embarque. Até para entrar no aeroporto você precisa mostrar o passaporte e a passagem. Dormimos em Delhi e acordamos no meio da madrugada para embarcar num voo rumo ao Nepal.

Um grande beijo pra todos com votos de uma semana animada!!!!

*Fontes:
http://www.mochileiros.com/india-e-nepal-20-dias-t99794-15.html#p989803
http://www.aproximaviagem.pt/n8/10_varanasi.html
http://viajeaqui.abril.com.br/cidades/india-varanasi
http://www.360meridianos.com/2012/04/varanasi-cidade-sagrada-india.html 

Bonfa-ass

16 comentários:

Cintia Fumagalli disse... [Responder comentário]

Oi Kátia !
Toda vez que leio uma das postagens sobre essa sua viagem ... nossa, cada vez me convenço mais que a Índia não vai me ver nunca nessa vida !
Nem pelas coisas que voce fez parecer razoáveis ... não mesmo!...rs
Horrível, coitado do rio onde todo o país lava tudo todos os dias ... por certo é um rio morto ou quase isso.
beijo e boa semana.

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Cintia FumagalliCintia, realmente a Índia não é pra todo mundo, ainda mais nesse nosso esquema de viagem mochileira, sem excursão nem a proteção de hotéis de luxo, rs! Os amigos que viajaram de excursão ficaram protegidos de algumas chateações, se hospedaram em bons hotéis e passaram menos tempo no país. Os monumentos, fortes, mesquitas, templos etc. são lindos, é uma experiência única visitar esses lugares fascinantes! Mas tem todo o outro lado da pobreza, falta de higiene, infraestrutura,ratos, baratas, a malandragem e o charlatanismo. Nem todo mundo consegue relevar essa parte para aproveitar as belezas do país e eu entendo perfeitamente. Não é fácil, mas guardei boas lembranças dessa viagem, apesar dos perrengues, rs! Um super beijo!

Débora Lauton disse... [Responder comentário]

Oi Katia,

Adorei acompanhar seus relatos da viagem, foi muito legal ver a India pelos olhos de vocês, fiquei doida para conhecer os templos que são lindos, mas essa malandragem me desanima e a falta de higiene com certeza me incomodaria, fico imaginando as pessoas usando a água do Ganges num calor de mais de 40°... ainda bem que não chegaram a se deparar com corpos no rio... deve ser uma cena bem forte pra nós!!

beijos,

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Débora LautonOi, Débora! Te entendo perfeitamente e por isso acho que é importantíssimo ler a respeito do país antes de embarcar numa viagem como essa. A Índia é cheia de contrastes e é muito comum as pessoas voltarem de lá com sentimentos de amor e ódio. O essencial é ter a mente aberta, tentar não se chatear com os imprevistos e "entrar no clima", o que não inclui um banho no Ganges! Não recomendo essa aventura, rs! Ainda faltam dois relatos dessa viagem porque voltamos do Nepal para conhecer outras duas cidades indianas. Uma delas foi AMRITSAR, onde tem o templo mais lindo que já vi e onde os vendedores não nos incomodaram de jeito nenhum. Nem parecia que estávamos na Índia! Um super beijo e obrigada pelo comentário!

Gabriela Rodrigues disse... [Responder comentário]

Oi Bonfa!

Com certeza só vou pra Índia com excursão ou com vcs....rsrs....
Vc sabe que tenho muita vontade de conhecer o Taj Mahal e outros templos...Tbm tenho curiosidade de passar por esses locais que vc passou, mas ver esse esgotão e as pessoas tomando dessa água, se banhando e de "brinde" vermos um pedacinho de corpo boiando...ah, não estou pronta não!!! kkkk...

beijos!!!

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Gabriela RodriguesOi, Gábi! Não fica assustada com meus relatps não, rs! Eu acho que de excursão dá pra deixar de ver muita coisa que não precisa ser vista. Os hotéis de 4 e 5 estrelas ficam longe do rio Ganges e parece que são bem confortáveis e luxuosos. Pelo que pesquisei, normalmente o pessoal chega à noite pra ver a cerimônia, acorda cedo pra ver o nascer do sol e circula um pouco por Varanasi, que está sempre no roteiro pela sua importância religiosa e cultural. De excursão, não acredito que você passaria muito tempo na cidade, mas há sempre o risco de ver um corpo boiando, isso não tem jeito. Um beijão!!!!!

Simone Medeiros disse... [Responder comentário]

A Índia está nas minhas viagens pretendidas, mas a cada post seu, coloco outra viagem na frente, rsrsrs... Brincadeiras a parte, obrigada por compartilhar o seu olhar conosco!!!

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Simone MedeirosSimone, estou me sentindo culpada, rs! Nossa experiência mochileira teve alguns percalços mesmo, mas uma amiga voltou agora da Índia e ficou maravilhada com tudo. Ela foi num esquema muito mais confortável, ficou em hotéis 5 estrelas e contratou motorista e guia particular. Dá pra viajar com tranquilidade. E eu mesma, depois dessa experiência na Índia, decidi que vou fazer um upgrade numa próxima aventura na Ásia, rs! Duas amigas foram à Tailândia no mesmo esquema mochileiro pão-duro que eu e disseram que os vendedores e guias são parecidos ou piores. Aí fiquei com medo de encarar de novo, rs! Mas acho que toda viagem vale a pena, é só encontrar um pacote que se encaixe no seu estilo! Um beijão!

Blog Dona Ingrid disse... [Responder comentário]

Oi Bonfa!
adoro os seus relatos!
é meio estranho pensar que um povo que se diz tão espiritualizado seja tão malandro, né?!
Eu tenho vontade de conhecer a India pra ver esse choque de cultura, mas antes ainda tem muito país na frente!

Lívia Carolina disse... [Responder comentário]

Oi Katia!
Adoro suas fotos e posts de viagem! Sempre venho aqui pra ver suas viagens - uso como fonte de pesquisa pra escolher os lugares que gostaria de conhecer!

Apesar de adorar seu relato, definitivamente a Índia não é pra mim...
Não tem problema com viagem no estilo mochilão, mas não conseguiria nesse país! rs

Bjo

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Blog Dona IngridMenina, pensei nisso também! Existe muita gente séria na Índia, mas a gente também encontra muito charlatão! Não tem jeito, acho que é assim em todo lugar. Aqui no Brasil mesmo a gente vê pessoas que se dizem religiosas fazendo cada barbaridade, né? Já não me surpreendo com nada, rs! Um beijão!

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Lívia CarolinaLívia, realmente é muito diferente fazer mochilão na Índia e em países mais desenvolvidos, onde os horários de trem são respeitados, as informações são confiáveis e, em geral, as coisas funcionam, rs! Um beijão!

Taís disse... [Responder comentário]

Oi Katia!
Acabei de ler seus posts da Índia e que lugar de tirar o fôlego! Suas fotos são simplesmente maravilhosas, conseguem mostrar tanto cotidiano dos indianos quanto os principais pontos que um viajante deseja visitar e com as suas descrições até parece que estamos vivenciando a experiência juntas!!
Quais horários vocês costumavam ir aos pontos turísticos, pelas fotos os pontos estão sempre super vazios passando um ar de traquilidade, sossego. E qual câmera vocês usam que tem esta definição impecável e consegue capturar as cores vibrantes da Índia?
Parabéns pelo trabalho!!!
Beijos!

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@TaísOi, Taís!!!! Muito obrigada pelos elogios, gentileza e carinho! A Índia é um lugar muito fotogênico e cheio de contrastes! A gente viajou em maio, quando é muuuito quente. É baixíssima temporada e por isso os lugares não estão cheios. A câmera que uso é uma NIKON D3200 e também uso o Photoshop pra ajustar brilho, contraste, nitidez e cor das fotos. Mas a série de posts da Índia ainda não acabou, rs! Fomos pro Nepal e depois voltamos pra Amritsar e Mc Leod Ganj. Espero poder terminar esses relatos no início do ano! Um beijão e seja sempre muito bem-vinda!

Caracol Viagens disse... [Responder comentário]

Oi Bonfa!

Adoro seus textos. Como é o nome do hotel que vocês ficaram em Varanasi?

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

@Caracol ViagensOlá! Puxa, não lembro, mas sei que a gente se decepcionou e ficava perto do Ganges. Beijão!

Related Posts with Thumbnails