sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Viagem ao Egito – Parte IV: Templos de Luxor e Assuã

Luxor é uma cidade pequena, embora seja uma das principais do Egito. Seu maior patrimônio são os os templos de Luxor e de Karnak, ambos muito bem conservados. Nessa região também encontram-se os templos de Hatschepsut e os Vales dos Reis e das Rainhas.

O Nilo separa Luxor em duas partes: a margem oriental, antes dedicada aos vivos, onde encontramos os vestígios dos mais importantes templos consagrados aos deuses da mitologia egípcia, e a margem ocidental, a Tebas Oeste, dedicada aos mortos, onde se localizam algumas das mais importantes necrópoles do antigo Egito.

Templo de Hatshepsut

A primeira visita que fizemos ao chegar a Luxor foi ao Templo de Hatshepsut. A construção é incrustada nas rochas e parece ficar no meio do nada, tem três andares e terraços repletos de colunas. A arquitetura difere da comumente vista em monumentos faraônicos e aproxima-se mais do estilo neoclássico europeu.

Pela história de sua faraó (a única do Egito) já vale a pena uma visita. A história da Rainha Hatshepsut é bem curiosa. Indo contra tudo e todos ela conseguiu subir ao poder e se consolidar como faraó absoluta. Além disso, seu reinado, de cerca de vinte e dois anos, corresponde a uma era de prosperidade econômica e relativo clima de paz.

Filha de Tutmosis I e da rainha Ahmose, como era comum nas famílias reais do Egito Antigo, Hatshepsut casou-se com seu meio-irmão, Tutmosis II, que tinha um filho de outra mulher. Quando Tutmosis II morreu, em 1479 a.C., seu filho, Tutmosis III, foi nomeado para o trono. Mas Hatshepsut tornou-se regente porque o herdeiro era criança.

Hatshepsut morreu em 1458 a.C., quando Tutmosis III liderou uma revolta para reaver seu trono faraônico. Por esta razão as pinturas da rainha faraó foram danificadas.

O templo é dividido em duas rampas: a primeira leva ao terraço mais alto, que é um pátio decorado com estatuetas de Osíris, que pertenceram a rainha. Muitas dessas estatuetas foram destruídas por Tutmosis III.

Infelizmente foi também neste templo que aconteceu o macabro massacre de Luxor em 1997. Eu não quis colocar essa história aqui porque acho pesada demais. Lembro que, na época, já tinha o sonho de conhecer o Egito algum dia, mas fiquei tão chocada com a brutalidade e crueldade do ataque terrorista, que nunca consegui esquecer esse episódio. Entretanto, antes de viajar, lá fui eu, curiosa como sempre, pesquisar como e porque tudo aconteceu e encontrei essa matéria antiga da revista Veja.

Aqui estou posando em frente ao templo de Hatshepsut, onde notam-se as estátuas de Osíris decorando o pátio do andar superior.

E na foto acima, fazendo uma outra pose nada criativa em frente a uma dessas estátuas.

No andar superior do templo, fotografei essa estátua da deusa Hator, que é uma das mais veneradas do Egito Antigo, sendo a deusa das mulheres, dos céus, do amor, da alegria, do vinho, da dança, da fertilidade e da necrópole de Tebas, pois sai da falésia para acolher os mortos e velar os túmulos. Achei curiosas as formas através das quais a deusa é representada, como por exemplo:

  • como uma mulher com chifres na cabeça portando o disco solar;
  • como uma mulher com orelhas de vaca;
  • como uma mulher com cabeça de vaca portando o disco solar;
  • como uma vaca, com disco solar e duas plumas entre os chifres.

Às vezes é retratada por um rosto de mulher visto de frente e provido de orelhas de vaca, a cabeleira separada em duas abas com as extremidades enroladas.

Muitos templos egípcios impressionam pela conservação das cores das pinturas. O clima seco do deserto é um dos grandes responsáveis por possibilitar essa incrível preservação.

Reparem na pintura que parece representar um céu estrelado no teto da construção!

Templo de Luxor

O templo de Luxor merece ser visitado à noite. A iluminação especial faz com que a visita se torne ainda mais mágica e mística. O templo possuía originalmente dois obeliscos em sua entrada. O segundo deles está na Place de La Concorde, em Paris.

Este complexo tem marcas registradas de vários faraós chegando até a época de Alexandre o grande. Por volta do século II, o templo foi ocupado pelos romanos, mas foi sendo abandonado gradualmente.

Enormes estátuas guardam a entrada do templo.

O templo de Luxor foi coberto pelas areias do deserto, até que em 1881 o arqueólogo Gaston Maspero o redescobriu e percebeu que se encontrava muito bem conservado. Para iniciar a escavação, a vila que tinha crescido perto do templo teve de ser retirada, apenas permanecendo uma mesquita, construída pelos árabes no século XIII.

Esse é o único monumento do mundo que contém em si mesmo referências das épocas faraônica, greco-romana, copta e islâmica, com nichos e frescos coptas e até a Mesquita Abu al-Haggag (Foto acima).

Reparem como as colunas acima estão bem preservadas!

Foto noturna meio tremida onde dá pra ter uma ideia da extensão do templo e da altura das colunas.

Detalhe impressionante de imagem esculpida em alto-relevo.

Na entrada do templo há um caminho margeado por esfinges que ficam iluminadas à noite formando um lindo conjunto.


Este caminho de mais ou menos 3 km de extensão ligava o templo de Luxor ao Templo de karnak, mas hoje só existem alguns trechos.

Templo de Karnak

No dia seguinte, bem cedo pela manhã, conhecemos o Templo de Karnak, maior dos templos do antigo Egito cujos vestígios chegaram até nós. Foi dedicado à tríade divina de Amon, Mut e Khonshu e foi sucessivamente aumentado pelos diversos faraós, tendo levado mais de mil anos para ser construído. Constitui uma mescla de vários templos fundidos num só.

O obelisco da Rainha Hatshespsut tem 32 metros!!! Confesso que os pés ali do lado direito me lembraram a série LOST, da qual sou fã… será que a inspiração veio daqui? Estou pensando nas ruínas que aparecem em uma das ilhas fictícias, mas aquelas tem pés com quatro dedos, o que não é o caso...

O seu grande destaque é a Grande Sala Hipostila, cujo teto era suportado por 134 enormes colunas, ainda atualmente existentes, e consideradas como sendo as maiores do mundo. Observem essas grandes pilastras cheias de relevos super trabalhados. Impressionante, não?

Mas eu acho ainda mais impressionante quando você humaniza a fotografia inserindo uma pessoa (no caso, eu) para ter a real dimensão da imensidão dessas estruturas. Tudo no templo é superlativo: seriam necessárias seis pessoas com os braços esticados para poder abraçar uma dessas colunas.

Ficamos surpresos ao descobrir que esfinges também podem ter corpo de leão, cabeça de carneiro e barba representando a figura de um faraó.

Fui pesquisar a origem dessa forma e descobri o seguinte: Amon era o grande deus de Tebas, de origem incerta. Seu nome significa O Oculto. Originariamente talvez tenha sido uma divindade do ar e do vento, mas posteriormente adquiriu fisionomia própria. Era representado como um homem barbado, usando na cabeça uma touca encimada por duas longas plumas, às vezes com o membro sexual ereto, o que sublinhava suas faculdades generativas, empunhando na mão direita erguida um cetro em forma de látego. Seus animais sagrados eram o carneiro de chifres curvos e o ganso. Seu santuário principal ficava em Tebas, no Alto Egito, e até hoje podemos admirar as esfinges da avenida das procissões do templo de Amon em Karnak, com seus corpos de leão e cabeças de carneiro. Entre as patas as esfinges têm uma estátua da divindade ou do faraó, protegendo-os de influências maléficas.

Entre uma visita e outra, voltávamos ao barco para navegar pelo rio Nilo (de Luxor à Assuã) e admirar suas belas paisagens, além de descansar um pouco na cabine que mais parecia um quarto de hotel, nos refrescarmos com algumas garrafinhas de Stella geladas e admirar a piscina com hidromassagem. Infelizmente, não cogitei a possibilidade de levar roupa de banho e tive que me contentar em ficar de fora dela…

Lembram do primeiro post da saga “Viagem ao Egito”, quando comentei sobre a insistência exaustiva dos vendedores locais? Pois é, nessa foto dá pra entender bem até que ponto os caras são persistentes. Em um determinado lugar, alguns vendedores chegaram bem próximos ao barco onde estávamos e de dentro de seus pequenos barquinhos, jogavam túnicas, pashminas, sandálias, colares e amuletos embalados em sacos plásticos que caíam aos nossos pés! Eles ficavam negociando os preços das peças lá de baixo e, caso o turista optasse pela compra, este deveria usar o saco plástico para colocar o valor acordado em dinheiro e jogá-lo em direção ao vendedor.


Templo de Edfu

Um dos mais belos e mais bem conservados templos do Egito Antigo é o Templo de Hórus, em Edfu, situado a certa distância da parte sul de Luxor e do Vale dos Reis, construído por Ptolomeu III e Ptolomeu IV, por volta de 100 a.C. Acredita-se que um templo da Terceira Dinastia existisse originariamente no local. O templo de Edfu tem um hipostilo e um santuário, além de numerosas figuras, inscrições e hieróglifos gravados em relevo. Nas paredes estão representadas as lutas do deus Hórus com seus inimigos, caracterizados de crocodilos e hipopótamos.

Como o templo de Edfu é dedicado a Hórus, há em ambos os lados da entrada do templo, bem como no pátio, grandes estátuas, magnificamente esculpidas em granito, do falcão usando a dupla coroa. Eu gostaria de ter tirado uma foto mais próxima à estátua, mas o aglomerado de turistas era tão grande, que precisei me contentar em ficar distante.

O falcão foi provavelmente a primeira criatura viva a ser adorada no vale do Nilo. O vôo altaneiro do falcão, que parecia ser companheiro do sol, levou os imaginosos egípcios a crer que o sol seria como que um falcão que descrevesse um luminoso vôo diário pelos céus. Como falcão, Hórus era um deus. Durante toda a sua história, os egípcios antigos acreditaram que os deuses se manifestavam em animais.

A foto acima foi tirada em uma espécie de pátio interno do templo e eu fiquei impressionada com a quantidade de inscrições nas paredes e muros… parece não haver nenhum centímetro livre de informações.

O que também me impressionou bastante foram os altos e baixos-relevos minunciosamente esculpidos na colunas e paredes do templo de Edfu, bem como de vários outros que visitamos. A chave da vida eterna ou Ankh é presença constante em toda parte. Também conhecida como cruz ansata, era na escrita hieroglífica egípcia o símbolo da vida. É também conhecida como símbolo da vida eterna e os egípcios a usavam para indicar a vida após a morte. A forma do ankh assemelha-se a uma cruz, com a haste superior vertical substituída por uma alça ovalada. Em algumas representações primitivas, possui as suas extremidades superiores e inferiores bipartidas.

E o que será que representa essa figura que se assemelha a um vaso de cerâmica perneta derramando um filete de água? Alguns hieróglifos me deixaram particularmente intrigada…


Templo de Kom Ombo

Kom Ombo é uma cidade do Egito, localizada na margem direita (oriental) do rio Nilo, a cerca de 160 km ao sul de Luxor e 40 km ao norte de Assuã. Ela tem aproximadamente 60 mil habitantes, muitos dos quais são núbios provenientes das regiões inundadas pelo lago Nasser, que foi formado após a construção da represa de Assuã.

O Templo de Kom Ombo foi construído há mais de dois mil anos, no Egito, durante a dinastia ptolemaica, na cidade de Kom Ombo. É o único templo duplo egípcio, assim chamado por ser dedicado a duas divindades: um lado do templo é dedicado ao deus crocodilo Sobek, deus da fertilidade e criador do mundo; o outro lado é dedicado ao deus falcão Horus. A construção do templo começou no início do reinado de Ptolomeu IV (180-145 aC) e prolongou-se por vários reinados subseqüentes. Ptolomeu XIII (180-145 BC) construiu as salas hipóstilas interna e externa. Em uma area lateral do templo foi construído um nilômetro. Ao longo dos anos, o templo sofreu a ação das inundações do rio Nilo, de terremotos e da retirada de pedras e objetos arquitetônicos promovida por outros construtores para a execução de novos projetos.

Fomos visitar o templo no final da tarde e eu adorei essa luz amarelada que consegui captar com minha máquina. Foi muito legal poder assistir ao pôr do sol ainda durante a visita ao templo e, posteriormente, ao bonito espetáculo produzido pela iluminação noturna. Na foto acima, tentei dar um “close” em um detalhe do portal de entrada que manteve boa parte das cores intactas.

No Egito, os nilômetros eram poços de grande largura, providos de uma escada que descia até o nível do lençol freático para permitir a mensuração das flutuações do nível da água do rio Nilo. Cada templo tinha um deles, destinado a determinar a intensidade da inundação anual e, em conseqüência, o valor dos impostos devidos naquele ano. Os nilômetros podem ser vistos ainda hoje ao longo do Nilo. Os mais famosos encontram-se em Assuã, na ilha Elefantina, o no Cairo.

Não sei porque algumas ilustrações (ou melhor, hieróglifos) me chamaram mais a atenção do que outros. No caso da foto acima, eu adorei essas minhocas estilizadas com anteninhas, rastejando juntas.

Quando vi o detalhe dessa espécie de vestido estampado com pequenas flores, pensei logo no meu amigo Wagner, o designer de padronagens cujo nome sempre menciono aqui. Em todos os templos em que estive, não lembro de ter visto nada parecido. Os vestidos normalmente eram lisos e as mulheres e deusas usavam somente acessórios.

A iluminação noturna valoriza muito a fachada do templo.

Uma coisa que eu adorava era ouvir o chamado para a oração em forma de cântico, proveniente de alguma mesquita próxima. O som parecia criar uma atmosfera ainda mais mágica ecoando por entre as pilastras do templo.


Templo de Philae

Por sua localização muito próxima à fronteira da Núbia, a ilha de Philae teve importância militar para os egípcios desde a antiguidade. Com o advento da construção da represa de Assuã, a Ilha de Philae foi submersa, mas com ajuda internacional o templo foi desmontado e remontado pedra por pedra na ilha de Agilkia, a poucos metros de sua localização original.

Chegamos ao templo de barco e eu fiquei encantada com as formações rochosas com as quais cruzamos pelo caminho.

O templo, que era dedicado a deusa Ísis, está localizado num belo cenário com características idênticas ao do anterior. Suas várias capelas e santuários, incluem o Vestíbulo de Nectanebos I que é usado como entrada da ilha, o Templo do Imperador Adriano, o Templo de Hathor, o Quiosque de Trajano (Cama do Faraó), e dois pilonos (pórtico de antigo templo egípcio com forma de duas pirâmides truncadas) que celebram todas as deidades envolvidas no mito de Ísis e Osíris.

A antigüidade da ilha data da 26.ª Dinastia ao período do Império Romano, cuja influência deixou a sua marca em muitas das construções. O culto da deusa Ísis era muito popular nessa época, por isso a ilha era dedicada a ela, que atrai anualmente milhares de visitantes. As construções de santuários em Philae continuaram por mais oitocentos anos, e era o último remanescente da antiga religião egípcia que chegou até o século VI. Os templos e santuários foram definitivamente fechados por Justiniano em 550 d. C., pondo fim a 4.000 anos de adoração de deuses pagãos.

O templo de Ísis tem uma composição balanceada de arcos e colunas que evidenciam a influência greco-romana.

Em muitos templos encontramos figuras “picotadas” como essa na foto acima. Esse ato de vandalismo religioso foi obra de povos cristãos que pretendiam destruir, ou pelo menos, desfigurar as imagens de deuses.

Vocês lembram quando os Talibãs explodiram as estátuas milenares de Buda? Na época eu li que arqueólogos e estudiosos de civilizações antigas choraram compulsivamente ao verem aquelas cenas exibidas na televisão. Tenho que confessar que também fiquei com um nó na garganta e nunca vou entender algumas atitudes bárbaras e destrutivas feitas em nome de Deus ao longo dos tempos. Enfim, acho que esses exemplos ficam aí para não serem repetidos e para que aprendamos a ser mais tolerantes em relação a outras culturas e crenças.

Acho que viajar faz com que repensemos nossas verdades, valores e ideias pré-concebidas. Sinto que sempre volto pra casa com uma bagagem cultural maior, trazendo um pouco mais de entendimento sobre como e porquê as pessoas pensam e agem de maneiras diferentes dependendo do local onde nasceram e viveram.

Bom, a saga do Egito termina por aqui! Espero que tenham gostado dos meus relatos e aproveito a oportunidade para desejar uma boa viagem à Lulu do blog Pimenta no teu… é refresco e à Cynthia Kopp, amiga da Carol Peixoto, do blog http://peixotodossantos.blogspot.com/, que estão de viagem marcada ao Egito.

Um beijão e um final de semana maravilhoso pra todos!!!!

Fontes:

http://deiatatu.wordpress.com/2008/09/30/luxor-atracoes-parte-um/
http://deiatatu.wordpress.com/2008/11/16/luxor-atracoes-parte-dois/#respond
http://pt.wikipedia.org/wiki/Hatchepsut
http://pt.wikipedia.org/wiki/Hathor
http://pt.wikipedia.org/wiki/Templo_de_Luxor
http://viagem.hsw.uol.com.br/templo-de-karnak.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Nil%C3%B4metro
http://pt.wikipedia.org/wiki/Templo_de_Kom_Ombo
http://www.eujafui.com.br/359792-assua/16856-templo-de-philae/
http://www.starnews2001.com.br/egypt/temples.html

Bonfa ass

32 comentários:

Vanessa Romanelli disse... [Responder comentário]

Katia, sensacional!!! Imagino como deve ter sido tudo perfeito! gente, fiquei impressionada com a insistência daqueles vendedores, que coisa né?!!
E essas fotos? lindas!! Vou deixar esse post como referencia para os meus clientes, um beijo grande!

Claudia disse... [Responder comentário]

Uau!! As fotos ficaram lindas! Que lugar místico!! Muito dez!! Obrigada por compartilhar conosco a sua experiência e conhecimento, porque no mundo em que vivemos hoje, isso é a única coisa que ninguém nunca vai poder nos roubar...O que aprendemos
bjks

Claudia disse... [Responder comentário]
Este comentário foi removido pelo autor.
Tati Alberti disse... [Responder comentário]

Oi Katia... Saudades!
Quanta arte, história e cultura vc. está nos proporcionando. Mesmo sem viajar me sinto 'viajada'.
Ah! Meu maridão também é Flamenguista, já em fase crônica...rs
Beijos e Parabéns pelo Post

Milena disse... [Responder comentário]

Esse foi o post que mais gostei.Enquanto ia lendo,várias curiosidades iam surgindo e vou tentar matá-las pesquisando mais.Acho incrível a grandiosidade dos templos!É tudo super,imagino na época com os habitantes,o vestuário,os objetos...
Duas coisas me chamam a atenção:a natureza meio crua,selvagem e a simbologia que esses lugares carregam.
bj,bj,bj

Natália disse... [Responder comentário]

Essas fotos são inspiradoras...cheias de mistérios né? Adorei Kátia!

bjokas, bom fds

Bird disse... [Responder comentário]

Cada post belissimo como sempre!!!

Adorei as fotos e o relato, porém o templo de Hatschepsut acho o mais fascinante!! Vi uns documentarios aqui sobre ela, cheia de mistérios...E eu que adoro um mistério arquelogico.... :)

Ah gostei também de ver as fotos da modelo!! :) Acho super legal em toda foto vc estar sorrindo! Deixa nosso dia mais alegre!!

As meninas que vao ao Egito devem estar adorando suas dicas, né?

Adorei também o novo fundo!! Super feminino, sua cara!! :)

Beijocas

Aline mamãe do Yuri disse... [Responder comentário]

Kátia

lindas fotos ........ você me fez viajar.

bom final de semana

beijos

Cris-RJ disse... [Responder comentário]

Imagens do Egito são sempre fascinantes! Acredito que a real lição que tiramos desta visita, em relação à dimensão das estruturas, é que realmente não somos nada. Somos apenas um pozinho em tudo isso..rss E muitos ainda acreditam que somos os donos do mundo. Tsc..tsc... :-) Valeu pelas belíssimas imagens, como sempre! Beijocas.

Fer disse... [Responder comentário]

Oi Katia...
Como sempre o post ficou riquíssimo em detalhes e ilustrações. Só vc mesmo p ter tanta paciência e respeito por nós, leitores assíduos de suas andanças pelo Egito. As areias do deserto preservaram tanto, q deve ter sido um presente poder ter visto tudo de perto. Inacreditáveis as colunas e seus detalhes.
Adorei o post de hoje.
Bj gde e bom fim de semana p vc também.
Fer L.

Luciana Casado disse... [Responder comentário]

Nossa, Katia!
Eu viajei contigo lendo esse post, foi muito explicativo e todas as fotos são de suspirar!
Te confesso que nunca imaginei viajar ao Egito, na realidade apenas imaginava ver as pirâmides e as Esfinge. Tu me abriu um leque de histórias e templos muito rico, obrigada por repartir tantas informações interessantes!
E também parabéns por ter feito essa viagem maravilhosa!!
Bjus, Lu

Luciana Casado disse... [Responder comentário]

Ah, a curiosidade me fez ler sobre o macabro massacre de Luxor em 1997, que horror!
Que fatos assim nunca mais aconteçam!

Anônimo disse... [Responder comentário]

Bonfa, querida...depois desse lindo post, adivinha para onde será minha próxima viagem...rs. Pena que ainda demora um pouco, para conseguir um período de férias...parabéns pelo lindo relato e obrigada pela inspiração de sempre...bjs - Vanessa

Katia Bonfadini disse... [Responder comentário]

Oi, Vanessa!!!! Dou a maior força pra você fazer essa viagem! E muita gente da nossa excursão, aproveitou pra emendar uns dias em Israel, Jordânia, Turquia e outros destinos. Vale muito a pena! Se precisar de outras dicas, pode me mandar um e-mail! Beijos e obrigada!!!!

Wagner disse... [Responder comentário]

Nossa, Bonfinha!, as fotos deste post ficaram lindas! — sobretudo as dos detalhes (que você sabe que eu adoro) e também as que mostram a monumentalidade das columas e dos templos! ADOREI!
Sobre a figura com o vestido estampado em relevo eu também nunca tinha visto — deve ser um dos primeiros registros de tecido estampado da história! — fiquei curiosíssimo em saber mais sobre isso!!!
Acho que este post encerrou magnificamente sua viagem ao Egito! Gostei muito da sua "reflexão" no final do post sobre o efeito que o conhecimento de outras culturas pode ter sobre nós. Parabéns pelos seus posts sobre viagens, sempre ricos em detalhes de todos os tipos: fontes valiosas para quem pretende alçar voo rumo a outras terras!...

Beijo.

Rita Vieira disse... [Responder comentário]

Kátia, cheguei a uma conclusão depois de ler todos esses post do Egito: eu fiz essa viagem com você!!! rsrsrs...

E com direito a ter um objeto pra comprovar isso aqui comigo...rsrsrs...chegou ontem no final da tarde o meu porta-velas-oriental-luxo!!! rsrsrs...adorei!!!

Logo, logo te mando as fotos.

Mas te agradeço por compartilhar conosco esses momentos lindos que você viveu e de forma tão jornalística.

Um abração! e um ótimo final de semana!

Rosi disse... [Responder comentário]

Bonfadini

Essa viagem foi mesmo uma aventura. Fotos belíssimas, relatos ótimos. Tenho certeza que valeu cada centavo gasto.

Obrigada por ter compartilhado conosco mais uma viagem.
Um ótimo final de semana.

Ah, como de costume hoje lá no Mundinho tem entrevista especial. Passa lá

Priscila Ferreira disse... [Responder comentário]

Mulher!! A-D-O-R-E-I!!!
Nossa, parecia mesmo que estávamos todas juntas lá!!
Muito obrigada pelos detalhes, informações!! Tu consegues nos enriquecer de cultura em cada post!!
Adorei os templos, cada detalhe! como eles conseguiam fazer construções tão grandiosas a tantos anos atrás né?! Cada lenda e história mais linda!!!
E li a reportagem, puxa... Eu realmente acho que não tem como entender estes terroristas! Como eles acham que vão receber algo em troca por matar pessoas inocentes?! ;/
Com certeza deve ter sido uma viagem muito linda!! Já estou "soltando letrinhas" para o meu namorado para nossas férias do ano que vem heheh
Bjuu
Pri

Tiff @ Making The World Cuter disse... [Responder comentário]

Thanks so much for introducing me to your blog. You are gorgeous and I am super jealous of your amazing trip!
-Tiffany

Tiff @ Making The World Cuter disse... [Responder comentário]

Thanks so much for introducing me to your blog. You are gorgeous and I am super jealous of your amazing trip!
-Tiffany

Carolina Novaes disse... [Responder comentário]

Boa tarde!
Em primeiro lugar, gostaria de dizer que adoro o seu blog.
Sobre essa viagem, vc fechou um pacote do Brasil ou lá procurou uma agência de turismo? E qual?

bjo,
Carol

MOMENTOS disse... [Responder comentário]

Não fosse a foto com Marcelo com a camisa do flamengo, as fotos ficaram todas ótimas.
Como sou fã incondicional do twitter postei uma frase que achei legal dos seus comentários finais.
Um beijão
Kapin

Antonio e Ellen disse... [Responder comentário]

Katia, suas fotos trazem muito da grandiosidade do Egito é quase possivel de tocar por meio delas.
Parabens!!!!!!!!!!
bjs
Antonio
viagemafora.blogspot.com

Verônica Cobas disse... [Responder comentário]

Katia....amiga tão querida,

Você sabe o quanto gosto de informações históricas, detalhes do período em que cada uma dessas milenares estruturas foi construída. Mas...que os faraós me perdoem...não há nada mais impactante em todas essas imagens do que o manto sagrado rubro-negro, envergado por membro respeitoso da nação, e a desvendar todos os mistérios da esfinge. O Egito nunca mais será o mesmo.

beijo

Nádia Argeri Burghi disse... [Responder comentário]

Que viagem linda!

Kaira disse... [Responder comentário]

A série de posts estava perfeita! A riqueza de detalhes e a forma com que explica cada lugar nos faz sentir de verdade como se estivéssemos lá!
Adorei!!!
Bjs!

Laély disse... [Responder comentário]

Nossa, Kátia! As fotos estão maravilhosas! Mas, cá entre nós, uma conversa de "mulherzinha", o que tirou minha atenção foi aquele seu casaquinho de veludo verde: que coisa mais linda!

Joaninha Bacana disse... [Responder comentário]

Uau, o Templo de Hatshepsut é fascinante incrustado nas rochas!!! E seus posts sao verdadeiras aulas de história, adorei :-D Essa viagem ao Egito foi muito show, foi muito legal ter viajado através dos seus posts :-)
Beijos, Angie
P.S. Eu gostei da foto nada criativa na frente da Osíris, hahaha :-D Achei é show! :-)
P.S.2 Que fofas as minhocas!!! O que será que simbolizavam?

Claudia Liechavicius disse... [Responder comentário]

Katia.
Que relato detalhado. Adorei!!! Bom saber que as mulheres são poderosas desde os primórdios. rs Mesmo antes de Cleópatra...
Sua pesquisa foi tão completa que até no link da Veja eu fui parar.
Quero ir ao Egito.
Bom D+
Bjs

ESPIRITUALIDADE E MENSAGENS disse... [Responder comentário]

OLÁ,

GOSTEI BASTANTE DE SUA PÁGINA,PARABENIZO PELO BELO TRABALHO
GOSTARIA DE LHE CONVIDAR PARA CONHECER O BLOG ESPIRITUALIDADE E MENSAGENS
http://www.espiritualespiritualidade.blogspot.com/
http://espiritualidades.multiply.com/
ESSE É UM BLOG ESPIRITUALISTA,ECUMÊNICO INDEPENDENTE DE RELIGIÃO,FILOSOFIA,OU IDEOLOGIA.OBRIGADA PELA ATENÇÃO,QUE DEUS LHE ABENÇOE,GUIE SEU TRABALHOS,CONCRETIZE SEUS PROJETOS E REALIZE SEUS SONHOS,DESEJO MUITAS BENÇÃOS E LUZ PARA VOCÊ E OS SEUS.
PAZ E LUZ.

terradaspalmeiras disse... [Responder comentário]

Olá katia, fiquei encnatada com tuas fotos, a riqueza de detalhes enfatizada por você nos diz o quanto tudo isso é real. Sou professora de História da arte e gostaria que me autorizasse a copiar todas tuas fotos no Egito e expor algumas em sala de aula. Espero resposta ansiosa, rs. bjs

Paula Regina disse... [Responder comentário]

Katia,

eu e meu marido já estávamos loucos por essa viagem (Egito). Lendo seu blog e os posts com belas fotos de sua viagem, nossa ida será certa!

Deixa só as coisas por lá acalmarem :ODD, que vamos acertar nossa excursão.

Parabéns pela viagem e muito agradecida por dividi-la conosco de uma maneira tão divertida e encantadora.

E parabéns, igualmente, pela profissional e artista que é. Suas criações são, simplesmente, lindas!

Related Posts with Thumbnails